Olá,

Visitante

Reiki e condições crônicas não transmissíveis

As Práticas Integrativas e Complementares (PICs), como o Reiki, têm sido reconhecidas como potencialmente úteis no manejo de condições crônicas não transmissíveis. Embora sua eficácia precise ser mais investigada, estudos preliminares sugerem benefícios na redução do estresse, ansiedade e até na melhoria da qualidade de vida em pacientes com condições como hipertensão, diabetes e doenças cardiovasculares. Essas terapias complementares, integradas ao cuidado convencional, promovem uma abordagem holística à saúde, destacando a importância da individualização do tratamento e do bem-estar do paciente.

O que oportunou a escrita e o desenvolvimento dessa proposta foram os objetivos de abordar as Práticas Integrativas e Complementares (PICs), com foco específico no Reiki, diante do aumento das condições crônicas não transmissíveis. Busca-se ressaltar os potenciais benefícios dessas terapias na gestão dessas condições, como hipertensão e diabetes, que representam um desafio crescente para os sistemas de saúde. Explora-se a necessidade de uma abordagem holística para promover o bem-estar e a qualidade de vida dos pacientes, complementando os tratamentos convencionais. O texto visa sensibilizar os leitores sobre a importância de integrar práticas como o Reiki nos protocolos de cuidados, visando não apenas o controle das doenças, mas também a promoção da saúde e do equilíbrio físico e emocional dos indivíduos.

Os resultados potenciais da integração do Reiki como uma Prática Integrativa e Complementar (PIC) incluem uma melhoria na gestão das condições crônicas não transmissíveis, como hipertensão e diabetes, através da redução do estresse, ansiedade e até mesmo da dor associada a essas condições. Além disso, o Reiki pode promover um aumento no bem-estar geral dos pacientes, contribuindo para uma melhor qualidade de vida e satisfação com o tratamento. A inclusão do Reiki nos cuidados de saúde também pode resultar em uma abordagem mais holística e centrada no paciente, considerando não apenas os aspectos físicos, mas também emocionais e espirituais da saúde. Essa abordagem integrativa pode levar a uma redução no uso de medicamentos para o controle de sintomas, bem como a uma maior autonomia e empoderamento dos pacientes em relação ao seu próprio cuidado. No contexto mais amplo, a incorporação do Reiki e de outras PICs pode contribuir para uma abordagem mais sustentável e humanizada da saúde, promovendo a colaboração entre diferentes modalidades terapêuticas para o benefício máximo dos pacientes.

Para gestores e profissionais de saúde interessados na implantação de práticas integrativas como o Reiki, algumas recomendações são essenciais:

1. Educação e Capacitação: Investir em programas de educação e capacitação para os profissionais de saúde sobre as PICs, incluindo evidências científicas, princípios e técnicas de aplicação, garantindo uma compreensão sólida e fundamentada.

2. Integração nos Serviços de Saúde: Integrar as PICs nos serviços de saúde, incluindo a criação de espaços adequados e a definição de protocolos para a utilização segura e eficaz dessas terapias complementares.

3. Colaboração Interprofissional: Fomentar a colaboração entre diferentes profissionais de saúde, incluindo médicos, enfermeiros, fisioterapeutas e terapeutas complementares, para uma abordagem holística e multidisciplinar no cuidado aos pacientes.

4. Avaliação Contínua: Realizar avaliações regulares dos resultados e da satisfação dos pacientes com as PICs, utilizando indicadores de saúde e de qualidade de vida para monitorar a eficácia e a segurança dessas terapias.

5. Educação para Pacientes: Oferecer informações claras e acessíveis aos pacientes sobre as PICs disponíveis, seus benefícios potenciais e as evidências científicas que as sustentam, promovendo o empoderamento e a participação ativa no processo de cuidado.

6. Respeito à Diversidade Cultural: Reconhecer e respeitar as diferentes práticas e crenças culturais relacionadas às PICs, garantindo uma abordagem inclusiva e culturalmente sensível no fornecimento dessas terapias.

7. Políticas de Incentivo: Estabelecer políticas de incentivo e financiamento para a implementação e expansão das PICs nos sistemas de saúde, reconhecendo seu potencial para melhorar a qualidade e a eficiência dos cuidados.

Ao seguir essas recomendações, gestores e profissionais podem promover uma integração bem-sucedida das práticas integrativas na prestação de serviços de saúde, beneficiando tanto os pacientes quanto os profissionais envolvidos no cuidado.

Principal

Rosane da Silva Alves Cunha

rosane66rj@hotmail.com

Fisioterapeuta

Coautores

Rosane da Silva Alves-Cunha

A prática foi aplicada em

Volta Redonda

Rio de Janeiro

Sudeste

Esta prática está vinculada a

Prefeitura Municipal de Saúde de Valença e Volta Redonda RJ

Rio de Janeiro

Uma organização do tipo

Instituição Pública

Foi cadastrada por

Rosane da Silva Alves-Cunha

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

12 dez 2016

e atualizada em

11 abr 2024

Condição da prática

Andamento

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

Você pode se interessar também

Práticas
Mindfulness, uma estratégia para redução da ansiedade e manejo de peso
Rio Grande do Sul
Práticas
As PICS como ferramenta potencializadora no cuidado a saúde do trabalhador
Paraíba
Práticas
Práticas integrativas em um grupo tereapêutico “equilíbrio das emoções”
Paraíba
Práticas
Auriculoterapia uma práticas integrativas: como alternativa complementar no tratamento da ansiedade
Paraíba
Práticas
IMPLANTAÇÃO DE PRÁTICA INTEGRATIVA E COMPLEMENTAR NA REDE DE ATENÇÃO A SAÚDE DE QUEIMADAS-PB
Paraíba
Práticas
A terapia comunitária integrativa como inclusão e bem-estar na terceira idade.
Rio de Janeiro
Práticas
Implantação do Centro de Referência em MTC e Práticas Integrativas no Município de Duque de Caxias
Rio de Janeiro
Práticas
Planejamento orientativo do CTA/SAE Juara – MT, sobre protocolo de PEP às farmácias do Vale do Arinos.
Mato Grosso