Olá,

Visitante

Acolhimento Inclusivo na Imunização do Paciente Autista – Garrafinha Sensorial da Calma

Categoria não especificada

A partir da necessidade de qualificação do manejo das equipes de saúde a públicos com necessidades específicas, o Departamento de Atenção Básica e Gestão do Cuidado do município paulista de São Bernardo do Campo, elaborou oficinas de sensibilização e capacitação para as equipes das Unidades Básicas de Saúde (UBS), para diversas categorias profissionais, incluindo recepcionistas e profissionais da sala de vacina. O cuidado inclusivo à pessoa com Transtorno do Espectro Autista (TEA) surgiu ao iniciarmos a imunização contra o Covid-19 para este público (pessoas com deficiência), que quase sempre chegava agitado aos locais de vacinação, com familiares desconfortáveis com a situação e as equipes hesitantes quanto ao melhor manejo deste comportamento para a aplicação da vacina de forma segura. O objetivo destas oficinas foi, além da oferta teórica sobre as características da pessoa autista, incentivar uma abordagem humanizada, tanto para a pessoa como para seus familiares. Ao final de cada oficina, os profissionais puderam confeccionar sua própria “garrafinha sensorial da calma”, ferramenta facilitadora perante situações de ansiedade, agitação e estresse. De posse de sua garrafinha, orientamos que cada participante multiplicasse as orientações que vivenciaram nas oficinas aos demais colegas da unidade. A partir de uma experiência exitosa do uso da garrafinha com um menino autista de 12 anos, outras UBSs passaram a utilizar a ferramenta, proporcionando tranquilidade e maior confiança à equipe no manejo da situação e eficácia no procedimento de imunização. A partir de então, a elaboração de garrafinhas sensoriais da calma passou a fazer parte das ações desenvolvidas pelas UBSs no mês de abril, em comemoração ao Dia Mundial de Conscientização do Autismo, com a participação tanto de profissionais como de munícipes que aguardam atendimentos na sala de espera.

Mediante a necessidade de qualificação das equipes para o melhor manejo a pessoas com Transtorno do Espectro Autista (TEA) não só no procedimento da imunização mas no acolhimento, escuta e resolução de suas demandas em qualquer setor da UBS, o Departamento de Atenção Básica planejou e realizou oficinas de sensibilização e capacitação aos profissionais envolvidos com cerca de 3 horas de duração, e média de 30 participantes por turma.

Aspectos desenvolvidos nas oficinas: características do autismo e suas variações dentro do espectro, importância do cuidado aos familiares, legislação vigente e maneiras de ofertar uma abordagem acolhedora. Realizamos rodas de conversa, trocas de experiências, apresentação de vídeos e também a confecção de uma ferramenta terapêutica denominada “Garrafinha Sensorial da Calma” (baseada na metodologia montessoriana). Esta ferramenta consiste em uma garrafa pet (300ml) com água, corante alimentício, glitter, lantejoulas e botões coloridos que, ao ser movimentada, desperta a atenção pela cor, brilho e deslocamento dos objetos na água, contribuindo para focar a atenção na garrafinha, atenuando a irritabilidade dos estímulos ao redor e diminuindo a ansiedade perante uma situação desconhecida ou estressante, como uma vacina pode ser para determinadas pessoas. Logo após a primeira oficina, soubemos de uma experiência interessante e exitosa com um menino de 12 anos, com TEA, que chegou com seu pai e sua mãe em uma UBS para ser vacinado contra o Covid-19. Ele estava agitado e a família insegura. Num primeiro momento, o manejo da equipe em acalmar o menino não surtiu resultado e o procedimento não pode ser realizado. A equipe chegou a ofertar a opção de contenção química, pois a contenção física não foi considerada como opção. Porém, os pais optaram por aguardar e retornar em outro momento. Na segunda tentativa, algumas semanas depois, a família retorna e o menino está novamente agitado e a família, desconfortável. No entanto, nesta segunda tentativa, uma profissional que havia participado da oficina de sensibilização, lembrou-se da garrafinha que ela havia feito e mostrou-a ao garoto. Rapidamente ele aceitou a oferta e começou a balançar a garrafinha em suas mãos, observando o movimento dos objetos e as cores, e com isso se acalmou, permanecendo sentado. A equipe conseguiu então aplicar a vacina de forma segura e tranquila, a família ficou satisfeita, e a criança protegida.

A pandemia do Covid-19 deixou marcas em todos nós trabalhadores da saúde e na população como um todo. A capacitação constante se faz necessária em todos os momentos de nosso percurso profissional, pois é preciso se adequar às demandas e desafios, com abordagens técnicas, mas também humanizadas, tendo um olhar empático tanto para os trabalhadores como para as especificidades dos munícipes e seus familiares. A estratégia do uso da garrafinha está sendo usada por outras UBSs do município de forma bastante satisfatória, com uma abordagem inclusiva, acolhedora e resolutiva, qualificando cada vez mais o cuidado e dando segurança e tranquilidade aos trabalhadores no dia a dia da rotina das unidades básicas de saúde

Principal

ROSANA MAIMERI

Coautores

Cristina Aparecida Martins, Stefanos Paraskevas Lazarou

A prática foi aplicada em

Região

Instituição

Endereço

Uma organização do tipo

Instituição Privada

Foi cadastrada por

Conta vinculada

ideiasus@gmail.com

A prática foi cadastrada em

23 dez 2023

e atualizada em

23 dez 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

Você pode se interessar também

Práticas
Ações intersetoriais: integrando estratégias no combate às arboviroses na cidade de Belém do Brejo da Cruz (PB)
Paraíba
Práticas
Os caminhos para alcançar os indicadores de desempenho do Previne Brasil pelo município de Bom Jesus (PB)
Paraíba
Práticas
Re(h)abilitando a interdisciplinaridade e o cuidado na atenção primária à saúde
Paraíba
Práticas
ADESÃO DAS GESTANTES AO PRÉ-NATAL ODONTOLÓGICO: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE
Paraíba
Práticas
A PRÁTICA DE PRIMEIROS SOCORROS NO CONTEXTO DE UM CURSO TÉCNICO PARA AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE
Paraíba
Práticas
Vacinação nos espaços de formação: experiência no 2º Congresso Nordestino de Pediatria
Paraíba