Olá,

Visitante

Arraia do Zé Gotinha – uMA Estratégia Lúdica para Conscientizar Os Pais Sobre a Importância da Vacinação

Categoria não especificada

O Programa Nacional de Imunizações (PNI), por meio do qual o Brasil oferta, de maneira universal e gratuita, uma ampla gama de imunobiológicos é considerado referência mundial (CRUZ, 2017). No entanto, a cobertura vacinal que, a partir de meados da década de 1990, superava o estabelecido pelo PNI (DOMINGUES; TEIXEIRA, 2013), tem estado abaixo da meta desde 2016 (SATO, 2018). A pandemia do COVID-19 acentuou os problemas relacionados a adesão vacinal da população, somado a uma tendência de questionamento sobre a eficácia das vacinas na prevenção das doenças e promoção a saúde, dado que associado ao declínio das coberturas vacinais e informações inverídicas colaboram para uma baixa procura por parte da população. O entendimento sobre o panorama situacional das coberturas vacinais é essencial para que os municípios possam traçar intervenções e realizar seu planejamento afim de que as ações possam ter impacto positivo no controle e erradicação das doenças imunopreveníveis. Com o intuito de amenizar a desinformação e ampliar a consciência da população, a equipe do Serviço de Imunização do município de São Paulo do Potengi-RN, idealizou o Arraia do Zé Gotinha. Uma estratégia vacinal que mobilizou escolas, creches, comunidades rurais, outros serviços e organizações como Secretária de Ação Social, Articulação do SELO UNICEF, Conselho Tutelar, entre outros envolvidos . A ludicidade da estratégia, apresenta-se enquanto possibilidade de estimular a vacinação em todas as fases da vida, destacando as crianças que entre as coberturas vacinais encontra-se com os menores índices, realidade que pode ser reflexo do contexto pandêmico vivenciados desde 2020. Ressalta-se que a imunização permitiu a retomada das atividades diárias e redução dos riscos vividos pela população. Este projeto vem estimulando o engajamento por parte dos gestores, profissionais de saúde, entidades sociais e sociedades civil, gerando a compreensão que a imunização é uma forte ferramenta de promoção e a responsabilidade de gerar saúde é de todos, uma vez que, a vacinação é uma responsabilidade social coletiva e deve ser abraçada por toda sociedade.

A queda da cobertura vacinal vem ocorrendo em todo o mundo e é considerado um fenômeno multifatorial. No Brasil, vem ocorrendo de forma tendencial desde 2016, acarretando o reaparecimento de algumas doenças imunopreveníveis como é o caso do sarampo. As vacinas sempre foram poderosas ferramentas na promoção saúde para a população, porém a pandemia do covid-19 acentuou a queda das coberturas vacinais e deu forma para a propagação de informações falsas sobre as vacinas Para a Pesquisa Nacional de cobertura vacinal, fatores multifatoriais irão interferir e favorecer as baixas coberturas vacinais como a complexidade do calendário vacinal Brasileiro e a incorporação de diversas vacinas de rotina em curto período de tempo, desabastecimento pontuais de alguns imunobiológicos, infraestrutura inadequada, barreiras de acesso, recursos humanos, treinamento das equipes, hesitação vacinal, propagação de noticias falsa, dentre outros fatores. Segundo a pesquisa essa redução da cobertura vacinal é preocupante à medida que altas taxas de vacinação são essenciais para o alcance e manutenção da imunidade comunitária e redução do risco atribuível à doença (SAGE, 2014). Além disso, a homogeneidade, que é um importante indicador que se traduz como a obtenção da meta estabelecida pelo estado em 75% ou mais na cobertura vacinal, e que diz muito sobre a obtenção da imunidade comunitária, fica comprometida com a queda de cobertura observada (BRASIL, 2015). O município de São Paulo do Potengi observando a necessidade de criar estratégias para conscientizar e vacinar a população sobre a importância da vacinação principalmente em relação a vacinação infantil onde a cobertura vacinal apresentava o percentual total no ano de 2022 de 37%, os problemas enfrentados pelo município em relação adesão da população a vacinação, segue o cenário nacional, onde multifatores acabam gerando desconfiança ou falsa sensação de proteção em relação as doenças imunopreviníveis.

O nordeste brasileiro apresenta uma forte paixão pelo festejos juninos e julinos pensando nesse contexto cultural e com forte apelo lúdico em decorrência da caracterização, comidas típicas, transformamos essas referências regionais em um meio para atrair e informar os pais sobre a importância da vacinação na promoção as saúde dos seus filhos e também integrar a criança de maneira recreativa na Unidade Básica de Saúde, com decoração elementos característicos dos arraiás como vestimentas, pescarias, comidas típicas, com o objetivo de desmitificar o medo da vacina e mostrando que não é algo a se temer e sim que será benéfica para a saúde. A ação do arraia do Zé Gotinha aconteceu durante os meses de junho e julho de 2022 nas 8 Unidades Básicas de Saúde do município de São Paulo do Potengi e teve como objetivo promover multivacinação de crianças e adolescentes e atualizar caderneta vacinal de adultos e idosos. Realizamos capacitações com os Agentes Comunitários de Saúde sobre o Calendário Vacinal Brasileiro com o objetivo de atualizá-los sobre as mudanças nos esquemas vacinais e a inserção de novas vacinas. A capacitação teve como propósito uma busca ativa mais eficiente, gerando um monitoramento mais intenso e constante e incorporada na rotina de vigilância a saúde. No territórios foram promovidos encontros com os pais nas escolas da zona urbana e rural do município além das reuniões, os agentes comunitários de saúde solicitavam e avaliavam as cadernetas vacinais das crianças para analise, afim de encaminhar as crianças em atraso vacinal para a sua UBS de referência para realizar a atualização. Além da capitação dos pais desses crianças nas escola, observou-se a necessidade de fortalecer o vinculo de confiança profissional de saúde e usuário, fazendo com que todos que compõem a equipe de saúde tomassem propriedade da sua importante função na propagação das informações e acolhimento das famílias em relação as suas dúvidas referentes a vacinação, já que inserção de novas vacinas e a propagação de noticias falsas geram medo e hesitação levando a recusa da vacina. Confiar no profissional habilitado e devidamente capacitado é fundamental para oferecer segurança na execução das suas atividades e é de extrema importância para uma vacinação exitosa. O arraia do Zé Gotinha foi planejado e pensado na participação de todos os membros da equipe de saúde, Agentes Comunitários de Saúde, técnica de enfermagem, enfermeira, médica, dentista, técnico em saúde bucal, auxiliar de serviços gerais, recepcionistas, dentre as parcerias firmadas com outros setores. O papel do profissional de saúde na melhoria a adesão dos usuários à imunização é notório. Assim, uma estratégia apontada para minimizar a atitude hesitante e melhorar a comunicação foi investir em treinamentos sobre imunização, voltados para os trabalhadores da saúde, para que eles possam ampliar o conhecimento e transmiti-lo com mais confiança para seus pacientes (FOSTER; LAVERTY; FILIPPIDIS, 2022). Como resultado além da promoção a saúde proporcionada pela atualização das vacinas em atraso, melhoramos o percentual geral que estava em 37% no mês de abril de 2022 e foi para 81,17 ao final do mesmo ano, porém continuaremos intensificando as estratégias até alcançarmos o êxito de cobertura vacinal acima de 95% . Com o sucesso da ação e a boa aceitação dos usuários, o arraia do Zé Gotinha foi incorporado ao calendário das ações anuais da saúde e já possui programação definida para 2023 junto a outras ações já realizadas e outras em andamento com a Plataforma de Busca Ativa Vacinal lançada recentemente pela UNICEF, sendo uma estratégia intersetorial ampla com o objetivo de contribuir para o aumento da cobertura vacinal nas regiões brasileiras Norte e Nordeste, onde os indicadores relacionados à imunização infantil são menores. Dessa forma, as ações consistem na identificação de crianças menores de 5 anos não vacinadas ou com a vacinação atrasada, na garantia do recebimento de todas as doses e na identificação e resposta às vulnerabilidades na vacinação (UNICEF, 2022). Além da incorporação do arraia do Zé Gotinha como uma estratégia local também aderimos ao Projeto minha escola nota 10 que faz parte de uma das estratégias da Secretaria de Saúde Estadual em parceria com os municípios e intensificar o monitoramento da rotina vacinal do território.

As baixas coberturas vacinais que afetam todo o Brasil sendo uma tendência negativa em todos os níveis de atenção impactando na promoção, recuperação e reabilitação da saúde, possibilita a reinserção de doenças imunopreviníveis em nosso território ou até mesmo a ocorrência de surtos em regiões especificas. O arraiá do Zé Gotinha proporcionou durante a ação a realização de mais de 700 vacinas de rotina e campanha COVID -19 e Influenza, sendo considerada uma estratégia exitosa e bem aceita pela comunidade contribuindo para a elevação da cobertura geral de vacinação do município, sendo assim incorporada as demais estratégias que contribuem para a recuperação da confiança na imunização como importante meio de prevenção de doenças. A valorização profissional da enfermagem também acaba sendo um forte fator de impacto na realização das ações voltadas para a imunização, levando em consideração que esses profissionais são responsáveis pela condução da grande maioria dos processos de imunização no SUS, portanto condições adequadas de trabalho são fundamentais para o desenvolvimento das suas atividades.

Principal

Letícia Francisca da Silva

A prática foi aplicada em

Região

Instituição

Endereço

Uma organização do tipo

Instituição Privada

Foi cadastrada por

Conta vinculada

ideiasus@gmail.com

A prática foi cadastrada em

23 dez 2023

e atualizada em

23 dez 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

Você pode se interessar também

Práticas
ADESÃO DAS GESTANTES AO PRÉ-NATAL ODONTOLÓGICO: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE
Paraíba
Práticas
A PRÁTICA DE PRIMEIROS SOCORROS NO CONTEXTO DE UM CURSO TÉCNICO PARA AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE
Paraíba
Práticas
Vacinação nos espaços de formação: experiência no 2º Congresso Nordestino de Pediatria
Paraíba
Práticas
A (in) visibilidade de quem está em situação de rua: caminhos possíveis para cuidado em saúde
Paraíba
Práticas
Título: Autismo – uma causa municipal.
Paraíba
Práticas
Do ambulatório LGBTQIAPNB+ ao Café com Diversidade: garantindo acesso e fortalecimento de vínculos
Paraíba
Práticas
Atuação intersetorial nos casos suspeitos de TEA na primeira infância, um relato de experiência.
Paraíba
Práticas
Programa Bolsa Família: processo formativo para profissionais da atenção primária
Paraíba
Práticas
As PICS como ferramenta potencializadora no cuidado a saúde do trabalhador
Paraíba