Olá,

Visitante

Práticas Integrativas e Complementares em Saúde na Atenção Terciária: a experiência do Hospital Geral Roberto Santos

O Hospital Roberto Santos é o maior hospital da região Norte-Nordeste, fundado no ano de 1979, vem em crescente ascensão quanto ao número de leitos hospitalares disponíveis na rede. Possui unidades de terapia intensiva, semi-intensiva e enfermarias, além de serviços ambulatoriais. Desde a sua concepção, a instituição contempla equipe multiprofissional de atendimento e tem expandido o número de profissionais que compõem a assistência. Frente às constantes mudanças em busca do aperfeiçoamento dos serviços prestados à população e em consonância com os princípios norteadores dos SUS, em setembro do ano de 2018 o serviço de Práticas Integrativas e Complementares em Saúde (PICS) foi implantado no âmbito da atenção terciária, direcionado ao atendimentos de pacientes adultos internados nas enfermarias. Inicialmente as práticas ofertadas foram Reflexologia podal, Shantala, Medicina Tradicional Chinesa (Tui Na, Do In, Auriculoterapia, Shiatsu, Ventosa), Osteopatia, Quiropraxia, Reiki, Cromoterapia e Meditação. Em maio de 2021, o serviço se expandiu e englobou as unidades neonatais e pediátricas, com oferta de PICS para bebês, crianças e seus cuidadores.

Atualmente, o hospital oferece as seguintes modalidades: Apiterapia, Aromaterapia, Arteterapia, Bioenergética, Cromoterapia, Geoterapia, Hipnoterapia, Imposição de mãos, Medicina Tradicional Chinesa (Acupuntura, Do In, Shiatsu, Ventosas, Auriculoterapia e Tui Na), Meditação, Musicoterapia, Naturopatia, Osteopatia, Plantas Medicinais/fitoterapia, Quiropraxia, Reflexoterapia/reflexología (podal), Reiki e Shantala.

Pela concepção das PICS, a sua incorporação à assistência terciária teve como objetivo a oferta do cuidado integral, considerando o indivíduo nas suas dimensões biopsicossociais, alinhada à perspectiva da promoção de saúde e prevenção de agravos, através de tecnologias leves e com efetividade estabelecida, de acordo com a literatura científica. Desse modo, foram integradas à assistência fisioterapêutica já prestada, modalidades de tratamento que ampliam o processo de cuidado, dirigido às demandas individuais do paciente, e simultaneamente, reforçando o seu protagonismo na atenção à saúde. Primeiramente, ao identificar a necessidade de incorporar aos tratamentos tradicionais de fisioterapia, uma nova abordagem de cuidado foi avaliada para sua implementação. A ideia era expandir o atendimento com a oferta de algumas modalidades das PICS e assim foi feito. Ao identificar um profissional habilitado, os serviços tiveram início e conforme o nível de aceitação e as demandas para ampliar o número de atendimentos e incluir novas modalidades, viabilizou a entrada de mais uma profissional. Entre 2018 e 2021, apenas eram ofertadas PICS para pacientes adultos e em maio de 2021, as unidades pediátricas e neonatais foram incluídas. No ano de 2022, foi criado o jardim terapêutico, na área externa do andar de subsolo do hospital,
disponibilizando mais um espaço para a realização das PICS, além da sala que está alocada no 2º andar do hospital. Ressalta-se que esses espaços são utilizados, mas os atendimentos ocorrem sobretudo na unidade na qual o paciente encontra-se internado.

Ao longo desses cinco anos, muitas ações foram desenvolvidas e projetos foram desenvolvidos atrelados ao grupo de PICS, dentre elas oficinas terapêuticas, jardim terapêutico, Maio das PICS, mutirão de atendimento na enfermaria pediátrica com foco na criança e sua família, treinamento de profissionais, estudantes e residentes na modalidade Shantala, bem como elaboração de cartilhas educativas. As PICS são ofertadas 7 dias por semana no HGRS no período diurno. A indicação dos pacientes ocorre mediante indicação da equipe da unidade e/ou busca ativa do profissional do grupo de PICS.

Desde o ano de 2018, os atendimentos com as PICS são realizados. Desde o ano de 2020, o Núcleo de qualidade da CORFIS, implantou o registro sistematizado de indicadores assistenciais. Assim, foram computados no ano de 2022, 5.220 procedimentos, sendo que 400 pacientes foram atendidos nas áreas materno infantil, incluindo bebês, crianças e seus cuidadores. No setor adulto, 315 pacientes foram atendidos no mesmo período. Em relação às modalidades realizadas no último ano, as que foram mais frequentes foram Acupuntura , Apiterapia, Arteterapia, Aromaterapia e Auriculoterapia no setor adulto e no setor materno infantil, shantala, meditação, yoga, imposição das mãos e reiki.

Através da aplicação de questionário de satisfação aos usuários pela CORFIS, via Google Forms, foram obtidos os seguintes resultados: em relação à satisfação com as PICS, 64% consideraram ótimo, 20% excelente; os usuários destacaram como pontos positivos, a interatividade, a simpatia, a atenção e dedicação, carinho e comprometimento dos profissionais; contudo, mencionaram que gostariam que o atendimento tivesse um tempo maior, que tivesse uma sala apropriada e que utilizassem a área externa do hospital.

Observa-se que as equipes das unidades nas quais as PICS são realizadas acolhem de maneira positiva a incorporação à rotina assistencial e tem se engajado para o fortalecimento das práticas na instituição.

A oferta das PICS para pacientes internados em diferentes ciclos de vida é uma quebra de paradigma no que tange à assistência terciária. Ao considerar o usuário, sob a ótica da integralidade e o seu bem-estar físico, espiritual, emocional e mental, a incorporação das PICS no processo de cuidado encontra-se completamente alinhada aos princípios norteadores do SUS. Todo o ecossistema da saúde pode ser beneficiado com uma abordagem holística, estruturada a partir de saberes milenares e tecnologias leves. Do profissional, ao paciente, do gestor e à comunidade, efeitos positivos são observados que compreendem desde a melhora de desfechos clínicos, o nível de satisfação e possíveis redução de custos, como já apontado na literatura.

A implementação desse serviço demanda uma equipe qualificada nas modalidades oferecidas, mas os custos operacionais são baixos, considerando os benefícios obtidos. A disponibilização de material educativo, o envolvimento de gestores e profissionais da rede é essencial para o fortalecimento da e disseminação das PICS.

Principal

Adriana Virgínia Barros Faiçal

avsbarros@hotmail.com

Fisioterapeuta

Coautores

Adriana Virgínia Barros Faiçal; Katiane Oliveira Almeida; Gustavo Fraga Uzeda; Thaís Brasil

A prática foi aplicada em

Salvador

Bahia

Nordeste

Esta prática está vinculada a

Rua Direta do Saboeiro, s/n - Cabula, Salvador - BA, 40301-110

Uma organização do tipo

Instituição Pública

Foi cadastrada por

Adriana Virgínia Barros Faiçal

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

10 jan 2024

e atualizada em

26 mar 2024

Condição da prática

Andamento

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
As PICS como ferramenta potencializadora no cuidado a saúde do trabalhador
Paraíba
Práticas
Práticas integrativas em um grupo tereapêutico “equilíbrio das emoções”
Paraíba
Práticas
Auriculoterapia uma práticas integrativas: como alternativa complementar no tratamento da ansiedade
Paraíba
Práticas
IMPLANTAÇÃO DE PRÁTICA INTEGRATIVA E COMPLEMENTAR NA REDE DE ATENÇÃO A SAÚDE DE QUEIMADAS-PB
Paraíba
Práticas
A terapia comunitária integrativa como inclusão e bem-estar na terceira idade.
Rio de Janeiro
Práticas
Implantação do Centro de Referência em MTC e Práticas Integrativas no Município de Duque de Caxias
Rio de Janeiro
Práticas
Planejamento orientativo do CTA/SAE Juara – MT, sobre protocolo de PEP às farmácias do Vale do Arinos.
Mato Grosso
Práticas
A Ozonioterapia no tratamento de dores crônicas
Rio de Janeiro