Olá,

Visitante

Diálogos entre serviços na identificação de usuários com DCNT e doenças raras em Quissamã (RJ)

Objetivos

Identificar os pacientes inseridos no programa DCNT e Doenças Raras levantando com as demais gerências seu acompanhamento, estreitando a comunicação, organização, informação, socialização do conhecimento, planejamento conjunto, e tomada de decisões.

Promover o cuidado integral dos pacientes com comorbidades múltiplas, articulando com a rede de atenção a saúde dentro e fora do município;

Classificar os pacientes que possuem múltiplas comorbidades/patologias;

Registrar no sistema de informação municipal todos os pacientes com Doenças Raras identificados no município.

Em 2020, com o decreto da pandemia e os riscos da COVID-19, Quissamã reorganizou o processo de trabalho para acompanhar sistematicamente o grupo de pacientes com DCNT e Doenças Raras através do aplicativo de WhatsApp, como forma encontrada para continuidade do cuidado com o grupo de maior vulnerabilidade. Nesse sentido os gerentes dos programas detectaram que muitos pacientes faziam parte de outras gerências distintas, ou seja, múltiplas comorbidades como: tabagismo, cardiopatia, hipertensão, diabetes, câncer, doenças autoimunes dentre outras.

Em diálogo com a gerência do programa hiperdia, identificou-se que 22 pacientes realizam hemodiálise; 80% apresentam como doença de base hipertensão; 60% são do gênero masculino.
Em levantamento junto as gerências da saúde da mulher e saúde do homem, detectou-se que pacientes oncológicos do gênero feminino despontam quanto ao câncer de mama, seguido do câncer de próstata masculino.
De acordo com estimativas do Instituto Nacional do Câncer (Inca), o Brasil deve registrar 44 mil novos casos da doença por ano no próximo triênio, entre 2023 e 2025.
Quanto as doenças autoimunes, os pacientes acometidos com Lúpus Eritematoso Sistêmico- LES, vem sendo liderados pelo gênero feminino. Dentre os 25 pacientes, somente, 02 são do gênero masculino.
Quanto às doenças raras, numa faixa etária entre 4 à 70 anos, 16 são do gênero feminino e 14 do gênero masculino, totalizando 40 pacientes acompanhados de forma integral pelo programa.

Através de encontros mensais com gerentes de programas, quantifica-se pacientes com comorbidades múltiplas por sexo, faixa etária e território, quais os tipos de patologia em uma só pessoa, estabelecendo relação de forma eficaz com os demais serviços, a fim de agilizar os procedimentos necessários de saúde para este paciente dentro e fora do município.
Junto a ESF, realiza-se matriciamentos com foco no estabelecimento e fortalecimento de vínculos com o usuário e o cuidado com os referenciados pelo programa, pois facilita o monitoramento dos casos no ambiente familiar. Os encontros servem como dispositivo para organizar as ideias, informações sobre esse paciente e conduzir de forma correta e célere o percurso nos serviços de saúde.

Principal

Andrea Oliveira da Silva

andrey.shalon@hotmail.com

Gerente do Programa DCNT e Doenças Raras

Coautores

Andréa Oliveira da Silva

A prática foi aplicada em

Quissamã

Rio de Janeiro

Sudeste

Esta prática está vinculada a

Rua Conde de Araruama, 425

Uma organização do tipo

Instituição Pública

Foi cadastrada por

Andrea Oliveira da Silva

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

01 abr 2024

e atualizada em

08 abr 2024

Condição da prática

Andamento

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

Você pode se interessar também

Práticas
A IMPLANTAÇÃO DO APOIO TECNICO AS FERIDAS DE DIFICIL CICATRIZAÇÃO: DESENVOLVENDO UM CUIDADO AMPLIADO.
Rio de Janeiro
Práticas
Estratégia de gerenciamento de alarmes em terapia intensiva
Todos os Estados (Sul)
Práticas
Ronda de segurança do paciente
Rio de Janeiro