Olá,

Visitante

Agentes Comunitários de Saúde: “Vigilantes da Imunização”

Categoria não especificada

Este trabalho apresenta componentes que organizam a estruturação do relato de experiência do papel das (os) agentes comunitários de saúde unificado a vigilância epidemiológica executados na cidade de Jaguaretama, município do Ceará, em prol de uma melhor cobertura vacinal entre os seus moradores. De forma geral as regras de apresentação, os elementos pré-textuais, textuais e pós-textuais. As orientações baseiam-senas normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas.

A melhoria nas coberturas vacinais em crianças menores de 5 anos de idade ficou evidente quando analisamos o sistema de informação do Programa Nacional de Imunização – SI-PNI, comparando o ano de 2021 com 2022 e referente aos 12 imunobiológicos de rotina para esta faixa etária. A cobertura vacinal em 2021 estava prejudicada, abaixo de 95%, nos imunobiológicos contra Febre amarela (6,98%), hepatite A (94,88%), 1⁰ reforço da pneumocócica (90,7%) e Meningococo C (91,16%), 1⁰ e 2⁰ reforço da DTP (74,68% e 93,95%). Com a execução do plano de ação municipal para melhoria da vacinação durante o ano de 2022, todos os imunobiológicos tiveram suas coberturas ajustadas para 95% ou mais, exceto a vacinação contra febre amarela que enfrenta uma logística de distribuição complicada, frascos com 5 doses que tem prazo de validade 6 horas após aberto e cota mensal do município apenas 10 frascos, comprometendo o fornecimento regular às equipes da ESF, principalmente para as equipes da zona rural que apresentam barreiras de acessibilidade e diversas localidades de atendimento no mês. Apresentamos a seguir os dados de cobertura vacinal do ano de 2022: Febre amarela (73,33%), hepatite A (106,67%), 1⁰ reforço da pneumocócica (107,11%) e Meningococo C (106,22%), 1⁰ e 2⁰ reforço da DTP (110,17% e 104%).

O estudo foi realizado a partir da identificação das principais problemáticas para a queda da cobertura vacinal em crianças até 5 anos de idade conforme segue: a desinformação por parte da população acerca da faixa-etária e imunizantes disponíveis no SUS, bem como, a baixa busca ativa dos faltosos. A partir disso, foi elaborado um plano municipal de ação voltado para os ACS que contemplava a capacitação continuada dos 56 ACS, profissionais com amplo acesso à população, para a identificação dos pacientes com atrasos nas demandas de vacinação no calendário de vacinação habitual. Além disso, tivemos a implantação do cartão controle-espelho de vacinação para todas as crianças menores de 5 anos de idade por ACS e por equipe da estratégia saúde da família – ESF, a realização da avaliação mensal das equipes da ESF, momento no qual a enfermeira analisa todos os cartões por ACS e compara com os da unidade, implantação da Gratificação do Programa Previne Brasil vinculada a critérios de cobertura vacinal e convocação dos ACS para participarem da vacinação nas escolas nos seus respectivos territórios.

Frente ao exposto, é possível compreender a importância da educação para a saúde e organização do processo de trabalho em equipe, tendo em vista que cada profissional tem função de agente de mudança no contexto em que está inserido. Vale ressaltar, a importância da postura profissional dos ACS na busca pelo conhecimento específico para oferta de informações a população adstrita. Salienta-se, que foram conquistados espaços importantes de valorização e compartilhamento de saberes pelas equipes de atenção primária à saúde, demonstradas nas falas e sugestões durante o desenvolvimento do plano municipal de ação para melhoria das coberturas vacinais em crianças menores de 5 anos de idade. Outro ganho importante, foi a implantação do monitoramento de cobertura vacinal compartilhado e busca ativa contínua dos faltosos junto às equipes da ESF/ACS. As estratégias desenvolvidas junto aos ACS contribuíram significativamente para melhorar as coberturas vacinais em Jaguaretama, por ser um profissional que detém o conhecimento do território e o poder de transformar as fragilidades através do processo de educação em saúde diretamente com as famílias acompanhadas.

Principal

Luiza Rubstheynia Ferreira Diniz

Coautores

FRANCISCA AIRLENE DANTAS E SILVA, IZABELLI BARROS DE BARROS, ANTONIA GRAZIELA DANTAS BEZERRA, WESLLEY MONTEIRO LEMOS, RAYANE LIMA DA SILVA

A prática foi aplicada em

Região

Instituição

Endereço

Uma organização do tipo

Instituição Privada

Foi cadastrada por

Conta vinculada

ideiasus@gmail.com

A prática foi cadastrada em

23 dez 2023

e atualizada em

23 dez 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

Você pode se interessar também

Práticas
ADESÃO DAS GESTANTES AO PRÉ-NATAL ODONTOLÓGICO: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE
Paraíba
Práticas
A PRÁTICA DE PRIMEIROS SOCORROS NO CONTEXTO DE UM CURSO TÉCNICO PARA AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE
Paraíba
Práticas
Vacinação nos espaços de formação: experiência no 2º Congresso Nordestino de Pediatria
Paraíba
Práticas
A (in) visibilidade de quem está em situação de rua: caminhos possíveis para cuidado em saúde
Paraíba
Práticas
Título: Autismo – uma causa municipal.
Paraíba
Práticas
Do ambulatório LGBTQIAPNB+ ao Café com Diversidade: garantindo acesso e fortalecimento de vínculos
Paraíba
Práticas
Atuação intersetorial nos casos suspeitos de TEA na primeira infância, um relato de experiência.
Paraíba
Práticas
Programa Bolsa Família: processo formativo para profissionais da atenção primária
Paraíba
Práticas
As PICS como ferramenta potencializadora no cuidado a saúde do trabalhador
Paraíba