Olá,

Visitante

I M u N i Z a M a C a M B i R A Desafios e Estratégias: Passado, Presente e Futuro

Categoria não especificada

O Projeto Imuniza Macambira teve como objetivo desenvolver um conjunto de medidas, visando direcionar a atuação da gestão, para obter uma cobertura vacinal satisfatória definida pelo Programa Nacional de Imunização do Ministério da Saúde. Lançado em setembro de 2021 com o intuito de melhorar as coberturas vacinais; as ações foram organizadas através da Rede de Atenção Primária a Saúde (APS), transversalizando atenção à saúde e vigilância em saúde com ênfase no programa de imunização. O projeto iniciou-se com o desenvolvimento de estratégias, para o fortalecimento dos pontos nevrálgico, visando melhoria da cobertura vacinal através da comunicação, como ferramenta essencial mantendo o diálogo permanente com a população sobre a importância da vacinação e eficácia dos imunizantes; a utilização de relação nominal de usuários por micro área, possibilitando adesão e busca ativa aos faltosos; o uso de metodologias especificas para disponibilizar o insumo em locais mais acessíveis e em horários diferenciados para atender a realidade da população alvo; qualificações dos profissionais para o fortalecimento da operacionalidade dos imunobiológicos pela assistência e o constante monitoramento do sistema de informação, para análise dos dados, essas foram e continuam sendo cruciais para manter o alcance da cobertura vacinal no município.

Diante dos dados de vacinação identificados em 2021, início de uma nova gestão e dentro de um período atípico, decorrente da crise sanitária que vivenciou o mundo- a pandemia da Covid-19, acompanhado da fragilidade na alimentação do sistema de informação em saúde, foi desenvolvido o projeto, observando diversos fatores. Além disso, a introdução de um novo imunizante, que trouxe esperança e ao mesmo tempo medo por parte da população e da gestão, devido à grande responsabilidade na sua administração, no qual vivenciamos ideias falsas e muitas vezes duvidou-se da eficácia do mesmo, sendo um grande desafio buscar a adoção de estratégias positivas, para obter cobertura vacinal preconizada, mantendo em dia a vacinação. Considerou-se também o aumento da demanda de trabalho, além do número insuficiente de pessoal treinado, para atender o programa de imunização, acompanhado da pouca compreensão dos profissionais sobre a importância do ato de vacinar e valorizar o registro da informação nos sistemas vigentes.

Com o objetivo de garantir o bom desempenho das ações de imunização, foi promovida uma ampla discussão da política de saúde, junto ao Conselho Municipal de Saúde e profissionais da área, traçando caminhos plausíveis para melhorar, manter e ampliar a cobertura vacinal. Pautado na realidade institucional e no cenário identificado, observou-se a necessidade de trabalhar com três pilares fundamentais, buscando soluções fomentada na intersetorialidade sendo: a vacinação de rotina com ênfase nas ações extra muro, através de equipamentos, estrutura e transportes adequados; o sistema de informação em tempo real e qualificado e a comunicação e educação em saúde, como ferramenta voltada para abordagem dos diversos públicos-alvo das imunizações. Relacionadas à vacinação foi intensificada a vacinação de rotina nos estabelecimentos de saúde, a disponibilidade de imunobiológicos em espaços públicos a exemplo das feiras livres, driver thru, escolas, vacinação porta a porta, vacinação noturna, para atender o maior público possível, principalmente aqueles que trabalham em cidades vizinhas, além da abertura de pontos de vacinação em finais de semana. Além disso, vale ressaltar a realização da vacinação em dia estratégico, denominado dia “D”, nestes as unidades de saúde são decoradas com balões, entregas de certificado de coragem, distribuição de brindes e guloseimas para crianças e conta ainda com apresentação de grupo musical e personagens infantis, para atrair o púbico alvo. Buscou unir os profissionais para um mesmo proposto, dentro da abordagem ensino aprendizagem, levando informação de qualidade para os vacinadores e profissionais de saúde, capacitando-os para as ações do dia a dia, abordando a importância das vacinas, seu esquema completo, manipulação do imunobiológicos e a importância da mobilização social, como objetivo para fortalecer as ações de vacinação no município. Ter informações de qualidade foi estratégia importante para recuperarmos as taxas de vacinação, assim, foi necessário adotar prática semanal para avaliar o quantitativo de imunobiológicos aplicados, confrontando com os dados registrados no sistema de informação, permitido assim, visualizar o cumprimento da meta e possibilitar a busca ativa dos faltosos. Ressalta-se ainda que, para atingir a cobertura vacinal por faixa etária e imunobiológicos, utilizou-se de uma planilha, a qual o agente comunitário de saúde de forma manual coleta dados do público alvo a ser imunizado, orientando sobre o dia da vacinação, podendo esta acontecer na unidade de saúde ou mesmo em domicílio.

O impacto inicial foi desgastante devido a necessidade de readequação dos processos de trabalho das equipes e execução de novas estratégias. Com o passar do tempo, percebeu –se que os três pilares apresentados foram e continuam sendo fundamentais para ampliação da cobertura vacinal no território. Contudo, um dos frutos desse trabalho pode ser visualizado no resultado de desempenho do Programa Previne Brasil, com o avanço da cobertura vacinal atingindo 100% de crianças vacinadas no último quadrimestre. Um avanço mais que satisfatório, quando comparado a meta nacional, que perfaz 95% de cobertura. Ressaltamos ainda, que também tivemos um grande avanço em relação a vacinação da Covid19, através desse projeto Imuniza Macambira, conseguimos mantém o munícipio entre os que mais imunizava no Estado, conforme dados divulgados pela Secretária Estadual de Saúde. Sendo assim, entendemos que não se trata de mais um projeto, mas que hoje o Imuniza Macambira, é o alicerce que embasa o programa de imunização, a enfrentar seus desafios diários. Trata-se de um amplo processo que envolve toda equipe de saúde e se traduz pela mudança de atitude individual e coletiva, humanizando o atendimento.

Principal

ACÁCIA DA COSTA ALMEIDA

Coautores

ADRALDA ANDRADE GAMA, PATRICIA GOIS DE OLIVEIRA, DEICYELE ARAUJO SANTANA OLIVEIRA, TEREZINHA SANTOS LIMA

A prática foi aplicada em

Região

Instituição

Endereço

Uma organização do tipo

Instituição Privada

Foi cadastrada por

Conta vinculada

ideiasus@gmail.com

A prática foi cadastrada em

23 dez 2023

e atualizada em

23 dez 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

Você pode se interessar também

Práticas
ADESÃO DAS GESTANTES AO PRÉ-NATAL ODONTOLÓGICO: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE
Paraíba
Práticas
A PRÁTICA DE PRIMEIROS SOCORROS NO CONTEXTO DE UM CURSO TÉCNICO PARA AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE
Paraíba
Práticas
Vacinação nos espaços de formação: experiência no 2º Congresso Nordestino de Pediatria
Paraíba
Práticas
A (in) visibilidade de quem está em situação de rua: caminhos possíveis para cuidado em saúde
Paraíba
Práticas
Título: Autismo – uma causa municipal.
Paraíba
Práticas
Do ambulatório LGBTQIAPNB+ ao Café com Diversidade: garantindo acesso e fortalecimento de vínculos
Paraíba
Práticas
Atuação intersetorial nos casos suspeitos de TEA na primeira infância, um relato de experiência.
Paraíba
Práticas
Programa Bolsa Família: processo formativo para profissionais da atenção primária
Paraíba
Práticas
As PICS como ferramenta potencializadora no cuidado a saúde do trabalhador
Paraíba