Olá,

Visitante

Tecnologia como Ferramenta para Elevação da Cobertura Vacinal em Milagres – Ce

Categoria não especificada

Para o fortalecimento das ações de imunização de crianças de 0 a 5 anos, no município de Milagres – Ceará, a coordenação de imunização implementou a partir de agosto de 2022, o monitoramento da situação vacinal das crianças por meio de planilha no Microsoft Excel, compartilhada pelo drive com os enfermeiros e técnicos de enfermagem das equipes de Saúde da Família. A lista nominal de crianças é extraída do Cidade Saudável, sistema utilizado para cadastramento e acompanhamento dos usuários dos serviços de saúde pelos ACS, e que também permite o monitoramento dos indicadores do Programa Previne Brasil. Após atualização da lista de crianças de cada Estratégia Saúde da Família, procede-se a verificação da caderneta de vacinação no Prontuário Eletrônico do Cidadão (PEC) no E-SUS. Além do aspecto qualitativo proporcionado por esse processo de trabalho com a melhora das ações de vacinação, já pode ser observada na dimensão quantitativa, a elevação da cobertura vacinal no município.

A queda nas coberturas vacinais em nível nacional, tem como fatores associados a falsa segurança em relação à necessidade da vacinação, na medida em que ocorre o controle de doenças; fatores sociais; o desconhecimento dos esquemas vacinais preconizados nos calendários, horário de funcionamento das salas de vacina, desabastecimento de insumos; manutenção insuficiente do sistema de informação do Programa Nacional de Imunização (SIPNI), entre outros fatores. Associado a isso, tem-se os impactos da pandemia da COVID 19, com o distanciamento das ações de promoção à saúde e proteção específica. Nesse cenário, para o aumento da cobertura vacinal é importante verificar quais fatores específicos que interferem na vacinação do município. Tendo em vista que os aspectos gerais se repetem, mas somente com um monitoramento contínuo e aproximação da realidade, pode-se entender as singularidades.

Para o fortalecimento das ações de imunização de crianças de 0 a 5 anos, no município de Milagres, a coordenação de imunização implementou a partir de agosto de 2022, o monitoramento da situação vacinal das crianças por meio de planilha no Microsoft Excel, compartilhada pelo drive com os enfermeiros e técnicos de enfermagem das equipes de Saúde da Família. A lista nominal de crianças é extraída do Cidade Saudável, sistema utilizado para cadastramento e acompanhamento dos usuários dos serviços de saúde pelos ACS, e que também permite o monitoramento dos indicadores do Programa Previne Brasil. Após atualização da lista de crianças de cada Estratégia Saúde da Família, procede-se a verificação da caderneta de vacinação no Prontuário Eletrônico do Cidadão (PEC) no E-SUS. Destaca-se na planilha as vacinas que precisam ser administradas ou não estão registradas no PEC. A equipe de enfermagem tem acesso a esse detalhamento de forma online ou impresso e verifica a situação vacinal de cada criança. Trabalha-se então com duas situações: crianças vacinadas com ausência de registro; e vacinas que estão no período de ser administradas ou em atraso. No primeiro caso, busca-se o registro nos cartões espelho (na unidade de saúde ou preenchido pelo ACS no Cidade Saudável), caso não encontrada a informação, solicita-se o cartão vacinal da criança, e realiza-se a transcrição no PEC. No segundo caso, o uso das planilhas auxilia no agendamento e busca ativa das crianças a serem vacinadas. Possibilitando-se assim, verificar os motivos que estão implicando no atraso vacinal, entre eles estão adoecimento da criança, espera por imunobiológico especial, negligência dos familiares, pouca disponibilidade da vacina (Febre Amarela), entre outros. Seguindo-se da administração da vacina após o enfrentamento de cada situação encontrada, algumas mais simples com resolução rápida e outras mais complexas que exigem um investimento maior em ações dos profissionais de saúde e de outros setores, como Conselho Tutelar. Além do aspecto qualitativo proporcionado por esse processo de trabalho com a melhora das ações de vacinação, já pode ser observada na dimensão quantitativa, a elevação da cobertura vacinal no município.

Por meio da implementação do uso de planilhas de monitoramento pelas equipes de vacinação no município, houve a possibilidade de um acompanhamento real da situação vacinal das crianças de 0 a 5 anos. Esse processo de organização de dados em planilhas eletrônicas para a disseminação de informações entre os profissionais responsáveis, resultou na busca ativa rápida para a implementação das ações de imunização. Sendo assim como potencialidade desse processo de conhecimento da realidade e tomada de decisão e ação, foi possível obter uma elevação na situação vacinal das crianças do município, elevando assim a proteção específica às doenças neste público. Por fragilidades, ainda é presente em quantidade menor à resistência de alguns pais em levarem seus filhos às salas de vacinação, a baixa disponibilidade de alguns imunobiológicos específicos, assim como o monitoramento nominal e controle das ações de imunização para outras faixas etárias, o que demanda maior tempo para a equipe. Essa experiência apresentada, tem o valor de incentivar a aplicação desta metodologia de trabalho para outros municípios, no intuito de fortalecer as ações de imunização em seus territórios.

Principal

Roberta Peixoto Vieira

Coautores

Nathassya Nauany Silva Pinheiro Feijó, Gean Karlo Alves Feitosa, Helândia Hellem de Oliveira Dantas Grangeiro, Jeane Maria Figueiredo Martins Tavares, Wallace Grangeiro Coelho, Josefa Euda Batista Santos, Aurya Rayane Fernandes de Oliveira, Raimundo Porcidônio de Oliveira Filho, Sâmya Maria Lima Gonçalves Lauriston, Monisya Oliveira Ferreira Brandão

A prática foi aplicada em

Região

Instituição

Endereço

Uma organização do tipo

Instituição Privada

Foi cadastrada por

Conta vinculada

ideiasus@gmail.com

A prática foi cadastrada em

23 dez 2023

e atualizada em

23 dez 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

Você pode se interessar também

Práticas
ADESÃO DAS GESTANTES AO PRÉ-NATAL ODONTOLÓGICO: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE
Paraíba
Práticas
A PRÁTICA DE PRIMEIROS SOCORROS NO CONTEXTO DE UM CURSO TÉCNICO PARA AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE
Paraíba
Práticas
Vacinação nos espaços de formação: experiência no 2º Congresso Nordestino de Pediatria
Paraíba
Práticas
A (in) visibilidade de quem está em situação de rua: caminhos possíveis para cuidado em saúde
Paraíba
Práticas
Título: Autismo – uma causa municipal.
Paraíba
Práticas
Do ambulatório LGBTQIAPNB+ ao Café com Diversidade: garantindo acesso e fortalecimento de vínculos
Paraíba
Práticas
Atuação intersetorial nos casos suspeitos de TEA na primeira infância, um relato de experiência.
Paraíba
Práticas
Programa Bolsa Família: processo formativo para profissionais da atenção primária
Paraíba
Práticas
As PICS como ferramenta potencializadora no cuidado a saúde do trabalhador
Paraíba