Olá,

Visitante

Cobertura Vacinal no Município de Itaí/Sp: as Conquistas, Os Desafios e a Construção de Estratégias Junto aos Trabalhadores e Usuários do Sus

Categoria não especificada

Após análise podemos perceber um declínio da cobertura vacinal com o passar dos anos, acentuado pela pandemia covid 19. Entre os problemas encontrados podemos elencar: RH insuficiente, pessoal sem preparo para as salas de vacina, a sobrecarga e responsabilidade de se atuar na sala de vacina, a burocratização dos sistemas e a não unificação de um sistema a ser alimentado vários sistemas , as fake news sobre as vacinas ,o descrédito dos seus benefícios e a divulgação deficiente nas mídias pelos órgãos federativos. Diante deste cenário foi criado estratégias para a melhoria da cobertura vacinal com participação da sociedade, ambiente escolar, profissionais da Atenção Básica, Vigilância Epidemiológica e a gestão.

Identificação e priorização dos problemas: Designar profissionais para atuação em sala de vacina (município) Capacitar os funcionários (município e estado) Abrir novas salas de vacinas para melhorar o acesso(município) Melhorar a divulgação e combate aos fakenews( estado e municípios).Melhorar a busca ativa dos faltosos,incluídos outros profissionais para realizar a busca ativa nas áreas descobertas pela Esf.(município).Aquisição de mais câmaras smart, para maior segurança no armazenamento dos imunobiológicos e não ter perdas por falta de energia.

Reforma da estrutura física das salas de vacinação existentes; adequação dos equipamentos permanentes;Reuniões periódicas com os profissionais das salas de vacina e demais estabelecimentos de saúde para levantar as fragilidades e propor estratégias de intervenção junto ao território.Ampliação de sala de vacina, adequação de equipamentos e treinamentos em outras UBS, para ampliar o acesso.Parceria com as escolas municipais e estaduais para realizar rodas de conversa com o alunos sobre o que é, para que serve, como age no organismo e, solicitar propostas de como a equipe da saúde ampliar as ações junto a comunidade.Realizar rodas de conversa nos territórios, junto com as equipes de UBS, utilizando da educação popular em saúde voltada para a promoção e prevenção a partir de dialogas e valorizando os saberes de populares de todos para a produção de conhecimento e inserção desses nas ações junto ao território. Dessa forma realizamos a construção coletiva, acolhemos os usuários em suas questões sobre a imunização problematizando as, construindo projetos coletivos e democráticos, proporcionando a emancipação dos indivíduos quanto a corresponsabilidade com a sua saúde e daqueles que vivem em volta. Incluir os membros do conselho municipal de saúde nas discussões do risco da reintrodução das doenças com a participação da população em espaços e igrejas, escolas, associações de moradores ou de disponíveis no território e planejarem a mobilização, tendo como autores as pessoas da comunidade; reorganizar o processo de trabalho dos ACS e ACE para serem qualificados em monitorar a imunização, colaborando com orientações e busca ativa do publico alvo. Garantir pauta nas reuniões junto ao prefeito e as demais secretarias da prefeitura sobre as ações de imunização nos territórios demostrando a importante parceria na execução de qualificação dos profissionais da saúde, da ambiência dos serviços e de veiculação na mídias digitais, escrita e falada.

Com a finalização da nova infraestrutura da sala de vacina adquiriremos um gerador capaz de nos dar mais segurança quanto ao armazenamento das mesmas. O controle ainda feito em fichas de papel nos permite dados fidedignos quanto à população vacinada e garantia de cobertura. A participação social, da comunidade e dos trabalhadores dos serviços de saúde possibilita fomentar sobre a imunização, o reconhecendo dos saberes para a construção coletiva e democrática para o planejamento de ações nos territórios do município. É importante que estejamos em constantes capacitação para acompanhar as mudanças no calendário, técnicas de aplicação, notificação, reação adversa e orientações. Esse é um grande trabalho realizado pela vigilância epidemiológica para fortalecimento da rede, mesmo com as dificuldades de estruturas e equipe reduzidas o resultado está sendo alcançado, conseguimos manter uma cobertura vacinal satisfatória. Essas ações devem ser ainda mais fortalecidas pelo estado pra que possamos conseguir melhores indicadores , controle e erradicação de doenças.

Principal

Adriana do Espirito Santo

Coautores

Edvania de Souza Souto , Maria Emília Ferreira, Michele Candida de Almeida

A prática foi aplicada em

Região

Instituição

Endereço

Uma organização do tipo

Instituição Privada

Foi cadastrada por

Conta vinculada

ideiasus@gmail.com

A prática foi cadastrada em

23 dez 2023

e atualizada em

23 dez 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

Você pode se interessar também

Práticas
ADESÃO DAS GESTANTES AO PRÉ-NATAL ODONTOLÓGICO: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE
Paraíba
Práticas
A PRÁTICA DE PRIMEIROS SOCORROS NO CONTEXTO DE UM CURSO TÉCNICO PARA AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE
Paraíba
Práticas
Vacinação nos espaços de formação: experiência no 2º Congresso Nordestino de Pediatria
Paraíba
Práticas
A (in) visibilidade de quem está em situação de rua: caminhos possíveis para cuidado em saúde
Paraíba
Práticas
Título: Autismo – uma causa municipal.
Paraíba
Práticas
Do ambulatório LGBTQIAPNB+ ao Café com Diversidade: garantindo acesso e fortalecimento de vínculos
Paraíba
Práticas
Atuação intersetorial nos casos suspeitos de TEA na primeira infância, um relato de experiência.
Paraíba
Práticas
Programa Bolsa Família: processo formativo para profissionais da atenção primária
Paraíba
Práticas
As PICS como ferramenta potencializadora no cuidado a saúde do trabalhador
Paraíba