Olá,

Visitante

Redescobrindo a Fala: Intervenção Teatral com Pacientes Afásicos Atendidos no Município de São Vicente.

A afasia é definida por MURDOCH (1997), como uma perda da função de linguagem, manifestada por dificuldade de produção de fala, leitura e escrita, envolvendo uma redução da capacidade de interpretar e formular elementos linguísticos com significado. Nesses sujeitos, ocorre uma alteração da linguagem em que a mesma reduz-se a significantes aparentemente não interpretados, podemos compreender que o sujeito desloca-se da posição de falante para uma posição contrária, devido à desorganização do discurso. Diante das limitações lesionais, o fonoaudiólogo encontra-se habilitado a promover uma adequação da linguagem alterada, abrindo novas possibilidades no processo de reabilitação. Diante disso, vimos a possibilidade de associar recursos da técnica teatral para potencializar a capacidade expressiva dos pacientes atendidos na reabilitação de fala e linguagem.O desenvolvimento do teatro com afásicos iniciou-se no ano de 2009 e teve seu término em 2013 com a participação de duas fonoaudiólogas de Centro Especializado à Saúde da Pessoa com Deficiência – “Reabilitar” do Município de São Vicente e do professor de teatro.O presente trabalho foi desenvolvido com um grupo de dez pacientes, em processo de reabilitação de fala/linguagem, através de encontros semanais com a participação das fonoaudiólogas e do professor de teatro, tendo duração de duas horas em cada encontro. Durante todo o decorrer da oficina foram trabalhadas: formas expressivas (verbais, gestuais, expressões faciais, emoções…), relaxamento corporal, importância do desenvolvimento corporal no processo de encenação, trabalho com resgate da memória, evocação, abstração, capacidade de elaboração, improvisação e exteriorização de sentimentos. As atividades propostas envolviam a interação dos pacientes com a utilização de músicas, danças, jogos cênicos e construção de atividades dentro de espaços imaginários ( mímica e adivinhação ). O trabalho em questão, foi desenvolvido com pacientes de ambos os sexos, com alteração de fala/linguagem pós AVC (Acidente Vascular Cerebral), tendo como critério de seleção, a preservação (no mínimo razoável) da capacidade de compreensão. Com relação às condições comunicativas presentes nos pacientes, as dificuldades variaram, existindo a presença de fala estereotipada, agramatismos, presenças de jargões, parafasias fonêmicas e anomias. Os aspectos motores também apresentaram variáveis, com a presença de pacientes hemiplégicos, hemiparéticos, cadeirante e sem sequela motora (apenas déficit sensorial).A cada três meses, as fonoaudiólogas realizaram processo de monitoramento do comportamento comunicativo e avaliação de aspectos relacionados às habilidades expressivas e comunicativas dos pacientes. Em todo o processo de reavaliação, constatava-se, que a possibilidade de colocar corpo/fala em movimento, repercutiram positivamente no comportamento geral dos pacientes, com maior incentivo para o tratamento fonoaudiológico. Sendo assim, aspectos específicos de

Necessidade da criação de estratégias diversificadas, a fim de desenvolver as ações comunicativas e interativas principalmente através do uso funcional da linguagem, onde a construção da mesma se faz através do próprio discurso dos pacientes/atores, permitindo a reorganização de seus próprios conteúdos verbais e tendo como agente facilitador, a interação discursiva de todo o grupo.

Concluiu-se que a arte dramática permite desenvolver a socialização dos pacientes e aumentar sua confiança e autoestima. Tal efeito positivo decorre da possibilidade de compartilhar experiências diferentes em um clima de aceitação e reasseguramento.

Principal

Aline Rodrigues Malachias E Luciana Gushiken

reabilitar@saudesaovicente.sp.gov.br

A prática foi aplicada em

São Vicente

São Paulo

Sudeste

Instituição

Rua Padre Anchieta, 462 - Centro

Uma organização do tipo

Instituição pública

Foi cadastrada por

Aline Rodrigues Malachias e Luciana Gushiken

Conta vinculada

claudia.oliveira@fiocruz.br

02 jun 2023

e atualizada em

14 set 2023

Seu Período de Execução foi de

até

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Educação em Saúde, Cultura e Ambiente Como Estratégia para a Implantação da Fitoterapia na Atenção Básica do Município de São Francisco do Conde-Bahia
Bahia
Práticas
Relato do Processo de Implantação de Protocolo de Fitoterápicos Municipal no Município de Vera Cruz do oeste, Brasil
Paraná
Práticas
Projeto Farmácia Viva
Piauí
Práticas
Gestão das Pics: Instrumento de Avaliação Como Indicador de Efetividade e Consolidação na Aps.
Santa Catarina