Olá,

Visitante

A Sistematização da Assistência Como Estratégia de Cuidado Aos Portadores de Feridas Crônicas

Ao entendermos a assistência aos portadores de feridas crônicas como um problema de saúde pública na atenção básica, podemos observar a necessidade de estratégias para avaliar, tratar e acompanhar esses usuários, nessa lógica Para atender os objetivos propostos realizamos um trabalho de campo no município de São Jose do Vale do Rio Preto, tendo como público 20 usuários que possuíam feridas crônicas, há mais de 6 meses sem relato de melhora ao longo do período. Toda intervenção foi realizada em local apropriado ( sala de curativo) e em domicilio através de busca ativa em consonância com a Unidade Básica de Saúde do bairro. Todos os procedimentos foram precedidos de avaliações, com intuito de identificarmos a extensão, sitio de localização, coloração, coleta de swab da secreção entre outros, bem como a fase de cicatrização da ferida para que pudéssemos escolher a cobertura ideal para a ferida, respeitando as características do leito da ferida. A identificação dessa demanda foi feita através da coordenação da atenção básica, possibilitando construir um fluxo de atendimento para esses usuários, priorizando as feridas com maior grau de comprometimento. Para realização dos curativos utilizamos técnica asséptica e com profissionais capacitados para execução da técnica. Os registros foram feitos em prontuários próprios com anamnese, imagens da ferida, evolução e/ou intercorrências cabíveis ao atendimento.

Ao entendermos a assistência aos portadores de feridas crônicas como um problema de saúde pública na atenção básica, podemos observar a necessidade de estratégias para avaliar, tratar e acompanhar esses usuários,

Assim, no que tange a assistência ao diagnosticarmos as necessidades dos usuários, experiênciamos a construção de linhas de cuidados, as quais nos possibilitou contemplar com êxito princípios do SUS, tais como: integralidade, universalidade e equidade. Dessa forma, concluímos que a sistematização da assistência como estratégia de cuidado aos usuários portadores de feridas crônicas, pode mudar a concepção do atendimento prestado, tendo sido possível através de intervenções diretas a essa população, promovendo um bem estar físico, mental e social. Portanto, o atendimento passa a ser individualizado levando em consideração aspectos sociais e emocionais do usuário.

Principal

Gleyce Padrão de Oliveira

padraogleyce@gmail.com

A prática foi aplicada em

RJ

Rio de Janeiro

Sudeste

Instituição

São José do Vale do Rio Preto

Uma organização do tipo

Instituição pública

Foi cadastrada por

Gleyce Padrão de Oliveira

Conta vinculada

02 jun 2023

e atualizada em

14 set 2023

Seu Período de Execução foi de

até

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
A Incorporação da Busca Ativa Vacinal À Estratégia Vacina Mais Campina: Rumos da Intersetorialidade
Práticas
Estratégias para Aumentar a Cobertura Vacinal no Município de Custódia-pe: Integrando o s Setores Públicos
Práticas
Estratégias da Campanha de Vacinação de Covid-19 Como Guia para o Fortalecimento das Ações de Resgate das Coberturas Vacinais de Rotina
Práticas
Projeto Vacinando Com natal
Práticas
Programa Imuniza Siriri. Vacina Mais Perto de Você!
Práticas
Declaração de Vacinação Atualizada – Dva uma Estratégia Intersetorial para a Melhoria da Cobertura Vacinal de Uruaçu-go: Relato de Experiência
Práticas
Vacinação em Massa Contra a Covid-19 na Fronteira Brasil/bolívia no Município de Corumbá-ms, 2021: Desafios e Conquistas
Práticas
Ação Extramuro de Imunização À População Trabalhadora da Zona Urbana e de Áreas de Difícil Acesso no Município de Comodoro-mt
Práticas
Vacinação em Dia! Estratégias para Recuperação das Coberturas Vacinais no Município de Vitória-es
Práticas
Vacinação Itinerante e Ações nas Escolas do Município