Olá,

Visitante

Organização da Gestão dos Programas de Residência em Saúde, na Secretaria Municipal de Saúde de São Lourenço do Sul

ALIDADE DA EXPERIÊNCIA:A experiência tem como finalidade aprimorar o processo de gestão acadêmica dos residentes em saúde que atuam no município de São Lourenço do Sul. o processo de residência em saúde inclui diversos fatores, além da presença no campo pelos residentes. até que ocorra esse materialização uma série de processo são necessários, como estruturar a retaguarda de preceptoria de campo, onde é necessário profissionais comprometidos com a formação e com disponibilidade para estar em constante atualização, além de estruturação de um plano político pedagógico que contempla entres outras questões a grade curricular teóricas que cada residente deve ter para completar seu processo de formação. Além disso, na organização se reestruturou o mecanismo de arquivamento dos documentos acadêmicos, tais como: ficha de efetividade, para posterior liberação de bolsa de estudos, ficha de liberação de eventos, férias, folgas e afins, envio de documentos a escola de saúde pública do RS, realizar a guarda de documentos da comissão de Residência médica, bem como secretaria suas reuniões, dando fluxo para a mesma.DINÂMICA E ESTRATÉGIAS DOS PROCEDIMENTOS USADOS:- Nomeação de responsáveis pelas ações de ensino e pesquisa e assessoria técnica assistencial subordinado a Supervisão de Saúde Mental

O Município de São Lourenço do Sul tem uma tradição de três décadas, no que tange aos cuidados de portadores de sofrimento psíquico, através de Políticas de Saúde Mental inovadoras. Em 1988 foi criado o Centro Comunitário de Saúde Mental – Nossa Casa, que pode ser considerada a primeira experiência municipal de cuidado psicossocial, territorial,do país. Esta experiência gerou a inclusão na Constituinte Municipal, ou seja, obrigatoriedade de investimentos do município em saúde mental. São Lourenço do Sul tem uma trajetória importante no cuidado em Saúde Mental sendo precursor no Estado do Rio Grande do Sul. O Centro Comunitário de Saúde Mental –Nossa Casa, classificado pelo Ministério da Saúde através da portaria 224/91 como Centro de Atenção Psicossocial – CAPS, outros dispositivos de cuidado foram também com pioneirismo criados,entre os quais: Nosso Lar Serviço Residencial), Oficina Terapêutica Integrada(Geração de Trabalho e Renda) e Unidade de Saúde Mental em Hospital Geral. Todos estes recursos terapêuticos, desde o princípio, são articulados em rede. Com a expansão da Política Nacional de Saúde Mental, especialmente com a promulgação da Lei 10.216/2001 (Lei Nacional da Saúde Mental)- que possibilitou avanços importantes na humanização dos cuidados dos portadores de transtornos mentais – e seus desdobramentos – que viabilizaram o financiamento de outros dispositivos – o município de São Lourenço do Sul seguiu apostando no desenvolvimento dos cuidados em saúde mental, porém com um olhar regional. Foi assim a concepção do CAPS ad II (hoje CAPS ad III, com funcionamento 24 horas), CAPS i, e ampliação da linha de cuidado hospitalar com o Serviço Hospitalar de Referência em Álcool e outras Drogas (SHR-ad). Rede de Saúde que compõe a Rede de Atenção Psicossocial – RAPS, referente à Portaria Nº. 3088 de 23 de Dezembro de 2011, do município conta com vários equipamentos de saúde que contemplam os pontos de atenção da RAPS.As Residência em saúde é componente da política nacional de educação permanente e de desenvolvimento do Sistema único de saúde, através dela constitui uma importante modalidade de ensino-serviço de pós graduação lato sensu, destinadas a profissionais da área da saúde. Em 2012, São Lourenço do Sul-RS passou a ser campo de formação de residentes de primeiro, segundo e terceiro ano, na ênfase de Saúde Mental Coletiva, a partir de uma parceria feita com a Escola de Saúde Pública do Rio Grande do Sul – ESP/RS, que descentralizou seus campos de formação, que até então eram somente em Porto Alegre. Ao longo desse anos, o município já formou, na modalidade de pós graduação profissionais das áreas: 05 Enfermeiros, 03 Psicólogos, 01 Terapeuta ocupacional, 03 assistentes sociais, 02 professores de educação física. Os campos de práticas ocorrem no Hospital geral, Centro de atenção psicossocial, oficina de geração de renda, atenção básica e gestão, totalizando 60 horas semanais pelo período de dois anos. Esse profissionais vem agregando valor a rede, pois exigem dos profissionais a realização de preceptorias de campo e de núcleo, possibilitando uma constante troca de conhecimentos e atualização por parte desses profissionais. Além das ações de formação prática, realizam atividades teóricas, de fomento ao controle social e atividades comunitárias,atualmente a rede possui 06 residentes de segundo ano e três de primeiro, com núcleos de: Terapia ocupacional, Psicologia, Serviço Social, Enfermagem, Artes e Educação Física. O Município de São Lourenço do Sul, através da Secretaria Municipal de Saúde, cadastrou em 2014 um programa de Residência Médica em Psiquiatria para 05 vagas. A Residência de São Lourenço do Sul, tem o objetivos de Formar profissionais para atuação em equipe de saúde e compreensão integral à saúde, capacitando-os para uma intervenção interdisciplinar, analítica, critica, investigativa, resolutiva e propositiva no âmbito técnico, administrativo e político em psiquiatria e saúde mental, do Sistema único de Saúde (SUS). A formação ocorre durante três anos, em Rede, no Hospital geral, Centro de atenção psicossocial, apoio matricial, durante 60 horas, atuam atendendo usuários dos serviços de saúde coma supervisão dos preceptores.Frente a esse desafio de fortalecer a formação de recursos humano para o SUS, a secretaria municipal de saúde, através do Setor de saúde mental, incluiu a gestão de ensino e pesquisa em seu organograma de organização, possibilitando a articulação entre assistência e ensino desde a organização da gestão até os serviços de saúde.FIN

A experiência do município como formador de profissionais tem sido muito articular processos formativos no âmbito da RAPS, desenvolvendo e aprimorando ás práticas profissionais, dos trabalhadores, intersetorialidade, parceiros, conselheiros de saúde, entre outros atores envolvidos, atendendo os princípios do Sistema Único de Saúde – SUS: “ordenar a formação de Recursos Humanos na área da Saúde”.

Principal

Flávio José Machado Resmini, Arita Bergmann, Cintia Cunha, Flávio José Machado Resmini, Joseane Rodrigues, E Diego Elias R. dos Santos

enfermeirodiegoeliassantos@gmail.com

A prática foi aplicada em

São Lourenço do Sul

Rio Grande do Sul

Sul

Instituição

R. Sen. Pinheiro Machado, 100

Uma organização do tipo

Instituição pública

Foi cadastrada por

Flávio José Machado Resmini, Arita Bergmann, Cintia Cunha, Flávio José Machado Resmini, Joseane Rodrigues, e Diego Elias R. dos Santos

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

02 jun 2023

e atualizada em

14 set 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Incluir e apreender: parceria entre saúde e educação no acompanhamento multidisciplinar de escolares com necessidades especiais
Paraíba
Práticas
A educação permanente dos profissionais de enfermagem como estratégia no enfrentamento à dengue
Paraíba
Práticas
Oficina de atualizacao dos cadastros para melhoria da cobertura vacinal em Junco do Serido-PB
Paraíba
Práticas
Educação em gênero no SUS e a proteção integral à mulher em situação de violência na atenção primária
Paraíba
Práticas
Era uma vez, apresentando uma história de cuidado e amor – a importância da educação vacinal desde o berço
Paraíba
Práticas
Estratégia de comunicação pública voltada à saúde no ambiente digital em Campina Grande
Paraíba