Olá,

Visitante

Singrando as Águas Barrentas do Rio Purus e Levando Esperança aos Ribeirinhos

Categoria não especificada

Diante da rápida disseminação da covid-19 em todo o planeta terra, onde a organização mundial da saúde (OMS) declarou o surto de coronavírus (classificado como sars-cov-2) uma emergência de saúde pública de interesse internacional. O mais alto nível de alarme – pandemia. Essa mazela tomou proporções enormes e chegou a todos os lugares, ceifando incontáveis vidas. A ciência travou uma luta pela vida, em busca de um antídoto para frear o maior desafio do século XXI. Os efeitos devastadores da covid-19 deflagraram um verdadeiro mutirão de renomadas instituições de pesquisa em vários países. uma corrida contra o tempo, em uma velocidade jamais vista na história do enfrentamento a pandemias, a ciência respondeu ao clamor mundial com a criação de vacinas elaboradas, testadas e aprovadas em tempo recorde. Com a chegada das primeiras doses da vacina em nosso município, iniciamos um rápido processo de planejamento para fazer esses imunizantes chegarem às áreas mais remotas e de difícil acesso nas comunidades ribeirinhas, onde a maioria das vezes o único profissional de saúde é o ACS (agente comunitário de saúde). Com a finalidade de salvar vidas, montamos uma sala de vacina fluvial móvel, motivados pela irmanação. No dia 18 de junho de 2021, em uma grande estiagem, o que dificultava ainda mais o acesso, saímos em busca de levar esperança de dias melhores a 35 comunidades ribeirinhas às margens do rio Purus (subindo) em Boca do Acre – AM, em uma expedição que perduraria cerca de 20 dias.

Com uma equipe de 09 (nove) profissionais abordo, na embarcação montada com toda estrutura de geradores de energia, freezer para congelamento das bobinas (gelox), geladeiras para a conservação dos imunobiológicos conforme recomendação da organização mundial da saúde (OMS) e o PNI, onde via de regra, entre +2°c e +8°c, além de caixas térmicas com termômetros digitais, era hora de finalmente iniciar a busca ativa por nossos irmãos ribeirinhos, subir e descer porto levando além dos imunizantes, informação e conscientização da importância da vacina, quebrando tabus e paradigmas entranhados na cultura dos ribeirinhos por parte da mídia, que mesmo tendo pouco acesso às informações, algumas fake news ali também chegavam. Na prática foram encontradas pessoas que contavam as horas para receber a dose da vacina e outros com grande receio dos efeitos que a mesma pudesse trazer. Muitas das vezes era necessário passar horas em uma mesma residência ou grupo de pessoas esclarecendo e quebrando tabus fantasiados pela mídia, para finalmente conseguir realizar uma dose, um verdadeiro “trabalho de formiguinha”, casa à casa, dose à dose, mas com a certeza que cada dose aplicada significava mais uma dose de esperança que era inserida. Ao esvaziar cada seringa aplicando a dose da vacina, aumentava a motivação e esperança de todos os profissionais envolvidos, pois acreditávamos piamente que estávamos levando vida aquelas pessoas.

Esta pioneira expedição trouxe êxitos e motivou outras viagens com o mesmo objetivo e maiores sucessos. comprovou-se através de gráficos e números a importância desta experiência, na população de 22.125 habitantes dos grupos prioritários, foram alcançadas 17.716 doses, até 31/07/2021. Essa experiência contribuiu de forma positiva para o desaceleramento da covid 19 em nossa cidade, e posteriormente nos casos de óbitos. pois, pela ajuda divina e o trabalho de todos os profissionais de saúde, assim como a colaboração desta exitosa expedição, nossa cidade tem um dos menores percentuais de morte do Estado.

Foram percorridas 35 comunidades nas barrancas do rio purus (subindo), abordando em torno de 1.100 pessoas com administração de 815 doses no período de 15 dias, um resultado positivo de 74%, onde cada dose aplicada era comemorada, pois sabíamos o quanto era difícil conquistá-la pelo difícil acesso ao ribeirinho que muitas vezes estavam na labuta diária, alguns em suas plantações, igarapés, lagos ou até mesmo no rio em busca do sustento familiar. Ao regressar ao município trouxeram não apenas dados e números que evidentemente elevaria os índices de imunizados em nosso município, mas experiências que mudou a vida de todos os envolvidos.

Principal

JOYCE LIMA DE SOUZA

Coautores

ANTONIO FLAVIO NONATO DE OLIVEIRA , JOÃO ANTONIO DE SOUZA JUNIOR

A prática foi aplicada em

Região

Instituição

Endereço

Uma organização do tipo

Instituição Privada

Foi cadastrada por

Conta vinculada

ideiasus@gmail.com

A prática foi cadastrada em

23 dez 2023

e atualizada em

23 dez 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

Você pode se interessar também

Práticas
ADESÃO DAS GESTANTES AO PRÉ-NATAL ODONTOLÓGICO: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE
Paraíba
Práticas
A PRÁTICA DE PRIMEIROS SOCORROS NO CONTEXTO DE UM CURSO TÉCNICO PARA AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE
Paraíba
Práticas
Vacinação nos espaços de formação: experiência no 2º Congresso Nordestino de Pediatria
Paraíba
Práticas
A (in) visibilidade de quem está em situação de rua: caminhos possíveis para cuidado em saúde
Paraíba
Práticas
Título: Autismo – uma causa municipal.
Paraíba
Práticas
Do ambulatório LGBTQIAPNB+ ao Café com Diversidade: garantindo acesso e fortalecimento de vínculos
Paraíba
Práticas
Atuação intersetorial nos casos suspeitos de TEA na primeira infância, um relato de experiência.
Paraíba
Práticas
Programa Bolsa Família: processo formativo para profissionais da atenção primária
Paraíba
Práticas
As PICS como ferramenta potencializadora no cuidado a saúde do trabalhador
Paraíba