Olá,

Visitante

Prevenção do Câncer de Colo de Útero e Seguimento dos Resultados Alterados: uma Experiência Exitosa no Município de São Félix

No Brasil o câncer de colo de útero é um importante problema de saúde pública, sendo o terceiro tipo que mais acomete mulheres e a quarta causa de morte por câncer. A região nordeste é a segunda mais incidente. Quando diagnosticado precocemente essa doença tem grande possibilidade de cura e redução da morbimortalidade. A atenção básica deve coordenar os cuidados primários, dentre estes, o exame Papanicolau configura como forma efetiva no rastreamento e detecção precoce do câncer de colo de útero. São Félix está situado no Recôncavo Baiano com uma população feminina estimada em 3.490 (25 a 59 anos), com cobertura de 100% pela AB, sendo esta responsável pela ampliação da cobertura de serviços ofertados, estruturação do processo de trabalho e encaminhamento para outros níveis de atenção. Este relato se justifica por apresentar a experiência de uma estratégia alternativa na realização do Papanicolau na AB, possibilitando maior adesão ao exame e efetivo seguimento dos casos alterados.

Apresentar a experiência de implementação de uma estratégia inovadora na realização da coleta do exame Papanicolau e seguimento dos casos alterados na atenção básica. Trata-se de um relato de experiência realizado em São Félix-Ba, onde a partir de março de 2018, foi adotada como estratégia, a desvinculação da realização do exame papanicolau pela USF, ficando uma enfermeira responsável pela coleta nas unidades, com agendamento prévio, bem como pelos direcionamentos e seguimento dos resultados alterados. Os dados foram coletados dos registros das unidades e do SISCAN (Sistema de Informação do Câncer) referentes aos atendimentos realizados em 2018.

De acordo com dados do SISCAN, em 2017 foram coletados 1067 exames e em 2018 houve um aumento de 41,7% (1512). Os resultados apresentados nas lâminas coletadas em 2018 foram: 01 adeno carcinoma invasor, 17 lesões intraepiteliais de alto grau (II e III), 36 ASC-H (não se pode afastar lesão de alto grau), 29 lesões intraepiteliais de baixo grau (HPV e grau I), 42 ASC-US (possivelmente não neoplásicas) e 29 reatividade celular intensa/controle citológico. Dentre os 153 exames alterados (10% do total) foram gerados como seguimento, 41 biópsias, 21 leeps e 21 cauterizações. Dos resultados dos anátomopatológicos, 02 apresentaram lesões com margens comprometidas e 03 foram encaminhados ao serviço de referência de oncologia (CICAN).Por meio dessa estratégia, que oportunizou oferta regular e interlocução com a da rede de atenção à saúde, foi possível identificar um aumento significativo no número de exames realizados e, mais relevante ainda, houve o seguimento adequado e resolutivo para os casos alterados. A implementação desse serviço proporcionou um acompanhamento integral às mulheres atendidas, resultando em diagnóstico precoce das lesões em seus variados estágios, encaminhamentos necessários e tratamento oportuno.

Principal

Patricia Dolis Malatesta

pdmfonseca20@gmail.com

Coautores

Rita De Cássia Melo Dos Santos, Paula Paulina Costa Tavares, Karla Kele Castro Sampaio

A prática foi aplicada em

São Félix

Bahia

Nordeste

Instituição

Vila Residencial Quadra 10, 09, São Félix

Uma organização do tipo

Instituição Privada

Foi cadastrada por

Odilon Cunha Rocha

Conta vinculada

odiloncunharocha@hotmail.com

23 set 2023

e atualizada em

23 set 2023

Seu Período de Execução foi de

até

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Qual Significado de Morar em um Srt e A Importância da Inclusão des tes Moradores com Transtornos Mentais no Mercado de Trabalho: Relato da Experiência Vivenciada em Orindiúva
São Paulo
Práticas
Risus – de Coadjuvante A Protagonista
São Paulo
Práticas
Café com Gestantes – o Cuidado de uma Forma Integral
São Paulo
Práticas
Contratualização na Ses-Df: Resultados da Implantação de Metas nas Regiões de Saúde da Secretaria de Saúde do Df
Distrito Federal
Práticas
Novas Estratégias para o Monitoramento e A Fiscalização das Práticas de Segurança do Paciente pela Vigilância Sanitária nos Hospitais do Distrito Federal
Distrito Federal
Práticas
Biblioterapia A Psicoterapia Através da Leitura e da Escrita Literária como Método Terapêutico para Usuários da Rede de Saúde
São Paulo
Práticas
Vigilância e Controle da Febre Amarela na Coordenadoria Regional de Saúde Sul do Município de São Paulo
São Paulo
Práticas
Sucessus 2018: Nossa Equipe É Show! – Valorização do Trabalhador do SUS e das Experiências Inovadoras no Cuidado em Saúde na Região de Vila Prudente/Sapopemba, Município de Sp
São Paulo
Práticas
Experiência de des institucionalização: o Resgate da Cidadania e da Dignidade no Relato de Profissionais e Pacientes
São Paulo
Práticas
Educação Permanente em Saúde Diária como Estratégia de Sustentação na Integração Entre Equipes Técnicas Distintas – Atenção Básica e Vigilâncias
São Paulo