Olá,

Visitante

Imunização – Inserido nas Ações da Atenção Basica

Categoria não especificada

Diversos fatores têm potencial de afetar a utilização dos serviços de imunização, representando barreiras à vacinação em dia. Dentre esses fatores está a localização geográfica das unidades de saúde em relação à residência dos usuários e a relação interpessoal estabelecida entre a população e os profissionais que atuam na Atenção Primária à Saúde (APS), o que inclui um quesito subjetivo que é o nível de satisfação ou insatisfação dos usuários com o atendimento recebido. Estar na comunidade com a grande equipe de saúde realizando um trabalho diferenciado com a população faz criar um vinculo e confiança das pessoas com profissionais, interagindo com a população, e nestas ações a equipe de imunização estar presente pode-se identificar a situação vacina da população Itapiranguense durante ações nas comunidades. Fez promover a participação do indivíduo no cuidado de sua saúde/doença, além de identificar a situação vacinal de covid e antitetânica dos adultos que participaram do evento e realizar essas vacinas neste publico com atraso vacinal. Ainda identificar a situação vacinal das crianças pertencentes ao saúde na comunidade para posterior busca ativa, esta realizada com êxito em menos de 30 dia de identificação.

Manter a caderneta de vacinação em dia é um desafio e uma questão de saúde pública, nas campanhas de identificação de cadernetas, a mobilização da população é fundamental para que se obtenha uma maior adesão a esta estratégia. A comunicação e a possibilidade de atividades diferenciadas e estratégias dos profissionais de saúde, para a captação da população e ter resultado promissor, foi utilizado em nosso município na oportunidade do evento Saúde na comunidade, oportunizando de uma ação educativa da atenção básica para levar as vacinas mais próximo da população pensando principalmente nas comunidades rurais. A possibilidade de trabalho multiprofissional, que nesse projeto foi desenvolvido por 24 profissionais de diversas áreas de atuação possibilitou o enriquecimento de um olhar integrado. As oficinas desenvolvidas nas Comunidades de Sede Capela, distante 20 Km do centro, atendeu 126 pessoas. Já em Conceição, que fica a 25.6 km de distância, foram atendidas 236 pessoas. O trabalho em grupo possibilita a quebra da tradicional relação vertical que existe entre o profissional da saúde e o sujeito da sua ação, sendo uma estratégia facilitadora da expressão individual e coletiva das necessidades, expectativas, e circunstâncias de vida que influenciam a saúde. Ficou clara que a possibilidade de se aproximar da população nas comunidade, que os profissionais saindo do local de trabalho faz diferença. Foi possível identificar das 362 pessoas atendidas nesta ação que 48 apresentavam atraso do esquema vacinal adulto o que corresponde 13,2 % estas aplicadas no local do evento deixando assim 100% da população que participou com esquema vacinal em dia e 38 crianças com atraso do esquema vacinal infantil, estas foi organizado um planilha e feito busca ativa posterior, com as agentes de saúde, conseguindo êxito de 99 % das crianças identificadas com atraso vacinal em menos de um mês da ação.

O projeto Saúde na Comunidade foi desenvolvido nas Comunidades de Linha Conceição e Linha Sede Capela. O evento foi organizado com várias oficinas separadas e contínuas sendo usado este evento para realizar uma oficina de grande abrangência, a atualização das cadernetas de vacina da população que se fez presente além de identificar possíveis atraso vacinal nas cadernetas das crianças para fazer busca ativa posterior. Durante o evento, a população foi recepcionada por diversos profissionais da ara da saúde. Foi organizado uma equipe para verificação das caderneta de vacinação e aplicação de vacinas atrasadas. A população foi antecipadamente orientada a levar a caderneta de vacinação no dia do evento, para os profissionais de saúde avaliar se havia doses que necessitavam ser aplicadas, para completar o esquema vacinal adulto. Sendo assim aplicados as vacinas necessárias para os casos adulto e identificado/ anotado em planilha com contato os casos de atraso vacinal em crianças, onde estes cada agente comunitária se responsabilizou de fazer busca ativa posteriormente. Estratégia como esta fez diferença e fortalece as ações de imunização melhorando a cobertura vacinal do município.

Com o novo enfoque da saúde pública, busca-se a participação dos indivíduos na melhoria das condições de vida e saúde de forma coletiva, considerando as parcerias intersetoriais para o aprimoramento das estruturas necessárias para isso. Diante disso, acreditamos que o trabalho em grupo se constitui como uma técnica facilitadora para que se coloque em prática os pressupostos desse novo modelo. A saída da equipe de vacinas junto a comunidade permitiu fazer esta aproximação e identificação de casos, que com a distancia da sala de vacinas até a cidade permitiu o atraso vacinal, pois nenhum caso identificado em atraso se negou a fazer naquele momento e 100% dos relatos ao ser questionado o motivo do atraso foi falta de tempo pela distancia para ir até a cidade fazer a vacina, e com a oportunidade próximo de suas casas aproveitaram. Com a boa aceitação do projeto, já existe uma programação neste ano de 2023 a realização de 4 novas experiências a serem realizadas em outras comunidades do município, dando continuidade nesta ação.

Principal

Elaine Simonetti Zappani

Coautores

Clair Maria Heck Heinen

A prática foi aplicada em

Região

Instituição

Endereço

Uma organização do tipo

Instituição Privada

Foi cadastrada por

Conta vinculada

ideiasus@gmail.com

A prática foi cadastrada em

23 dez 2023

e atualizada em

23 dez 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

Você pode se interessar também

Práticas
Caminhos estratégicos da APS frente a cobertura vacinal no município de Bernardino Batista
Paraíba
Práticas
Ampliando leque da rede: fortalecimento dos vínculos entre equipes e escola.
Paraíba
Práticas
Relato de experiência: humanização na atenção ao usuário no pronto atendimento de Pilar (PB))
Paraíba
Práticas
Implantação de laserterapia na rede de atenção à saúde de Pilar (PB): relato de experiência
Paraíba
Práticas
Paciente protagonista de sua terapia: o cuidado farmacêutico com pacientes atendidos no CAPS de Pilar (PB)
Paraíba
Práticas
Atenção e cuidado ao paciente portador de feridas no SUS em Pilar (PB)
Paraíba
Práticas
Quando a saúde vai além dos muros das UBS
Rio de Janeiro