Olá,

Visitante

Estrategias de Fortalecimento na Busca Ativa Vacinal de Penta, Polio e Triplice Viral no Municipio de Palmacia: um Relato de Vivencia

Categoria não especificada

A cobertura vacinal (CV) é um indicador estratégico do PNI, pois revela a proteção da população no âmbito coletivo e possibilita a avaliação da imunidade de grupo. A redução dos percentuais de população coberta pelos imunobiológicos evidencia a existência de grupos desprotegidos, nos quais a circulação viral pode se estender e afetar indivíduos imunocomprometidos e menores de um ano, com grande impacto na morbimortalidade. Trata-se de um relato de vivencia acerca da realização de estratégias para o aumento das coberturas vacinais de penta, pólio e tríplice viral no município de Palmacia, interior do estado do Ceara. As ações foram organizadas e desenvolvidas pela Coordenação Municipal de Imunização nas Unidades Básicas de Saúde (UBS), foram realizadas campanhas dia D de vacinação, busca ativa de faltosos, vacinação a domicilio porta a porta, educação em saúde nas escolas e creches roda de conversa com pais e responsáveis, acerca da vacinação, divulgação nas mídias e carros de som, horários noturnos e vacinação aos sábados. A vivencia foi exitosa para alcançar o publico e as coberturas vacinais do município de Palmacia com o comprometimento de todos os envolvidos, resultando o Aumento das coberturas vacinais de penta, pólio e tríplice viral.

A vacinação ainda é um desafio muito grande no município de Palmacia , principalmente pela desinformação, movimentos anti- vacinas, fake News., distribuição insuficientes para suprir a necessidade do município, baixa procura nas UBS, salas de vacinas fora do padrão conforme preconiza os manuais de imunização do ministério da saúde visto que lidamos todos os dias com muitas situações dentre elas a hesitação vacinal. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), a definição de hesitação vacinal se refere “à demora em aceitar ou recusar vacinas apesar da disponibilidade delas nos serviços de saúde. A hesitação vacinal é complexa e dependente do contexto, variando ao longo do tempo, local e tipo de vacina e enfrentar a questão da desinformação o que estimulam grupos a produzirem conteúdos e informações desinformativas; a respeito das vacinas. Tratar de ciência no tempo em que vivemos, portanto, significa tratar, fundamentalmente, desses aspectos que constituem os processos de desinformação. Ainda tem a questão do medo da reação da vacina, a crença que as vacinas não são seguras, alto numero de vacinas de uma só vez. Alem da falta de autonomia do profissional enfermeiro em se apropriar das salas de vacinas junto aos técnicos em enfermagem que realizam a vacinação, além das sobrecargas de trabalho, a falta de profissional qualificado para assumir de terminados cargos. A relação do enfermeiro e a equipe para que possa melhorar o processo de trabalho. Capacitações com a educação continuada que possa melhorar cada vez trazendo conhecimento das habilidades e trabalho dos profissionais junto a imunização. A falta de informatização nas salas de vacinas e o registo de forma incorreta que prejudica no avanço da cobertura vacinal.

As principais estratégias exitosas utilizada foram listas nominais de crianças faltosas a busca ativa, extra muro e principalmente porta a porta juntamente com Enfermeiros, técnicos em enfermagem e os Agentes Comunitário de Saúde (ACS), verificando crianças existentes nas residências e principalmente verificando a caderneta de vacinação das crianças, e atualização na própria residência, onde contamos com a participação de toda a equipe enfermeiro, técnico em enfermagem, auxiliar em enfermagem e acs. Graças a essas estratégias conseguimos com êxito alcançar a cobertura vacinal da campanha da pólio, penta e tríplice viral. Realização de dia D aos sábados especificamente a cada quinze dias de todos os meses e fora do expediente de trabalho como dias da semana, abrindo as salas de vacinas em horários noturnos, onde surtiram bons efeitos na cobertura vacinal. Parceria intersetorial entre assistência e educação realizando ações de imunização nas escolas e creches do município, onde as equipes vão até as escolas realizam verificação da situação vacinal das crianças menores de 5 anos, reunião com os pais roda de conversa tirando duvidas sobre as vacinas, reações adversas pois vacinação e já atualizando a situação da criança que esta com vacina em atraso ou faltoso que não compareceu a unidade de saúde. Incluiu-se ainda, outras de natureza contínua, visto que a gestão do Programa de Imunização requer também ações operacionais a serem realizadas de forma intermitente, de modo a assegurar a rotina e continuidade dos processos de trabalho e respectivos resultados. A utilização de meios midiáticos de comunicação em práticas de educação em saúde. Realizar levantamento das necessidades das unidades da rede de frio, implementar ferramentas para aperfeiçoar os sistemas de informação do programam nacional de imunização. Atualização com listas nominais para realizar busca ativa de faltosos das vacinas penta, pólio e tríplice viral e principalmente ficar vigilante monitorando as coberturas vacinais de rotina e campanha para ter êxito nas estratégias que foram planejadas. Além da vacinação propriamente dita, é indispensável que haja um monitoramento e avaliação continuo das doses aplicadas/registros no sistema de forma preditiva e corretiva. Por conseguinte, estratégias, como as aqui foram vivenciadas, são fundamentais para garantir a conscientização da população acerca da vacinação. Ações organizadas de educação em saúde são capazes de influenciar comportamentos, como por exemplo, tornar indivíduos mais preocupados quanto a sua imunização. Devido as essas estratégias obtivemos um aumento nas coberturas vacinais principalmente de penta, pólio e tríplice viral, no ano de 2022, visto que no ano de 2021 o município teve uma queda na cobertura vacinal. Observe as seguintes figuras a baixo: Figura1 Fonte: Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações (SI-PNI/CGPNI/DEIDT/SVS/MS) Ano:2021 Figura 2 Fonte: Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações (SI-PNI/CGPNI/DEIDT/SVS/MS) Ano:2022 A figura 1 acima mostra as coberturas vacinais baixas, segundo o Ministério da Saúde preconiza a meta de vacinação é de 95% e no ano de 2021 infelizmente obtivemos uma porcentagem de cobertura vacinal 65,15% de penta, pólio 61,36%, 77% D1 de tríplice viral e 36,36% D2 tríplice viral. Esses resultados que nos motiva ainda mais a criar e buscar novas estratégias para que possa aumentar as coberturas vacinais do município. Na figura 2 já mostra a cobertura de penta 99,15%, pólio 98,29%, D1 tríplice viral 106,84% e D2 de tríplice viral 96,58%, depois de um ano montado estratégias, realizando planejamentos obtivemos êxito nas coberturas vacinais do município, coberturas estas que mostram que o município esta promovendo saúde para todas a crianças. e evoluindo continuamente, com o objetivo de estratégias exitosas, fruto de um trabalho continuo para o aumento das coberturas vacinas do município de Palmacia.

Portanto, conclui-se quando há comprometimento de todos os envolvidos, o resultado desejado é certo. E que as práticas e estratégias nos processos de campanhas e realizações de imunizações, se fazem de extrema necessidade considerando os possíveis agravos de saúde, levados a acontecer pela negligencia do ato da vacinação. A vivencia foram bem sucedidas ao alcançar as coberturas vacinais das vacinas penta, pólio e tríplice vrial visto que são indicadores importantes de saúde, superando as barreiras, desafios e principalmente promovendo saúde para todas as crianças do município. O aumento na cobertura vacinal é o resultado de um conjunto de ações estratégicas, que perpassam pela melhoria na ambiência das unidades de saúde, maior aporte tecnológico, treinamento de profissionais, educação em saúde para familiares e pacientes, busca ativa de pessoas com doses em atraso e sistemas de lembrete. Planejamento e programação, mais equipe dedicada é igual a sucesso!

Principal

JOSE BRENDON SOUSA SILVESTRE

Coautores

Edlene Rodrigues dos Anjos, Thamine dos Anjos Soares, Maria Eliane Felix Campos do Nascimento, Daglene Bernardo Rodrigues, Gabriela Maria Almeida Sipriano, Vitoria Regia Cardoso Reis, Dyana Mirelle Pinheiro, Magali Carmen de Sousa

A prática foi aplicada em

Região

Instituição

Endereço

Uma organização do tipo

Instituição Privada

Foi cadastrada por

Conta vinculada

ideiasus@gmail.com

A prática foi cadastrada em

23 dez 2023

e atualizada em

23 dez 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

Você pode se interessar também

Práticas
Teste do Certificado
Minas Gerais
Práticas
ADESÃO DAS GESTANTES AO PRÉ-NATAL ODONTOLÓGICO: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE
Paraíba
Práticas
A PRÁTICA DE PRIMEIROS SOCORROS NO CONTEXTO DE UM CURSO TÉCNICO PARA AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE
Paraíba
Práticas
Vacinação nos espaços de formação: experiência no 2º Congresso Nordestino de Pediatria
Paraíba
Práticas
A (in) visibilidade de quem está em situação de rua: caminhos possíveis para cuidado em saúde
Paraíba
Práticas
Título: Autismo – uma causa municipal.
Paraíba
Práticas
Do ambulatório LGBTQIAPNB+ ao Café com Diversidade: garantindo acesso e fortalecimento de vínculos
Paraíba
Práticas
Atuação intersetorial nos casos suspeitos de TEA na primeira infância, um relato de experiência.
Paraíba
Práticas
Programa Bolsa Família: processo formativo para profissionais da atenção primária
Paraíba