Olá,

Visitante

Estratégias de Fortalecimento Das Ações de Imunização no Município de Canaã-MG

Categoria não especificada

A cidade de Canaã, localizada na zona da mata de Minas Gerais, possui uma população predominantemente rural. O município conta com duas equipes de ESF e uma sala de vacinas equipada e com profissionais capacitados para realização das imunizações. A vacinação acontece de forma centralizada, visto que o município é pequeno e uma única sala de vacinação é capaz de atender a toda a população. De consonância com os resultados apontado pela pesquisa do ImunizaSUS, o município sentiu o impacto da pandemia, culminando na redução na cobertura vacinal. Outro ponto abordado pela pesquisa, e que também vem sendo relevante a realidade do município, é que muitos têm baixa percepção de risco de contrair a doença, de forma que vacinação não seria considerada necessária. Existe também àqueles que hesitam a imunização por receio ocorrerem reações adversas, e no caso das crianças essa hesitação diz respeito principalmente ao medo da agulha. Muitas vezes a dificuldade de acesso a sala de vacinas, por muitos motivos, também se torna o empecilho a imunização. Outro ponto importante diz respeito a falta de treinamento dos ACS para realização de busca ativa. O município adota estratégias para o fortalecimento das ações de imunização como a capacitações dos Agentes Comunitários de Saúde (ACS) para verificação do cartão vacinal e orientação quanto à importância de administrar o esquema completo na data prevista. A equipe se desloca até a população que por algum motivo se encontra impossibilitada de se deslocar a sala de vacinação e realiza os dias D da Vacinação, onde a sala de vacinas fica aberta aos sábados, de 07:00 as 11:00 e de 12:30 as 16:00, e conta também com um espaço de recreação para as crianças. Foi criada uma sala de vacinação exclusiva para imunização de crianças, ambientada no contexto lúdico infantil, afim de promover o bem-estar durante o procedimento. Ao analisar os dados da pesquisa do ImunizaSUS, percebemos o quão forte é o Programa Nacional de Imunização (PNI) do Brasil, se destacando como um dos maiores do mundo. Isso porque mesmo diante de tantas adversidades, tanto a população quanto os profissionais da saúde acreditam e confiam no SUS e no sistema de vacinação, sendo aqueles que hesitam ou recusam a minoria. Essa pesquisa destaca sua potência, quando mostra que em um Brasil tão grande e cheio de diversidades, os problemas enfrentados podem ser os mesmos, e que com um sistema de saúde forte e organizado, podemos enfrenta-los. Para que as estratégias pensadas tenham êxito é de fundamental importância fortalecer o trabalho realizado pela PSF, promovendo a capacitação das equipes sobre a vacinação, e também aos gestores, pois quando os mesmos têm acesso à informação de qualidade, podem reconhecer o valor das ações de vigilância, entre as quais se destacam a imunização.

No município de Canaã a equipe de imunização vem identificando alguns pontos que interferem na cobertura vacinal. Um dos primeiros pontos se refere ao receio da ocorrência de efeitos adversos e o descrédito à vacinação, principalmente dentre a população idosa, o que culmina na evasão desse público nas campanhas de vacinação, principalmente da Covid-19 e Influenza. Além dos receios quanto aos imunizantes, a população idosa encontra muitas vezes dificuldades em se deslocar do meio rural até a sala de vacinas, até mesmo por descaso de familiares, que muitas vezes negligencia a importância da vacinação para esse público. Outra questão preocupante vem do fato das pessoas estarem postergando o processo de imunização, tanto pela crença de que a vacinação de rotina não requer atenção, ou mesmo em virtude do desconforto emocional e perturbação comportamental apresentado pela maioria das crianças na administração da vacina na forma injetável. Por se tratar de uma população predominante rural, e sua economia girar principalmente em torno da lavoura de café, outro desafio enfrentado no campo das imunizações no município é atingir a população adulta trabalhadora em campanhas vacinais que englobam esse público, principalmente no período da colheita do café. Isso porque sua rotina de trabalho, em sua maioria realizada em área rural, impede com que esse público se desloque à sala de vacinas em dias úteis e horário comercial, acarretando também o atraso no calendário vacinal das crianças. Além das questões que envolvem os usuários, o município ainda sofre com a rotatividade dos Agentes Comunitários de Saúde, que acabam não sendo treinados em tempo hábil para realizar a busca ativa no cartão de vacinas, e em algumas situações não possuem conhecimento adequado para levar à população as informações precisas sobre os imunizantes e as campanhas vacinais.

O município de Canaã vem intensificando estratégias para o fortalecimento das ações de imunização. A primeira estratégia adotada pelo município são as capacitações dos Agentes Comunitários de Saúde (ACS), pois eles são um membro da equipe da Estratégia Saúde da Família (ESF) que faz parte da comunidade, o que ajuda a criar confiança e vínculo, facilitando o contato direto com a equipe. Os ACS são orientados a divulgar campanhas de vacinação na comunidade, e são treinados a retirar dúvidas e esclarecer mitos, tabus e notícias falsas sobre as vacinas, ressaltando sempre os benefícios para a saúde da comunidade Eles são treinados também a realizar a verificação do cartão vacinal orientando a população quanto à importância de administrar o esquema completo na data prevista, e que o atraso na aplicação das doses de reforço aumenta a vulnerabilidade tanto dos adultos quanto das crianças e o risco de desenvolver a doenças. A equipe da sala de vacinas vem reforçando constantemente aos ACS que o incentivo ao cumprimento do calendário vacinal e a busca ativa dos faltosos às vacinas estão entre as principais ações de saúde, diminuindo assim, doenças e mortes por causas infecciosas e preveníeis. Para aquelas pessoas que por algum motivo são impossibilitados de se deslocar até a sala de vacinas, sejam elas pessoas idosas, com mobilidade reduzida, acamados, portadores de deficiências, e aquelas que morram em localidades remotas, dentre outras limitações, a equipe de vacinação leva o imunizante até elas. Nessa ocasião é realizada também a checagem dos cartões vacinais de toda a família, e é também uma oportunidade da equipe estar orientando, esclarecendo dúvidas e desmistificando mitos sobre a imunização. A fim de atender a população que por questões relacionadas a rotina de trabalho ou outra limitação não podem comparecer a sala de vacinas durante o horário de funcionamento em dias úteis, de tempos em tempos é realizado o dia D da Vacinação. Nesse dia a sala de vacinas fica aberta aos sábados, de 07:00 as 11:00 e de 12:30 as 16:00, e conta também com um espaço de recreação para as crianças. Durante a campanha vacinal da Covid-19 a equipe da sala de vacinas aderiu a ideia de ambientação da sala com o objetivo de aumentar a cobertura vacinal infantil e tornar a sala de vacinas um ambiente lúdico, acolhedor e humanizado e a fim de reduzir o estresse durante a aplicação do imunizante. Foi criada uma sala de vacinas exclusivamente para a imunização contra a Covid-19 em crianças. Para que isso fosse possível foi realizado um levantamento onde se constatou que a unidade dispunha de uma sala que atende às especificações estruturais para alocação de um setor de imunização e também de equipamentos, mobiliários e insumos básicos indispensável para tal fim. Uma equipe treinada foi deslocada para esse novo setor de imunização sem causar prejuízos ao setor já existente, e sem interferir no cronograma de outras campanhas vacinais. Além de tornar o ambiente mais atrativo para as crianças, com o uso de balões, certificados de coragem e personagens do universo infantil, como os heróis das histórias em quadrinhos, foi notória a redução do estresse da vacinação e reação a dor durante a aplicação, promovendo o bem-estar e reduzindo o incomodo dos pais e/ou responsáveis diante da reação das crianças.

Ao analisar os dados da pesquisa do ImunizaSUS, percebemos o quão forte é o Programa Nacional de Imunização (PNI) do Brasil, se destacando como um dos maiores do mundo. Isso porque mesmo diante de tantas adversidades, tanto a população quanto os profissionais da saúde acreditam e confiam no SUS e no sistema de vacinação, sendo aqueles que hesitam ou recusam a minoria. Essa pesquisa destaca sua potência, quando mostra que em um Brasil tão grande e cheio de diversidades, os problemas enfrentados podem ser os mesmos, e que com um sistema de saúde forte e organizado, podemos enfrenta-los. Para que as estratégias pensadas tenham êxito é de fundamental importância fortalecer o trabalho realizado pela PSF, através de capacitação das equipes sobre a vacinação, para promover ações de educação em saúde e de sensibilização da população, com a finalidade de alcançar melhores índices de imunização. As estratégias de formação e desenvolvimento devem ser direcionadas também aos gestores, inclusive Secretários(as) Municipais de Saúde e Prefeitos(as), pois quando os mesmos têm acesso à informação de qualidade, podem reconhecer o valor das ações de vigilância, entre as quais se destacam a imunização, e lhes dar prioridade, o que repercute positivamente na forma de organização das ações e nas práticas dos profissionais. Os ACS devem conhecer suas potencialidades, e a partir de uma relação de confiança, respeito e parceria deve assumir o papel de liderança na comunidade, promovendo a mobilização da população em campanhas vacinais e em outras ações de promoção a saúde e prevenção de agravos.

Principal

Mariana Aparecida Rodrigues

A prática foi aplicada em

Região

Instituição

Endereço

Uma organização do tipo

Instituição Privada

Foi cadastrada por

Conta vinculada

ideiasus@gmail.com

A prática foi cadastrada em

23 dez 2023

e atualizada em

23 dez 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

Você pode se interessar também

Práticas
ADESÃO DAS GESTANTES AO PRÉ-NATAL ODONTOLÓGICO: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE
Paraíba
Práticas
A PRÁTICA DE PRIMEIROS SOCORROS NO CONTEXTO DE UM CURSO TÉCNICO PARA AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE
Paraíba
Práticas
Vacinação nos espaços de formação: experiência no 2º Congresso Nordestino de Pediatria
Paraíba
Práticas
A (in) visibilidade de quem está em situação de rua: caminhos possíveis para cuidado em saúde
Paraíba
Práticas
Título: Autismo – uma causa municipal.
Paraíba
Práticas
Do ambulatório LGBTQIAPNB+ ao Café com Diversidade: garantindo acesso e fortalecimento de vínculos
Paraíba
Práticas
Atuação intersetorial nos casos suspeitos de TEA na primeira infância, um relato de experiência.
Paraíba
Práticas
Programa Bolsa Família: processo formativo para profissionais da atenção primária
Paraíba
Práticas
As PICS como ferramenta potencializadora no cuidado a saúde do trabalhador
Paraíba