Olá,

Visitante

Ministério da Saúde lança política inédita no SUS para cuidados paliativos

Nova estratégia vai oferecer serviços de saúde a pacientes, familiares e cuidadores de forma mais humanizada

Leitura: 3 minutos
Coletiva sobre a Política Nacional de Cuidados Paliativos. Na foto (da esq. p/ a dir.), Fábio Baccheretti, presidente do Conass; Socorro Gross, representante da Opas/OMS no Brasil; Nísia Trindade Lima, ministra da Saúde; Adriano Massuda, secretário de Atenção Especializada à Saúde do MS; Fernando Pigatto, presidente do CNS; e Hisham Mohamad Hamida, presidente do Conasems / Crédito da foto: Ministério da Saúde

No Brasil, cerca de 625 mil pessoas precisam de cuidados paliativos, ou seja, atenção em saúde que permita a melhora da qualidade de vida daqueles que enfrentam doenças graves, crônicas ou em finitude. Os cuidados paliativos têm foco no alívio da dor, no controle de sintomas e no apoio emocional. Nesse contexto, pensando em uma experiência mais digna e confortável para pacientes, familiares e cuidadores, o Ministério da Saúde lançou a Política Nacional de Cuidados Paliativos no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). A expectativa é que 1,3 mil equipes sejam implantadas em todo o território nacional.

A política, inédita no país, vai permitir uma assistência mais humanizada. Antes, com atendimento limitado, escassez de profissionais com formação paliativa e barreiras culturais, os serviços estavam concentrados nas regiões Sudeste, Sul e Centro-Oeste, com consequente ausência nas regiões Norte e Nordeste. Agora, três eixos vão guiar os cuidados paliativos no serviço público de saúde: criação de equipes multiprofissionais para disseminar práticas às demais equipes da rede; promoção de informação qualificada e educação em cuidados paliativos; e garantia do acesso a medicamentos e insumos necessários a quem está em cuidados paliativos.

Do total de equipes, a estimativa é que a estratégia seja composta por 485 equipes matriciais (fazendo a gestão dos casos) e 836 equipes assistenciais (prestando a assistência propriamente dita), ambas formadas por médicos, enfermeiros, assistentes sociais e psicólogos. Também serão criadas equipes com pediatria. Os gestores locais terão autonomia para incorporar outros profissionais de saúde, como fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, dentistas, farmacêuticos, fonoaudiólogos e nutricionistas. Com isso, após habilitação de todas as equipes, o investimento previsto é de R$ 887 milhões por ano.

Será composta uma equipe matricial para cada fração de território com 500 mil habitantes de uma mesma macrorregião de saúde e uma equipe assistencial para cada 400 leitos do SUS habilitados. Caberá aos estados solicitarem equipes matriciais e aos municípios equipes assistenciais, que poderão estar sediadas em hospitais, ambulatórios, junto a serviços de atenção domiciliar ou de atenção primária.

As equipes vão atuar em diferentes locais da rede de saúde, incluindo o atendimento domiciliar. Seu papel será auxiliar e ensinar outras equipes que tenham sob seus cuidados pessoas com necessidades de cuidados paliativos a prestarem esse tipo de cuidado de forma eficaz e humanizada. A Política Nacional de Cuidados Paliativos é fruto da mobilização popular e de especialistas e chega para aprimorar serviços já ofertados no SUS em hospitais gerais e especializados, centros de atenção oncológica e outros.

Nísia Trindade, ministra da Saúde: “O desafio é estruturá-la em benefício de todas as pessoas”/ Foto: Ministério da Saúde

Em coletiva de lançamento da nova estratégia, realizada em 23 de maio, em Brasília, a ministra da Saúde, Nísia Trindade, falou como funcionará a política. “Será uma política na qual vão trabalhar governo federal, estados e municípios, e o grande desafio será estruturá-la em benefício de todas as pessoas, valorizando também as equipes dedicadas a essa função”, disse. “O sofrimento, a dor, os momentos terminais de uma doença desafiam muito a todos nós que estamos no campo da Saúde. Por isso, essa política é tão importante”, assegurou Nísia.

Mais Acesso a Especialistas

A Política Nacional de Cuidados Paliativos (PNCP) se articula às ações do Programa Mais Acesso a Especialistas (PMAE), com objetivo de ampliar e qualificar o cuidado e o acesso à Atenção Especializada à Saúde (AES) de pacientes e famílias que enfrentam problemas associados a doenças que ameaçam a vida, prevenindo e aliviando o sofrimento por meio da identificação precoce, avaliação correta e tratamento da dor e de outros problemas de saúde. O ponto de partida é a necessidade de tornar o acesso do paciente aos exames especializados e às consultas o mais rápido possível e com menos burocracia, a partir do encaminhamento realizado pela Equipe de Saúde da Família (ESF).

Confira a apresentação da Política Nacional de Cuidados Paliativos (PNCP)

Por Ana Freire, do Ministério da Saúde

Gostou? Compartilhe clicando abaixo

Palavras-chave

Você pode se interessar também