Olá,

Visitante

Parceria Entre Vigilância Epidemiológica e Vigilância Sanitária – Ações de Imunização

ObjetivoMelhorar a cobertura vacinal durante a rotina e campanhas nacionais de vacinação, bem como identificar situações problema nas salas de vacina e reduzir o número de casos de doenças imunopreveníveis no município.MetodologiaInicialmente foi realizada uma reunião entre os gerentes das seções de vigilância epidemiológica (SEVEP) e sanitária (VISA) e a diretora do DEVS para liberação do fiscal sanitário e da Referência Técnica em Imunização realizarem as inspeções conjuntamente nos estabelecimentos de vacinação públicos e privados. Durante as visitas foram entregues ofícios orientando sobre o repasse de informações dos imunobiológicos aplicados à SEVEP para transmissão via sistema, bem como sobre as condições técnicas e estruturais da sala de vacinação. Também foram distribuídos materiais informativos, palestras com diretores das escolas municipais e treinamento em 2019 sobre o lançamento dos dados no SIPNI aos estabelecimentos de vacinação.

Após a verificação da queda na cobertura vacinal do município e o surto de Febre Amarela no estado, fez-se necessárias ações a fim de melhorar os índices e alcançar as metas pactuadas. O Departamento de Vigilância em Saúde (DEVS), através da parceria entre as vigilâncias epidemiológica e sanitária, traçou estratégias para o acompanhamento dos serviços de vacinação públicos e privados, com o intuito de coletar informações sobre doses aplicadas nestes locais e atualizar o Sistema de Informação do Programa Nacional de imunização (SIPNI) sobre a cobertura real de cada imunobiológico. Também foram observadas durante as visitas de inspeção a estrutura da sala de vacina, conservação e técnicas de administração dos imunobiológicos para garantir a qualidade do produto ofertado e evitar a ocorrência de Eventos Adversos Pós Vacinal (EAPV) e/ou complicações à população. Essas ações tiveram início em fevereiro de 2018 e permanecem em atividade, visto que foi detectada melhoria na cobertura vacinal.

cobertura vacinal dos imunobiológicos de rotina apresentou grande melhora se comparado os anos de 2017 e 2018, comprovando a efetividade e eficácia das ações conjuntas entre as seções SEVEP e VISA, bem como a implantação da RDC 197/2017 durante as ações. O acesso e uso adequado das informações e a soma dos esforços gera consequentemente o alcance das metas, além de garantir um serviço de qualidade à população, independente do público atendido nas instituições públicas e privadas.

Principal

Karoline de Castro Moraes

A prática foi aplicada em

MG

Minas Gerais

Sudeste

Instituição

Ipatinga

Uma organização do tipo

Instituição pública

Foi cadastrada por

Ideiasus/Fiocruz, Conasems

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

09 maio 2016

e atualizada em

14 set 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Elimina Dengue: Intervenções e valorização do servidor em um município prioritário (Anchieta) no combate à dengue
Espírito Santo
Práticas
Ações Compartilhadas de Vigilância em Saúde: uma Estratégia de Integração Entre Vigilância e Atenção Primária
Mato Grosso do Sul
Práticas
Bota fora da dengue em primavera
São Paulo
Práticas
Usando uma Escala de Risco Familiar Baseada na Ficha A: Relato de Um Agente Comunitário de Saúde
Paraíba
Práticas
Processo de Informatização no Trabalho do Agente de Combate Às Endemias em Queimadas-Pb
Paraíba
Práticas
A Construção do Sistema de Monitoramento do Covid-19 Como Um Instrumento de Apoio a Gestão e Controle Social na Sms Petrópolis – Rj
Rio de Janeiro
Práticas
Integralidade da Atenção À População em Situação de Rua de Niterói (Rj) na Pandemia de Covid: Prevenção de Surtos e Promoção do Cuidado
Rio de Janeiro
Práticas
Projeto Saúde em Foco
Rio de Janeiro
Práticas
Intersetorialidade no diagnostico e combate de arboviroses na pandemia
Rio de Janeiro
Práticas
Controle do Achatina Fulica e de Roedores (Nocivos): Prevenção de Verminoses e da Leptospirose.
Rio de Janeiro