Olá,

Visitante

Prevenção do Câncer de Colo de Útero e Seguimento dos Resultados Alterados: uma Experiência Exitosa no Município de São Félix

No Brasil o câncer de colo de útero é um importante problema de saúde pública, sendo o terceiro tipo que mais acomete mulheres e a quarta causa de morte por câncer. A região nordeste é a segunda mais incidente. Quando diagnosticado precocemente essa doença tem grande possibilidade de cura e redução da morbimortalidade. A atenção básica deve coordenar os cuidados primários, dentre estes, o exame Papanicolau configura como forma efetiva no rastreamento e detecção precoce do câncer de colo de útero. São Félix está situado no Recôncavo Baiano com uma população feminina estimada em 3.490 (25 a 59 anos), com cobertura de 100% pela AB, sendo esta responsável pela ampliação da cobertura de serviços ofertados, estruturação do processo de trabalho e encaminhamento para outros níveis de atenção. Este relato se justifica por apresentar a experiência de uma estratégia alternativa na realização do Papanicolau na AB, possibilitando maior adesão ao exame e efetivo seguimento dos casos alterados.

Apresentar a experiência de implementação de uma estratégia inovadora na realização da coleta do exame Papanicolau e seguimento dos casos alterados na atenção básica. Trata-se de um relato de experiência realizado em São Félix-Ba, onde a partir de março de 2018, foi adotada como estratégia, a desvinculação da realização do exame papanicolau pela USF, ficando uma enfermeira responsável pela coleta nas unidades, com agendamento prévio, bem como pelos direcionamentos e seguimento dos resultados alterados. Os dados foram coletados dos registros das unidades e do SISCAN (Sistema de Informação do Câncer) referentes aos atendimentos realizados em 2018.

De acordo com dados do SISCAN, em 2017 foram coletados 1067 exames e em 2018 houve um aumento de 41,7% (1512). Os resultados apresentados nas lâminas coletadas em 2018 foram: 01 adeno carcinoma invasor, 17 lesões intraepiteliais de alto grau (II e III), 36 ASC-H (não se pode afastar lesão de alto grau), 29 lesões intraepiteliais de baixo grau (HPV e grau I), 42 ASC-US (possivelmente não neoplásicas) e 29 reatividade celular intensa/controle citológico. Dentre os 153 exames alterados (10% do total) foram gerados como seguimento, 41 biópsias, 21 leeps e 21 cauterizações. Dos resultados dos anátomopatológicos, 02 apresentaram lesões com margens comprometidas e 03 foram encaminhados ao serviço de referência de oncologia (CICAN).Por meio dessa estratégia, que oportunizou oferta regular e interlocução com a da rede de atenção à saúde, foi possível identificar um aumento significativo no número de exames realizados e, mais relevante ainda, houve o seguimento adequado e resolutivo para os casos alterados. A implementação desse serviço proporcionou um acompanhamento integral às mulheres atendidas, resultando em diagnóstico precoce das lesões em seus variados estágios, encaminhamentos necessários e tratamento oportuno.

Principal

Patricia Dolis Malatesta

pdmfonseca20@gmail.com

Coautores

Rita De Cássia Melo Dos Santos, Paula Paulina Costa Tavares, Karla Kele Castro Sampaio

A prática foi aplicada em

São Félix

Bahia

Nordeste

Instituição

Vila Residencial Quadra 10, 09, São Félix

Uma organização do tipo

Instituição Privada

Foi cadastrada por

Odilon Cunha Rocha

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

23 set 2023

e atualizada em

08 abr 2024

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

Você pode se interessar também

Práticas
Gestão Estratégica e Participativa no Sus: Implantando Novas Instâncias Deliberativas no Município Paulo Jacinto – Al
Alagoas
Práticas
Circuito Eu Sou SUS Pré-Natal: uma Estratégia para Fortalecer A Adesão ao Pré-Natal na ESF Branca Ii em Atalaia – Alagoas
Alagoas
Práticas
Implantação da Divulgação do Diu Como Método de Prevenção de Gravidez, Não de Doença Sexualmente Transmissíveis.
Rio de Janeiro
Práticas
Ambulatório de Follow Up – Acolhimento, Humanização e Cuidado Qualificado Aos Bebês de Risco do Município de Rio das ostras.
Rio de Janeiro
Práticas
O trabalho dos agentes de endemias na identificação de larvas de mosquitos de interesse público
Rio de Janeiro
Práticas
Estratégia Adotada em Iguaba Grande/Rj para o Monitoramento e Avaliação Participativa da Produção Informada no Sia/SUS
Santa Catarina
Práticas
Essa Planta Serve para Quê?
Bahia
Práticas
Controle Social E Saúde Do Trabalhador: A Experiência Regional Do Conselho Gestor Do Cerest- Pólo Duque De Caxias – RJ
Espírito Santo
Práticas
As Tecnologias Leves Como Potencializadoras no Processo de Trabalho de Duas Equipes do Município de Timbó-Sc.
Santa Catarina
Práticas
Matriciamento das Ações de Saúde Mental na Atenção Básica do Município de Moju-Pa: Um Relato de Experiência.
Pará