Olá,

Visitante

Garantia das Especialidades em Tempo Certo e Custo SUStentável

Com o conhecimento da origem dos problemas, deu-se início a um forte trabalho de sensibilização dos profissionais e os conscientizarmos que era insustentável o modelo utilizado. Aproveitamos as oficinas de formação e qualificação da atenção Primária do Programa APSUS oferecido pelo Estado do Paraná e contratamos empresa para realização de qualificação específica para médicos e enfermagem. Dentro do processo de educação continuada dos referidos, foi revisando o processo de trabalho da equipe e capacitando todos com um alto padrão de resolutividade e estabelecido protocolo de atendimento padronizado.Reestruturamos a equipe médica e de enfermagem com exigência do cumprimento da jornada de trabalho de 40 horas para todos os membros da equipe de saúde da família. Iniciamos a utilização do Princípio da suficiência que implica no modelo de rede de atenção à saúde que só se completa com a união de todos os serviços presentes: APS, MAC e AC. Deixamos de utilizar o modelo centrado na Gerencia que é isolado e passamos a praticar Governança “a busca de resultados e cuidados longitudinais e completos” com mais acolhimento e satisfação dos usuários. Todos os profissionais foram estimulados à utilização de ferramenta de informática para auxiliar na conduta e no princípio de economicidade evitando a redundância ou retrabalho. Implantamos a dinâmica sistemática de discussão de casos complexos e regulação do ambulatório especializado. Os encaminhamentos para especialidades no CISA passam a ter início com base na necessidade real bem fundamentada e não mais pela pressão da demanda espontânea. A implantação do Prontuário Eletrônico e o protocolo clínico passa a ser rotina dos médicos e a colaborar na decisão e estratificação de risco do paciente antes do encaminhamento à AAE. No momento de realizar um encaminhamento para AAE no CISA, os médicos passam a ter três opções: Agendamento normal que vai para um banco de dados (lista de acesso) com tempo de espera médio de 25 dias para agendamento e realização. A segunda opção é Urgência que vai para um banco de dados de regulação e tem média de espera de 5 dias de acordo com a avaliação do risco. A terceira opção que é o paciente de Emergência que não é caso de leito mas precisa de apoio de um especialista da rede imediato. Este também vai para a regulação imediata e o município disponibiliza a vaga em um serviço contratualizado e emergencial para completar a assistência. Isto posto, ainda existe muito a avançar, mas chegamos a um patamar muito importante de redução de gastos no CISA com consultas e exames da AAE. Em 2014 já foi possível obter um resultado excelente no percentual de encaminhamentos para especialidades que foi de 9,16% do total de consultas e 17,86% de economia financeira no CISA. Outro ponto forte foi a agilidade no atendimento sem filas para 98% das Especialidades. Os 2% de especialidade que ainda existem filas se deram por falta de oferta no CISA, onde o município acaba tendo que contr

O Município de Icaraíma Pr., com 8.723 habitantes 4 ESF, 3 ESB, 1 NASF e 1 UPA 24h – localizado no extremo Noroeste do Paraná, faixa de fronteira com o Mato Grosso do Sul – iniciou um processo de revisão das diretrizes de Planejamento em saúde em 2013 em ação de enfrentamento das filas da Assistência Ambulatorial EspecializadaA partir do Relatório de Gestão foi possível detectar um custeio muito elevado com o Consórcio Intermunicipal de Saúde CISA o qual realiza 95% das consultas e exames especializados. Por meio de uma criteriosa avaliação dos dados de produção de serviços oferecidos por meio dos relatórios e gráficos do sistema de informações municipal foi possível identificar o problema. No ano de 2012 foram realizadas 4.363 consultas e 5.283 exames especializados no CISA para a população de Icaraíma com um custo total de R$ 581.091,36. A cada 100 consultas agendadas para a população no período de 12 meses, 25,40 foram realizadas no CISA. Com demanda excessiva para o nível secundário da rede de atenção à saúde, além do excesso de despesa, o tempo médio de espera para uma consulta ou exame especializado chegou a 60 dias. Analisamos também o processo de trabalho das Unidades Básicas de Saúde e detectamos que médicos encaminhavam cada um dá sua forma: sem regulação

A Utilização de sistema de informação para levantamento de dados e para regulação da assistência

Principal

Agnaldo Gouveia

agnaldogouveia@gmail.com

A prática foi aplicada em

Icaraíma

Paraná

Sul

Instituição

Av Genercy Delfino Coelho, 819 - Centro

Uma organização do tipo

Instituição pública

Foi cadastrada por

Agnaldo Gouveia

Conta vinculada

emanoel.filho@fiocruz.br

02 jun 2023

e atualizada em

14 set 2023

Seu Período de Execução foi de

até

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Farol da Saúde: Monitoramento e Planejamento Estratégico em Saúde no Município de Soledade/Pb
Paraíba
Práticas
O Município de Itaperuna Inovando no Acompanhamento, Controle e Avaliação Aos Prestadores de Saúde.
Rio de Janeiro
Práticas
Ações da Gestão Municipal para o Enfrentamento da Pandemia Covid 19 em Quissamã/Rj
Rio de Janeiro
Práticas
Relato da Cooperação Entre a Prefeitura de Quissamã e a Universidade Federal do Rio de Janeiro -Campus Macaé para o Enfrentamento da Covid 19
Paraíba
Práticas
Projeto e Agora, Gestor?
Paraíba
Práticas
Regulação do Acesso e Planejamento em Saúde: uma Parceria de Sucesso.
Santa Catarina
Práticas
Contratualização na Ses-DF: Resultados da Implantação de Metas nas Regiões de Saúde da Secretaria de Saúde do DF.
Distrito Federal
Práticas
Desafios para Manutenção do Vínculo e da Co-Repsonsabilização Frente a Ausência do Profissional Médico – a Equipe Multiprofissional de Saúde Sendo a Referência de Cuidado em Saúde
Rio Grande do Sul
Práticas
A Atuação do Conselho Local de Saúde na Gestão da Estratégia de Saúde da Família.
Rio Grande do Sul
Práticas
Programa Municipal para Suporte Técnico Profissional Frente À Reformulação da Pnab.
Paraná