Olá,

Visitante

Métodos para Avaliação da Cobertura Vacinal Rápida, Ágil e Válida: Experiência Exitosa no Município de Itapé-Ba em 2023

Categoria não especificada

O Programa Nacional de Imunização – PNI busca o fortalecimento das ações para o alcance das coberturas vacinais para manter a população protegida contra as doenças imunopreveníveis. Diante de baixas coberturas vacinais o município de Itapé – Ba foi contemplado para o Programa Vacina Bahia que selecionou 43 municípios com população de até 100 mil habitantes e apresentaram cobertura abaixo de 60% em qualquer uma das 4 vacinas do SISPACTO – para crianças menores de ano a Penta (3ª dose), Pólio (3ª dose) e Pneumo 10 (2ª dose) e para criança de 1 ano a Tríplice Viral (1ª dose), o ideal de cobertura seria 95% para cada vacina. O município possui 5 Equipes de Saúde da Família e 38 Agentes Comunitários de saúde que cobrem 100% do município. Cada Unidade possui sala de vacina com técnico de enfermagem exclusivo para ações de vacinação. Apesar de possuir uma cobertura completa de Equipe de Saúde da Família, o município não consegue avançar na melhoria das coberturas vacinais. Com esse cenário foi necessário reavaliar os processos de trabalho, fomentar as responsabilidades e criar novas estratégias que contribuam para o alcance dessas coberturas. Foi realizado reuniões para relembrar e fomentar o correto registro no ESUS PEC – Sistema de informação utilizado em todas as salas e refletir sobre as possíveis falhas e/ou ausências na rotina de trabalho que atrapalham no cumprimento das ações, negativando um trabalho tão necessário. Para reverter esse quadro foi estabelecido o acompanhamento através do cartão espelho físico, em duas vias, uma para o ACS e outra para a sala de vacina, para facilitar o monitoramento das crianças faltosas ou com vacinas em atraso. Foi solicitado nesse primeiro momento o controle das crianças de 0 a 4 anos e posteriormente de 9 a 14 anos. Muitos ACS apresentaram resistência e afirmaram que suas crianças estavam com vacinas em dia. Outros já até ampliaram a faixa etária de controle, até para grupos especiais. A verificação dos cartões ainda está em andamento, porém os cartões de 12 ACS já mostraram um quantitativo enorme de crianças com alguma pendência ou perda de vacina. Os ACS se surpreenderam com os resultados e reconheceram as fragilidades de não realizar o monitoramento e reconheceram a potencialidade da ferramenta adotada. O controle e monitoramento através do cartão espelho, o correto registro das doses aplicadas no Sistema de Informação, a busca ativa de faltosos e o trabalho integrado de toda equipe da Atenção Primária certamente levará a um cenário de coberturas vacinais alcançadas e pessoas protegidas.

Apesar de possuir uma cobertura completa de Equipe de Saúde da Família, o município não consegue avançar na melhoria das coberturas vacinais. Muitas discussões e reuniões foram realizadas nesse sentido a nível municipal e estadual pelo NRSSUL, através da Base Regional Sul, em que a gestão de Imunização e equipes de Atenção Básica fazem o acompanhamento e monitoramento contínuo das coberturas. Buscando uma resolução para esse problema e analisando práticas anteriores para encontrar soluções, foi realizada em dezembro de 2022 com as coordenações municipais de Atenção Básica e Vigilância Epidemiológica, Agentes Comunitários de Saúde e Técnica do GT de Imunização da Base Regional Sul, que também é funcionária municipal, reunião afim de estabelecer uma parceria da Base com as equipes para resgatar o acompanhamento por meio do cartão espelho físico como estratégia de melhorar o monitoramento das crianças e realizar a busca ativa, caso necessário. Na reunião foram apresentadas as coberturas vacinais e fomentado questionamentos e reflexões acerca das mesmas. Grande parte dos agentes se mostraram relutantes em fazer o monitoramento por meio do cartão espelho, pois acreditam ser um retrocesso já que trabalham de forma digital, como também se mostraram surpresos com as coberturas já que afirmaram ter o controle de suas crianças e que não havia atrasos ou perdas vacinais. Com o lançamento do Programa Vacina Bahia , em março de 2023, pelo Governo do Estado da Bahia, em que 43 municípios abaixo de 100 mil habitantes foram selecionados por apresentarem coberturas abaixo de 60% em pelo menos uma das seguintes vacinas :Pólio(3ª dose),Penta(3ª dose), Pneumo 10(2ª dose) para menores de 1 ano e a 1ª dose Tríplice Viral para crianças de 1 ano, observou-se que Itapé se encontrava entre os municípios com baixas coberturas vacinais por apresentar em 2022: Pólio – 3ª dose – 57,52%; Penta – 3ª dose – 58,41%; Pneumo 10 – 2ª dose – 62,83% ; Tríplice Viral – 1 ano – 46,9% (SIPNI,2023) em cima de uma população de =95% com selo de Município Amigo da Vacina e os 20 melhores da Bahia receberão 2 computadores como prêmio pelo resultado exitoso.

Diante do novo cenário, em março de 2023 houve nova reunião com coordenações, enfermeiras, vacinadores e técnicos de enfermagem, técnica do GT de Imunização/Doenças Imunopreveníveis e também apoiadora da Vigilância na Secretaria Municipal, com cada equipe de forma individualizada, para apresentar o Programa Vacina Bahia e adotar novas estratégias bem como melhorar o processo de trabalho de forma emergencial. O monitoramento através dos cartões espelho, solicitado no encontro de dezembro, não foi realizado por todos os ACS, o que levou a gestão a estabelecer obrigatoriedade na estratégia e implementação com urgência, utilizando duas vias por todos os ACS, uma para o agente e outra para a sala de vacina, quando foram elencadas também as atribuições de cada um nesse processo. No primeiro momento foi estabelecido que o público seria crianças de 0 a 4 anos, porém posteriormente atingirá também crianças e adolescentes de 9 a 14 anos, idade em que se encerra o ciclo vacinal, ficando somente as vacinas de campanhas e reforços. Com o preenchimento correto do cartão espelho, o vacinador e toda equipe farão o monitoramento das crianças a serem vacinadas, com identificação de crianças com vacinas atrasadas e faltosas e definirão ações a serem implementadas que incluem a organização do processo de trabalho com busca a essas crianças de forma eficiente, educação em saúde e atualização do calendário vacinal. O vacinador também fará a revisão do Sistema de Informação – o município utiliza o ESUS PEC – realizando a transcrição das vacinas atualizando o cartão virtual no PEC, que não vai contabilizar cobertura, mas atualizará o prontuário e consequentemente, para que o usuário tenha acesso ao cartão de vacinal virtual através do aplicativo Conect SUS. As novas vacinas aplicadas serão registradas em tempo real, pois assim migrará para cobertura vacinal, e paralelo a isso, os dados deverão ser transcritos para o cartão espelho para que o ACS possa monitorar. A busca ativa dos faltosos também será realizada no cenário escolar, fortalecendo a ação de Atualização e verificação Vacinal do Programa de Saúde na Escola – PSE Em paralelo à verificação dos cartões pelas equipes, nesse momento inicial, as coordenações de imunização com apoio da técnica do NRSUL implantaram um banco de dados que verifica os cartões de cada microárea de forma individualizada. Em planilhas são registrados o nome da criança, a data de nascimento, a idade e a avaliação do calendário vacinal, identificando vacinas em atraso e outras pendências. Já foi realizado a verificação de duas Unidades de saúde da Família, uma com 5 ACS (4 entregaram) e outra com 9 ACS (8 entregaram), 2 ainda pendentes de entrega. Tabela 1 – Avaliação do Calendário Vacinal através de Cartões Espelho na USF Heriberto Simões Ramos (4 ACS) Idade Número de cartões verificados Número de cartões com vacinas em dia Número de cartões com alguma vacina atrasada ou perdida 0 20 13 7 1 9 4 5 2 14 10 4 3 22 13 9 4 14 8 6 5 11 5 6 6 1 1 0 Tabela 2 – Avaliação do Calendário Vacinal através dos Cartões Espelho na USF José Menezes Souza (8 ACS) Idade Número de cartões verificados Número de cartões com vacinas em dia Número de cartões com alguma vacina atrasada ou perdida 0 16 08 08 1 11 05 06 2 16 09 07 3 11 05 06 4 16 07 09 5 23 15 08 6 17 01 09 7 10 04 06 8 12 01 11 9 08 01 07 10 22 00 22 11 20 01 19 12 11 04 07 13 13 01 12 14 09 03 06 15+ 45 6 39 Os resultados dos cartões verificados, descritos acima, apontam para um grande número de crianças com alguma vacina do calendário da criança em atraso. Foi observado também a perda da vacina Rotavírus em algumas crianças. Em relação aos adultos foi observado que eles perderam o cartão da infância, a maioria mostrou apenas o cartão da Campanha COVID, como não podem provar que já tomaram as vacinas será preciso reiniciar os esquemas de acordo o calendário indicado para a idade. Isto reforça ainda mais a importância do cartão espelho físico e virtual, podendo emitir uma segunda via do cartão em caso de perda. Vale salientar que o município foi atingido pela enchente em dezembro de 2021 e muitas pessoas perderam seus pertences e documentos, incluindo o cartão de vacina. Apesar da verificação ainda estar em andamento, essa amostra de 12 ACS já demonstra a realidade do município e a necessidade da melhoria do processo de trabalho com adoção de métodos factíveis para a melhoria das coberturas vacinais com envolvimento das equipes de saúde da família e da gestão em saúde.

Com a adoção do método de avaliação do calendário vacinal através do cartão espelho físico, os ACS antes resistentes e que acreditavam não ter crianças com vacinas atrasadas se surpreenderam e reconheceram a importância do cartão para o fortalecimento do monitoramento e busca ativa não apenas de crianças e adolescentes mas também de pessoas com outras idades e grupos especiais como fez a ACS na casa de apoio às pessoas com transtornos mentais o que mostra como todo o processo ampliou o olhar do ACS sobre sua importância nas ações de imunização. A estratégia foi adotada como rotina no município fortalecendo o Sistema de Informação Virtual, com o monitoramento rápido e eficiente, possibilitando uma busca direcionada e assim alcançando as coberturas vacinais e consequentemente reduzindo o risco do aparecimento de Doenças Imunopreveníveis.

Principal

NOEMIA PAULA SANTOS LUDOVINO

Coautores

CAMILA ALCANTARA DOS SANTOS DE SOUZA, JOAQUIM GOIS ANDRADE, THAISA COSTA RODRIGUES RAMOS, ANA SELMA DE SOUZA MENDONÇA, ROSANGELA VIEIRA LESSA BEZERRA

A prática foi aplicada em

Região

Instituição

Endereço

Uma organização do tipo

Instituição Privada

Foi cadastrada por

Conta vinculada

ideiasus@gmail.com

A prática foi cadastrada em

23 dez 2023

e atualizada em

23 dez 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

Você pode se interessar também

Práticas
Caminhos estratégicos da APS frente a cobertura vacinal no município de Bernardino Batista
Paraíba
Práticas
Ampliando leque da rede: fortalecimento dos vínculos entre equipes e escola.
Paraíba
Práticas
Relato de experiência: humanização na atenção ao usuário no pronto atendimento de Pilar (PB))
Paraíba
Práticas
Implantação de laserterapia na rede de atenção à saúde de Pilar (PB): relato de experiência
Paraíba
Práticas
Paciente protagonista de sua terapia: o cuidado farmacêutico com pacientes atendidos no CAPS de Pilar (PB)
Paraíba
Práticas
Atenção e cuidado ao paciente portador de feridas no SUS em Pilar (PB)
Paraíba
Práticas
Quando a saúde vai além dos muros das UBS
Rio de Janeiro