Olá,

Visitante

Percursos Formativos: Intercâmbio Entre Experiências e Supervisão, para a Qualificação da Rede de Atenção Psicossocial com Ênfase em Álcool e outras Drogas

Foi composto um grupo condutor da RAPS, no qual foram selecionados profissionais da rede de atenção à saúde para que realizassem o intercâmbio, que consistia em passar um mês estudando, atuando e qualificando na RAPS de Santo André. Os profissionais selecionados atuavam nas seguintes unidades de atenção: Unidade de Pronto Atendimento, Hospital Geral, Serviço de Atendimento Médico de Urgência (SAMU), Atenção Básica e Centro de Atenção Psicossocial (CAPS). A troca de experiência permeia o processo todo, porém o intercâmbio ocorreu no período de agosto de 2014 até setembro de 2015.Em maio de 2015 recebemos os profissionais da RAPS de Santo André para uma oficina de atualização de 40 horas com o objetivo de qualificar e contemplar a RAPS do município.Após está oficina, o Departamento de Saúde Mental do município de Apucarana, promove diversos encontros e outras oficinas para instrumentalizar e operacionalizar a prática no campo psicossocial.Também são realizadas reuniões periódicas do grupo condutor com a finalidade de colegiar e problematizar as ações de saúde mental na esfera local, elaborar um projeto de educação permanente para a construção de uma linha de cuidado com ênfase em álcool e outras drogas.

A Autarquia Municipal de Saúde de Apucarana, foi um dos três municípios do estado do Paraná que foi contemplado através do chamamento público no ano de 2013, em edital do Ministério da Saúde, para o percurso formativo na Rede de Atenção Psicossocial (RAPS), desde então tem realizado ações para a execução e qualificação da assistência.

Como reflexo dessas ações obtivemos uma diminuição das internações psiquiátricas e redução de práticas que levem à psiquiatrização e à medicalização excessiva. Desenvolvimento de ações visando à difusão de uma cultura de assistência não manicomial, em uma postura de enfrentamento ao preconceito e à segregação.O desenvolvimento de ações comunitárias, buscando a construção de espaços de reabilitação psicossocial, com destaque à articulação intersetorial.Pretendemos, ainda, de certo modo, incentivar maiores investimentos pessoais e institucionais tendo em vista a transversalidade e a efervescência dos debates em torno dessa área, entre os trabalhadores da RAPS, e o envolvimento dos usuários, a fim de que tenham intensificados seu protagonismo e sua autonomia na instituição ou no resgate de sua condição de um sujeito de direitos.

Principal

Lilian Ferreira Domingues

fmkaneta@uol.com.br

A prática foi aplicada em

Apucarana

Paraná

Sul

Instituição

R. Miguel Simião, 69 - Centro

Uma organização do tipo

Instituição pública

Foi cadastrada por

Lilian Ferreira Domingues

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

02 jun 2023

e atualizada em

14 set 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Atuação intersetorial nos casos suspeitos de TEA na primeira infância, um relato de experiência.
Paraíba
Práticas
Explorando as possibilidades: atividade aquática no tratamento de TEA no município de Queimadas – PB
Paraíba
Práticas
Inovação do cuidado em saúde mental no município de São José do Sabugi-PB a partir da prática.
Paraíba
Práticas
Em boas mãos: valorização dos profissionais de saúde e os impactos na proatividade em Queimadas – PB
Paraíba
Práticas
Protocolo de passagem de plantão no serviço residencial terapêutico: um relato de experiência
Paraíba
Práticas
Ressignificando vidas através das artes manuais: uma vivência do CAPS I Umbuzeiro-PB
Paraíba
Práticas
Estruturação do cuidado em saúde mental de crianças e adolescentes vítimas de violência
Rio de Janeiro
Práticas
Estruturação da Rede de Cuidado para a Atenção às Crianças e Adolescentes com TEA e suas famílias
Rio de Janeiro