Olá,

Visitante

Educação Popular em Saúde na Atenção Primária no Município de Pirai – Rj / Potencialidades e Desafios Após Curso de Aperfeiçoamento EdpopSUS

OBJETIVOS:Promover a integralidade do cuidado na atenção primaria de saúde.- Favorecer a atuação de trabalhadores e militantes de movimentos sociais na defesa do direito à saúde da população.- Fortalecimento da participação social, nos processos de formulação, implantação, gestão e controle social das políticas públicas.- Promoção da inserção de segmentos historicamente excluídos das tomadas de decisão em saúde publica brasileira, tais como: Mulheres, Negros, LGBTS, Povo do campo, indígenas, pessoas em situação de rua…- Compreensão dos trabalhadores e movimentos sociais quanto a importância das suas atuações na construção de uma sociedade justa e equânime- Construção de visão crítica e aproximação das vivências e saberes populares através da problematização.METODOLOGIA: – O curso foi dividido em 17 encontros, sendo 1 encontro por semana, com 8h/aula cada.- Foram divididos em 5 eixos, todos trabalhados através da problematização e reflexão da realidade e das práticas realizadas em território.- Valorização do educando e horizontalidade no processo educacional, através da troca de saberes e diálogo. Respeitando sempre o saber do outro.

O curso Edpopsus é um curso de aperfeiçoamento da Fiocruz com parcerias municipais, que acontece em 17 encontros, com uma formação no total de 120 h. Tal curso é composto por Agente Comunitários de Saúde, Agentes de Endemias, demais profissionais da saúde e representantes de movimentos sociais/religiosos. O município de Piraí em 2018 recebeu a 3ª etapa do curso, com a formação de uma turma de 35 alunos com as diversas categorias.Como desafio para este curso, existia a missão da implantação da consciência crítica e da prática da educação popular em saúde no trabalho dos profissionais no território. Baseado na teoria de Paulo Freire, a EPS pode ser compreendida como a troca de saberes, parte – se do principio que todo ser humano é detentor de saberes e que saberes derivam de experiências de vida, mistura-se o científico com o popular, aonde não existe quem saiba mais ou quem saiba menos. É uma forma de educação aonde valoriza – se os saberes prévios dos indivíduos, suas histórias de vidas, assim como sua cultura e religiosidade, estimulando os indivíduos a se (re)conhecerem e enfrentarem os problemas de saúde mediante ao diálogo, o respeito às suas culturas e o reconhecimento dos seus saberes como válidos.Foram trabalhados durante os a problematização e reflexão sobre o processo de trabalho e as práticas de saúde e cuidado realizado pelos educandos nos territórios, os princípios da Educação Popular em Saúde, publicados na PNEP – SUS , juntamente com os princípios e diretrizes do SUS foram os norteadores de todo o processo educacional. Sendo eles: Diálogo –Problematização – Construção compartilhada do conhecimento – Emancipação – Construção do Projeto Democrático Popular .Assim como a universalidade, integralidade, equidade, descentralização, participação e controle social, gestão participativa

Verificamos que a Educação Popular em saúde ainda está em um processo de construção que precisa de investimento, entendimento e qualificação. Está incutido nos profissionais da saúde, que não existe a necessidade de aprender a fazer a educação em saúde, acreditam que os conhecimentos técnicos e clínicos, são satisfatórios para andamento de ações nesta área, mantendo um modelo de ação individual e prescritivo, que desconsidera os determinantes sociais e culpabiliza muitas vezes os usuários, por sua condição de saúde.A educação popular em saúde é um instrumento de reorientação das práticas de saúde. Trabalha na lógica de um novo olhar para estas práticas e as relações produzidas entre profissionais e comunidade. Incentiva novos meios de comunicação e de construção compartilhada do conhecimento, pontuando e estimulando a autonomia e a emancipação do sujeito. A EPS valoriza os espaços de abertura para a população de forma dialógica, dialética e amorosa, estimulando a consciência das suas condições de vida e saúde encorajando maior integralidade das ações, controle social e gestão participativa. É um método que dispara a reflexão e a problematização na rotina dos profissionais de saúde, sendo assim libertador, convidando a reflexão sobre como pensa e vive a questão saúde/ doença em seu território, seu dia a dia e seu trabalho. Sendo assim, verifica-se cada vez mais a necessidade de capacitação dos profissionais de saúde para trabalhar com essa nova metodologia.

Principal

Luana da Silva Lima.

luanalima850@yahoo.com.br

A prática foi aplicada em

Piraí

Rio de Janeiro

Sudeste

Instituição

R. Moacir Barbosa, 73

Uma organização do tipo

Instituição pública

Foi cadastrada por

Luana da Silva Lima

Conta vinculada

03 out 2020

e atualizada em

14 set 2023

Seu Período de Execução foi de

até

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Pode ser lindo aprender no SUS: uma proposta para o acolhimento dos futuros trabalhadores da saúde
Rio de Janeiro
Práticas
Mas eu não consigo doutor – Grupos dialógicos para a APS – Juntos nós podemos
Rio de Janeiro
Práticas
Novos horizontes para a educação permanente em saúde: alcançando as necessidades do SUS
Rio de Janeiro
Práticas
Estágio na Comunidade: Ações de Educação em Saúde Realizadas na Comunidade Vale da Cachoeira no Municipio de Palmas/To
Tocantins
Práticas
Projeto Cuidar de Quem Cuida
Pará
Práticas
Reorganização da Atenção Primária do Município de Canaã dos Carajás- Pará, Através da Implantação do Acolhimento À Demanda Espontânea e Prontuário Eletrônico do Cidadão Integrado
Pará
Práticas
Educação em Saúde Ferramenta Primordial na Esf Hiperdia
Pará
Práticas
Linguinha solta assegurando um futuro saudável e sustentável
Goiás
Práticas
Incentivando o mais simples em busca de melhores resultados – aleitamento materno
Goiás
Práticas
Projeto Samu nas escolas – lei Lucas nas escolas da rede municipal de educação de São Luís
Maranhão