Olá,

Visitante

Imuniza-Ação: Monitoramento In Loco como Estratégia para Melhorar a Cobertura Vacinal de Menores de 1 Ano no Municipio de Aracati-Ce

Categoria não especificada

O município de Aracati tem 100% de cobertura de Estratégia Saúde da Família. O território é composto por 11 unidade zona rural, 11 unidades zona urbana e 3 unidades móveis (ônibus). Dentre os atendimentos, a vacinação, tanto de rotinas como COVID-19. Devido a pandemia, a cobertura vacinal de crianças menores de 01 (um) ano teve uma queda significativa em Aracati. Iniciamos o ano de 2022 abaixo das metas preconizadas para alguns imunobiológicos como BCG 62,18%, Hepatite B 82,07%, Pneumocócica 60,93%, Poliomielite 79,59%, Rotavírus Humano 69,64%, Pentavalente 82,07% e Meningocócica 63,42%. Para esse processo de reconhecimento das fragilidades, foi utilizado da matriz SWOT (FOFA) para identificar de cada unidade de saúde seus pontos fortes, pontos fracos, oportunidades e ameaças, e então, desenvolver suas estratégias de imunização: oficinas, palestras, capacitações, busca ativa. Também criado um manual rápido e didático no qual está descrito passo a passo como estratégias e as informações que deve ser inseridas no e-SUS APS. A prática teve início no dia 14 de março de 2022. Durante as visitas em todas as unidades foram entregues uma lista nominal de crianças do quadrimestre em vigência e conferido o cartão controle da unidade. Assim, com as ações pactuadas com as 22 UBS, o relatório impresso do dia 03 de março de 2023, comprovam a efetivação da prática “ Imuniza-ação: Monitoramento in loco como estratégia para melhorar a cobertura vacinal de crianças menores de 1 anos na cidade de Aracati-CE como resultados positivos, visto que a cobertura das vacinas BCG 108,6%, Hepatite B 114,04%, Pneumocócica 99,9%, Poliomielite 112,44%, Rotavírus Humano 94,82%, Pentavalente 114,04%, Meningocócica 100%, atingiram os resultados esperados. Com esses dados conseguimos identificar o quão positivo foram as estratégias estabelecidas para a busca dos resultados.

Sabemos que muitas doenças comuns no Brasil e no mundo foram erradicadas e deixaram de ser problema de saúde pública, graças ao processo de Imunização. Hoje, o Programa Nacional de Imunização (PNI) do Ministério da Saúde (MS), tem um calendário riquíssimo onde a meta de cobertura vacinal para crianças de até 01(um) ano de idade é 90% para a BCG e Rotavírus, 95% para as demais vacinas que compõe o calendário vacinal: Hepatite B, Pentavalente, Meningocócica C, Pneumocócica 10V, Poliomielite. Devido a pandemia, a cobertura vacinal de crianças menores de 01 (um) ano teve uma queda significativa em Aracati e nossa região de saúde, ocasionando uma fragilidade no alcance de metas estabelecidas pelo MS. Os dados foram identificados na Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunizações (CGPNI), e no sitio eletrônico do DataSUS, esse último de acesso universal, demonstrou baixo nível de cobertura vacinal para todas as vacinas do calendário da criança menores de 1 ano do município. Iniciamos o ano de 2022 a baixo das metas preconizadas para alguns imunobiológicos como BCG 62,18%, Hepatite B 82,07%, Pneumocócica 60,93%, Poliomielite 79,59%, Rotavírus Humano 69,64%, Pentavalente 82,07% e Meningocócica 63,42%, informações estas retiradas do Sistema de Informações do Programa Nacional de Imunizações (SIPNI). Essa heterogeneidade de cobertura vacinal aponta quão necessária a definição de estratégias capazes de, a partir da vigilância, direcionar a intervenção para onde se localiza o problema, buscando compreender as variações que ocorrem nesses indicadores e os possíveis fatores determinantes para o não alcance da cobertura vacinal preconizada. Dito isto, ao identificar a queda na cobertura vacinal do município de Aracati, a equipe de Imunização elaborou estratégias que pudesse fortalecer o processo da imunização no município. Para esse processo de reconhecimento das fragilidades, foi utilizado da matriz SWOT (FOFA) para identificar de cada unidade de saúde seus pontos fortes, pontos fracos, oportunidades e ameaças. E a partir daí desenvolver suas estratégias de imunização. Após a primeira visita para elaboração de um relatório situacional (FOFA), foram identificados diversos obstáculos, dentre eles, o de maior relevância foi a grande dificuldade de os pais levarem os filhos as Unidades Básicas de Saúde (UBS), as queixas clínicas e inserção errada das informações no sistema e-SUS APS, ocasionando a baixa cobertura vacinal em crianças menores de 1 ano de idade.

Partindo do pressuposto das fragilidades observadas, foi elaborado um cronograma que possibilitasse o fortalecimento das ações. Destas, visitas as unidades de saúde para o acompanhamento e monitoramento vacinal in loco, acompanhamento individualizado para as equipes, visitas técnicas de orientação, oficinas de capacitação, educação permanente e acompanhamento personalizado a cada sala de vacina, visitadas domiciliares, busca ativa. A prática teve início no dia 14 de março de 2022. Durante as visitas em todas as unidades foram entregues uma lista nominal de crianças do quadrimestre em vigência e conferido o cartão controle da unidade para identificar se a ausência da informação era no sistema ou se realmente não existia vacinação. Foi observado que em cada unidade as dificuldades e as necessidades de acompanhamento eram diferentes, no entanto, foi comum a todas as unidades de saúde a efetivação da busca ativa. Que precisou de celeridade para que em tempo hábil todas as crianças com menos de 1 ano de idade pudessem ter suas vacinas garantidas. A busca ativa foi organizada através de reuniões com as equipes tendo foco a elaboração de um cronograma de vistas domiciliares que foram executados pelos profissionais: Agentes Comunitários de Saúde, vacinadores, enfermeiros. E para situações adversas visitas com o assistente social. O monitoramento realizado pela equipe de imunização foi feito diariamente com atualização dos vacinados e verificação das informações inseridas corretamente no sistema, além disso foi criado um manual rápido e didático no qual está descrito passo a passo como as informações deve ser inseridas no e-SUS APS. Durante todas as visitas realizadas nas unidades, foram realizados momentos para conscientização dos profissionais do quão importante é ter o controle de crianças do território através dos cartões controle, bem como o preenchimento de forma adequada, facilitando assim durante as reuniões mensais de equipe a identificação dos faltosos e controle de informações corretas no sistema e-SUS APS. Diversas estratégias foram utilizadas para o alcance das metas e as busca ativas como vacinação nas escolas, creches, utilização da unidade móvel para as áreas mais distantes e de difícil acesso. Desta forma conseguimos levar as vacinas de forma mais rápida e eficaz a todos, garantido assim vacinação em tempo hábil e esquema vacinal completo.

O aumento na cobertura vacinal é o resultado de um conjunto de ações estratégicas, que perpassam pela melhoria na ambiência das unidades de saúde, maior aporte tecnológico, treinamento de profissionais, educação em saúde para familiares e pacientes e busca ativa de pessoas com doses em atraso. Ao passar dos meses observou-se os primeiros resultados da prática. No relatório impresso dia 03 de março de 2023, os resultados obtidos comprovam a efetivação da prática pois, é visível o aumento dos dados como a cobertura das vacinas a seguir: BCG 108,6%, Hepatite B 114,04%, Pneumocócica 99,9%, Poliomielite 112,44%, Rotavírus Humano 94,82%, Pentavalente 114,04%, Meningocócica 100%, com esses dados conseguimos identificar o quão positivo foram as estratégias estabelecidas para a busca dos resultados. Cabe ressaltar que, independentemente da meta do indicador, a rotina de vacinação das crianças prevê a administração de outros imunobiológicos, de doses de reforço e a participação em Campanhas de Vacinação. Neste sentido, é importante garantir a continuidade das ações de imunização, realizando orientação durante as consultas de puerpério, puericultura, idas à unidade por outros motivos, visitas domiciliares, monitoramento de faltosos e busca ativa, se necessário. Contudo busca-se, o cumprimento da missão maior: cumprir os princípios do Sistema Único de Saúde para a população do nosso município.

Principal

ERLANY DE OLIVEIRA MOREIRA

A prática foi aplicada em

Região

Instituição

Endereço

Uma organização do tipo

Instituição Privada

Foi cadastrada por

Conta vinculada

ideiasus@gmail.com

A prática foi cadastrada em

23 dez 2023

e atualizada em

23 dez 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

Você pode se interessar também

Práticas
Ações intersetoriais: integrando estratégias no combate às arboviroses na cidade de Belém do Brejo da Cruz (PB)
Paraíba
Práticas
Os caminhos para alcançar os indicadores de desempenho do Previne Brasil pelo município de Bom Jesus (PB)
Paraíba
Práticas
Re(h)abilitando a interdisciplinaridade e o cuidado na atenção primária à saúde
Paraíba
Práticas
ADESÃO DAS GESTANTES AO PRÉ-NATAL ODONTOLÓGICO: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE
Paraíba
Práticas
A PRÁTICA DE PRIMEIROS SOCORROS NO CONTEXTO DE UM CURSO TÉCNICO PARA AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE
Paraíba
Práticas
Vacinação nos espaços de formação: experiência no 2º Congresso Nordestino de Pediatria
Paraíba