Olá,

Visitante

Desafios e Estratégias para Fortalecer a Imunização em Municípios Brasileiros: o Caso de Barra Funda

Categoria não especificada

O PNI, considerado referência mundial de programa de imunização, oferta, de maneira universal, uma ampla gama de imunobiológicos, seu impacto pode ser sentido pelo fato de que a cobertura vacinal, a partir de meados da década de 1990 superava o estabelecido pelo PNI, entretanto a partir de 2016, observa-se uma queda das coberturas com taxas abaixo das metas estabelecidas. O projeto apresenta ações de imunização realizadas no município de Barra Funda, no Rio Grande do Sul, destacando que o SUS possibilitou o acesso à saúde a toda a população. O município conta com cobertura de 100% de Estratégia de Saúde da Família e apresenta ótimos índices de cobertura vacinal. Durante a pandemia de COVID-19, as equipes de saúde tiveram que redobrar os esforços para manter a imunização em dia, e as ações são realizadas de forma planejada e integrada à rotina da equipe, com auxílio dos agentes comunitários de saúde. Entre os desafios, destaca-se a falta de compreensão da população em relação às vacinas, além da disseminação de fake news sobre o tema. Outro desafio é a falta de interoperabilidade dos sistemas de informação do SUS, o que pode dificultar a realização da vacinação. O projeto sugere estratégias para fortalecer as ações de imunização, como a busca ativa nas comunidades e escolas, visitas domiciliares, grupos de hipertensos e diabéticos e a divulgação de informações sobre a vacinação na rádio local e nas redes sociais.

Em âmbito local, um dos principais problemas é a dificuldade em atingir as metas de vacinação devido à estimativa populacional considerar mais crianças do que realmente existem na cidade. Isso ocorre devido ao fato de muitas gestantes realizarem o pré-natal no município, mas posteriormente seguirem com a imunização em redes particulares ou em outros municípios. Além disso, de maneira geral, há uma série de desafios que afetam a imunização em todo o país. Um dos principais é a falta de compreensão por parte da população em relação às informações sobre as vacinas. Muitas vezes, há desconfiança em relação à eficácia e segurança das vacinas, o que pode levar à baixa adesão e, consequentemente, à queda na cobertura vacinal. Outro desafio importante é a disseminação de fake news relacionadas às vacinas. Infelizmente, muitas vezes essas informações falsas são divulgadas por autoridades sanitárias e até mesmo por profissionais de saúde, o que pode gerar ainda mais confusão e desconfiança na população. Outro desafio é a falta de interoperabilidade dos sistemas de informação do SUS, o que dificulta o acesso aos dados de imunização e pode gerar problemas na hora de realizar a vacinação. Além disso, a insegurança de alguns pais em relação à aplicação de vacinas de acordo com o calendário vacinal pode levar ao retorno de doenças consideradas erradicadas, o que coloca em risco toda a população.

Ampliar a oferta de capacitação dos profissionais sobre imunobiológicos, monitorar o território por meio das ACS, principalmente as crianças menores de dois anos, de cada microárea e assim realizar a busca ativa de crianças com calendário vacinal em atraso; manter o registro da cobertura vacinal atualizada no SI-PNI Web; intensificar as campanhas de vacinação visando melhorar o acesso da população; investimentos nas cadeias de suprimentos, recursos humanos e financiamento; fortalecer o quadro profissional das CRS para ofertar qualificação dos profissionais e promover ações regionais de mobilização da cobertura vacinal.

A governança cooperativa no Sistema Único de Saúde tem um arranjo complexo e sofisticado, articulado entre os entes federados e que reconhece as realidades loco sanitárias, e cuja edição normativa ocorre de forma dinâmica e ininterrupta, tornando imprescindível uma gestão planejada e respostas adequadas aos problemas contemporâneos. A Administração Pública, embora possua limitações financeiras, tem buscado oferecer, de forma democrática, as tecnologias mais modernas a todos os pacientes atendidos pelo SUS. No Brasil, as questões relacionadas à gestão do Sistema Único de Saúde (SUS), dentre elas o desabastecimento de vacinas, e particularmente à gestão integrada das ações de imunização, tais como organização dos processos de trabalho das unidades básicas de saúde/equipes de saúde da família, que envolvem horário de funcionamento das salas de vacina, número insuficiente de profissionais de saúde para atender à demanda e sua deficiente capacitação, também podem ser elencados como interferindo para a redução de coberturas vacinais. A existência e manutenção de uma rede de frio que garanta o armazenamento dos imunobiológicos em temperaturas adequadas para garantir sua qualidade, e com dispositivos de proteção contra quedas de energia elétrica são fatores fundamentais para se evitar a perda de vacinas. Da mesma forma, a logística de distribuição das vacinas em tempo hábil buscando a capilaridade da sua disponibilização aos territórios, configuram-se como grandes desafios a serem permanentemente enfrentados de maneira colaborativa por todas as esferas de gestão do SUS.

Principal

DANIELLE FERIGOLLO

Coautores

Joira Maria de Zorzi , Ariane Dassi, Maria Machado Nardini, Ines Schons Gnoatto, Neusa Salete Selli, Andreia Alievi , Claudia Gnoatto Lazzarotto , Mara Maria Hendges Menezes Tramontina , Iramar Antonio Tramontina

A prática foi aplicada em

Região

Instituição

Endereço

Uma organização do tipo

Instituição Privada

Foi cadastrada por

Conta vinculada

ideiasus@gmail.com

A prática foi cadastrada em

23 dez 2023

e atualizada em

23 dez 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

Você pode se interessar também

Práticas
Implementação da estratégia Tenda da Imunização para aumento de coberturas vacinais
Todos os Estados (Nordeste), Paraíba
Práticas
Estratégias de imunização em município do interior da Paraíba resulta em 1º lugar no estado durante campanha de influenza 2024 : relato de experiência
Paraíba
Práticas
Mindfulness, uma estratégia para redução da ansiedade e manejo de peso
Rio Grande do Sul
Práticas
Teste: verificando o recurso de emissão de certificados
Todos os Estados (Sudeste)
Práticas
A importância do trabalho em rede para a efetivação da reinserção social aos dependentes químicos enquanto sujeitos de direitos: observações acerca do eixo reinserção social no Centro de Acolhimento e Atenção Integral Sobre Drogas do município de Cachoeiro de Itapemirim (ES)
Espírito Santo