Olá,

Visitante

Itinerário: Banzeriar é Salvar Vidas – Desafios e Conquistas do Pni na Vacinação da Covid-19 de Barreirinha-AM nos Anos de 2021 e 2022

Categoria não especificada

Este trabalho tem por objetivo apresentar estratégias de alcance do público-alvo de clientes do Sistema Único de Saúde – SUS do Programa Nacional de Imunização – PNI do Município de Barreirinha-Amazonas em cumprimento anual do calendário vacinal, bem como os desafios que intervêm na imunização das populações de territórios tradicionais em localidades rurais do município. Método: Estudo de caso realizado com a Coordenação Municipal de Imunização e vacinadores PNI referente as viagens realizadas durante o ano de 2022 em cinquenta e uma (51) localidades rurais incluindo território indígena, quilombola e ribeirinho de Barreirinha (AM). Cumprimento de cronogramas de viagens, alcance de cobertura vacinal e qualidade no serviço prestado.

Os altos índices de registros de casos de Covid-19 elevaram a necessidade de ampliar a cobertura vacinal e reorganizar as estratégias de para alcance na cobertura das populações. Para isto, elaborou-se o cronograma de vacinação seguindo os seguintes critérios: população quilombola e ribeirinha, idosos divididos em faixa etárias e pessoas com comorbidades. Outro ponto levado em consideração é a logística para viagem da equipe itinerante entre as localidades, com distancias de variam entre 76,80 quilômetros entre a sede e as comunidades rurais, com viagens que podem durar até três horas, quanto a única estrada que liga a sede do município as três comunidades rurais estima-se a distância 12 quilômetros em uma viagem de até 40 minutos conforme o estado da estrada de chão batido. As viagens da equipe itinerante iniciam das comunidades mais distantes para as mais próximas da sede do município. Importante reforçar que na época de vazante dos rios, não se conhece chegar em algumas comunidades como distrito de Brasília do Estácio, sendo percorrido em torno de 30 quilômetros do ponto de referencia de uma UBS local em transporte chamado motocar. Outro fator ligado a vazante dos rios é a dificuldade de acesso da UBSF, desta forma atrasando a chegada da sala de vacina nas localidades, sendo acessível apenas por lanchas de médio e pequeno porte. Em cada comunidade reúne-se o público-alvo em pontos estratégicos como barracões, escolas e unidades básicas de saúde. Os vacinadores reuniram os comunitários em pontos estratégicos como escolas e barracões das comunidades. Suas primeiras ações foram realizadas atividades de educação em saúde, reforçando a importância da imunização, segurança do imunizante e possíveis efeitos adversos. Como continuidade do trabalho, realizaram monitoramento d0a caderneta vacinal e aplicação da vacina. Para divulgação, a equipe de saúde local comunicou por meio de porta-voz comunitário, chamamento nas rádios locais e divulgação nas redes sociais da prefeitura. Por meio das equipes de saúde locais, avisaram todos os representantes de família em reuniões promovidas pelas diretorias das comunidades e distritos. Compreende-se ser necessário ir as comunidades rurais para a garantia de diretos e acesso a serviços de saúde com o objetivo de cumprir os princípios do SUS. Por ser nova a vacina, observou-se uma grande resistência e aceitação da mesma, inclusive na procura nas Unidades Básicas de Saúde da sede. Com o trabalho de intensificação e educação em saúde, a procura pela vacina começou a aumentar, bem como maior sua aceitação na área rural. Dessa forma, aumentou a cobertura da vacinação da Covid-19 na primeira dose para 108,1% e na segunda dose se alcançou o percentual de 88,3%, totalizando 94.051 doses para a população de 32.919 habitantes.

A principal estratégia foi realizada reunião com gestores municipais, gestores de saúde, equipe Municipal de vacinação apresentando o desafio das etapas de vacinação, custos e demandas das viagens, materiais utilizados e demais gastos para cumprimento de cobertura vacinal solicitada pelo PNI. Justificando a urgência e necessidade de realização de uma grande mobilização devolvendo todos no processo de construção do Plano Municipal de Contingência da Vacinação da Covid-19. Muito importante ressaltar o apoio total da gestão municipal e gestão em saúde a equipe municipal e total confiança nas estratégias e planos elaborados pela Coordenação do PNI local. As ações de promoção em saúde com a temática de imunização reforçavam que a responsabilidade em manter a caderneta vacinal atualizada deve ser compartilhada com a comunidade em geral, trabalhadores e profissionais de saúde e gestão em saúde. Como alcance das populações nos mais diversos territórios, o PNI municipal trabalha com uma equipe itinerante, que viajam conforme o cronograma e população específica. Durante o ano de 2021 e 2022 o PNI elaborou em torno de 24 cronogramas de viagens, alcançando as mais de cinquenta comunidades ribeirinhas, seis comunidades quilombolas e indígenas em território não indígena. Quanto ao território com demarcação indígena foi acompanhado pela equipe de imunização do DSEI Parintins, repasses mais de 12.114 doses a população indígena, conforme o registo do SIPNI. em relação as comunidades, estipula-se o alcance de 90% da cobertura, sendo os núcleos sendo chamados para vacinar nas comunidades mais próximas, com distancias em torno de três a sete quilômetros. Estipula-se que a equipe viajou mais de 480h anualmente para chegar a todas as comunidades, sendo a mais distante com 76,80 quilômetros e a mais perto com 11,71 quilometro de distancia da sede. Em comparação a extensão territorial, para se chegar a Parintins, município de polo do baixo Amazonas a distancia é de 68,75 quilômetros. Ou seja, é mais perto chegar no munícipio vizinho que em uma das comunidades mais distantes da sede. Quanto ao percurso percorrido estima-se mais de 800 quilômetros por etapa de cronograma, anualmente fechando em torno de 8.000 quilômetros viajados nos rios, lagos e igarapés do município, bem como estradas ao longo do percurso. A equipe percorre três grandes rios que banham o município, Rio Massauari, Rio Paraná do Ramos e Rio Andirá, sendo este último conhecido como o mais perigoso, pois é mais profundo e recebe mais ventos formandos ondas mais fortes. Ressaltamos a grande importância da participação das equipes de saúde locais e parcerias como autoridades locais como presidentes de comunidades, movimentos religiosos e escolas, pois foram os principais parceiros na divulgação e busca ativo da população. Devido aos ventos fortes, formam-se ondas que balançam a lancha, que popularmente é chamado de banzeiros. Podendo ser tão fortes a ponto de naufragar as embarcações. Nas viagens da equipe do PNI é muito comum enfrentar banzeiros e ventos fortes, um fenômeno que normalmente a equipe itinerante está acostumada. Porém, é comum também o tempo mudar rapidamente e se tornar tão forte a ponto de as viagens atrasarem, serem suspensas ou até mesmo remarcadas. Em determinados períodos do ano como o inverno amazônico que costuma ser de dezembro a junho, tende a ser desafiador para o cumprimento do cronograma de viagens, ainda sendo mais desafiador quando o as localidades são mais distantes e menos habitadas em determinados espaços territoriais. Ainda assim, é de fundamental importância as viagens, cumprimento do cronograma e alcance das comunidades para cumprir a o calendário nacional de imunização e garantir a cobertura de vacinação do município e por fim, a proteção dos usuários. Graças as viagens realizadas pela equipe itinerante o município alcançou resultados positivos no cumprimento de metas, imunização da população e redução de casos graves, que consequentemente reduziu óbitos no município.

Fazer saúde nas comunidades tradicionais do município de Barreirinha-Amazonas é desafiador e requer planejamento minucioso para alcance de resultados positivos. Para a execução é fundamental um trabalho que envolva toda a equipe e se acredite na mudança. Para o poeta barreirinhense Thiago de Melo o seu trabalho não é a pena que paga por ser homem, mas um modo de amar e de ajudar o mundo a ser melhor. Nesse pensamento, o PNI Municipal atua como ênfase na garantia de vida e direito de acesso com qualidade aos usuários, mesmo nas comunidades mais distantes da sede. O potencial da atuação do Programa Nacional de Imunização é de grande importância para salvar vida e durante décadas desempenha essa função com maestria, no município os resultados alcançados especialmente são a prova viva da importância do fortalecimento, investimento e adequações da Política Nacional de Imunizações. Para a população de 32.919 habitantes, o município conta com uma rede de frio, duas salas de vacinação, uma sala de vacinação na Unidade Básica de Saúde Fluvial e uma equipe itinerante formada por dez vacinadores treinados que atuam no Sistema de Saúde. Por fim, é de suma importância ressaltar a participação da gestão municipal nos investimentos, apoio logístico e financeiro nas ações do PNI municipal, a equipe de Coordenação Municipal que elabora cuidadosamente os cronogramas, estratégias e metas a serem cumpridos, a comunidade que na maioria das vezes recebe a equipe ansiosa e especialmente aos vacinadores que percorrem estradas e rios, poeiras e banzeiros na esperança de levar direitos e garantir a vida as populações tradicionais ribeirinhas, quilombolas e indígenas.

Principal

Daniele Santana Ramos

Coautores

Adilson Lauro dos Santos, Elinei Pinto de Souza, Leticia Miranda Alfaia, Núbia Trindade, Mirian da Silva Freitas, Iany José Alves da Silva, Evana Pinto Dutra, Iany José Alves da Silva, Camila Trindade da Silva

A prática foi aplicada em

Região

Instituição

Endereço

Uma organização do tipo

Instituição Privada

Foi cadastrada por

Conta vinculada

ideiasus@gmail.com

A prática foi cadastrada em

23 dez 2023

e atualizada em

23 dez 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

Você pode se interessar também

Práticas
Caminhos estratégicos da APS frente a cobertura vacinal no município de Bernardino Batista
Paraíba
Práticas
Ampliando leque da rede: fortalecimento dos vínculos entre equipes e escola.
Paraíba
Práticas
Relato de experiência: humanização na atenção ao usuário no pronto atendimento de Pilar (PB))
Paraíba
Práticas
Implantação de laserterapia na rede de atenção à saúde de Pilar (PB): relato de experiência
Paraíba
Práticas
Paciente protagonista de sua terapia: o cuidado farmacêutico com pacientes atendidos no CAPS de Pilar (PB)
Paraíba
Práticas
Atenção e cuidado ao paciente portador de feridas no SUS em Pilar (PB)
Paraíba
Práticas
Quando a saúde vai além dos muros das UBS
Rio de Janeiro