Olá,

Visitante

Enfrentamento aos Desafios da Baixa Cobertura Vacinal: um Relato de Experiência

Categoria não especificada

A presente pesquisa consiste em um relato de experiência fundamentado nas vivências de uma estratégia adotada no município para melhoria da cobertura vacinal na cidade de Pombal-PB. Dessa forma, podemos concluir que a vacinação é uma estratégia coletiva, assim como relata a OMS, os serviços do município devem trabalhar articulados para sensibilizar a população quando a necessidade da imunização. Além disso, ficou evidente que as baixas coberturas vacinais está ligada, em sua maioria, a pessoas assistidas por programas sociais como bolsa família, ou seja, pessoas em situação de vulnerabilidade social. E estas só procuraram colocar a caderneta de vacinação em dias por temer a perda do recurso.

Relatar as vivências da equipe de imunização da Secretaria Municipal de Saúde de Pombal-PB na adoção de estratégias diante das baixas coberturas vacinais. OBJETIVOS ESPECÍFICOS • Descrever a implantação o Termo de Quitação de Vacina para o recadastramento do Bolsa Família e matrícula escolar no município de Pombal – PB; • Relatar sobre a capacitação com a equipe de enfermagem e ACS da atenção básica; • Descrever a implantação o “vacina móvel” com vacinação itinerante pelas ruas do município de Pombal.

Quanto à metodologia, trata-se de um relato de experiência fundamentado na vivência de estratégias adotadas para melhoria da cobertura vacinal na cidade de Pombal-PB. Iniciamos a realização de reuniões intersetoriais para alinhamento com as Secretarias de Educação e Assistência Social, no qual ficou estabelecido que para realizar a matrícula da criança na escola e o recadastramento do Bolsa Família, seria necessário a apresentação do Termo de Quitação de Vacina (figura 1) expedido pela enfermeira da Estratégia de Saúde da Família que a criança pertencesse. O documento seria solicitado às crianças de 0 a 14 anos e expedido após esquema vacinal concluído. As vacinas são ofertadas de segunda-feira a sexta-feira nas Unidades Básicas de Saúde e Policlínica Municipal, e quinzenalmente aos sábados. Para melhorar a adesão da população, foi realizado um trabalho de educação permanente com enfermeiros, técnicos de enfermagem e Agentes Comunitários de Saúde (ACS). Com a equipe de enfermagem, foi realizada capacitação em sala de vacina pela empresa terceirizada “Projeto Salvar” com o multiplicador Clébson Veríssimo da Costa Pereira, no período de 06 a 27 de outubro de 2022, totalizando 80 (oitenta) horas/aulas com atualização teórico/prático sobre vacinas (figura 2). Já os ACS, tiveram capacitação em caderneta de vacinação, na qual puderam identificar as vacinas em atraso dos usurários assistidos. Dessa forma, ao implantar a obrigatoriedade do termo de quitação, tivemos ciência que as equipes estariam aptas para identificar e vacinar as crianças. No tocante à cobertura da COVID-19, diante da problemática de baixa adesão de início e conclusão de esquema vacinal, havia a resistência da população em se deslocar até os pontos de vacinação. Dessa forma, uma ambulância foi equipada, munida de um ambiente propício com ar condicionado, maca, materiais e insumos para realizar vacinas nos bairros. Assim, o município de Pombal foi a primeira cidade da 10ª e 13ª Regiões de Saúde a desenvolver essa atividade (figura 3 e 4). Por um mês, no período de 01/12/2021 ao dia 30/12/2021 foram percorridos os bairros mais vulneráveis do município, as atividades iniciavam às 17 horas e se estendiam até às 20 horas, horário estratégico, pois culminava com o fim do expediente de trabalho de alguns usuários. Ao realizar essa busca ativa de usuários, é possível interagir não só com o usuário, de maneira isolada, mas com o mundo que o cerca, seu espaço e território. Além disso, torna-se possível entender e conhecer as relações que o usuário cria com sua morada, familiares e sociedade, assim como o grau de envolvimento com os mesmos (PEREIRA, et al., 2013).

Analisando a cobertura vacinal retirados dos anos de 2022 e o primeiro bimestre de 2023, podemos identificar os dados demonstrados na tabela 1 abaixo. De acordo com a tabela acima, apenas BCG, Pneumocócica, CONJ C e Varicela tiveram cobertura vacinal maior que 90%, já outras vacinas, como Febre Amarela (FA) e Tríplice Viral (D2), não obtiveram nem 80% da cobertura vacinal. Esses dados vão de encontro com a atual situação da Paraíba e do Brasil, que também não atingiram a meta de cobertura vacinal para a maioria dos imunizantes do calendário básico infantil em 2022. A tabela 2 abaixo apresenta os dados da cobertura vacinal do ano de 2023. De acordo com os dados apresentados na Tabela 2, nesse primeiro bimestre, após a exigência do Termo de Quitação de Vacina, observamos um aumento da procura por vacinação e, consequentemente, uma melhora considerável da cobertura vacinal em alguns imunizantes, cuja meta mensal é 28 doses/mês para cada imunizante de crianças até 12 meses. Nesse sentindo, observa-se que a DTP, Febre Amarela, Hepatite A, Meningocócica C, Pneumocócica C e Tríplice Viral obtiveram mais de 100% de cobertura vacinal e as demais seguem em acessão. A queda das coberturas vacinais tem sido atribuída a diversos fatores, entre eles: o sub financiamento do Sistema Único de Saúde, problemas de gestão dos serviços, organização das salas de vacinação e da comunicação em saúde e o aumento de vacinas do calendário. Todo esse cenário acaba resultando em uma maior complexidade do programa, desde a gestão até a administração (DONALISIO MR et al., 2023). Ainda segundo os autores, outros fatores cruciais que contribuem para o contexto de queda da cobertura vacinal é a mudança do sistema de informação de dados de doses aplicadas para dados individuais, o desconhecimento da importância da vacinação, o fortalecimento dos movimentos antivacinas, e a disseminação de fake news, que juntos reforçam a hesitação em vacinar (DONALISIO MR et al, 2023). No tocante à vacinação da COVID-19, durante o período de 01/12/2021 até o dia 30/12/2021 foram registradas 5.120 pessoas vacinadas, na faixa etária de 12 a 102 anos, com esquemas de 1°; 2°; e 1° reforço, sendo respectivamente: 215 doses, 1.853 doses e 3.051 doses. Desse total geral, 30% (1.536 doses) das vacinas aplicadas foram realizados pelo “vacinamóvel”. A ideia de facilitar o acesso às vacinas aumentou em 30% o percentual de imunizados para esquemas de primeira, segunda, e 1° reforço. Nesse sentindo, constatou-se que é de suma importância ampliar as modalidades de vacinação, pois foi comprovada por meio de números, a melhoria da cobertura vacinal. CONCLUSÕES Dessa forma, podemos concluir que a vacinação é uma estratégia coletiva, assim como relata o Ministério da Saúde. Nesse sentindo, os serviços do município devem trabalhar articulados para sensibilizar a população quanto à necessidade da imunização. Ficou evidente que as baixas coberturas vacinais estão ligadas, em sua maioria, a pessoas assistidas por programas sociais como Bolsa Família, ou seja, pessoas em situação de vulnerabilidade social que só procuraram colocar a caderneta de vacinação em dias após a solicitação do setor, por temer a perda do recurso. Podemos, então, reafirmar a importância da implementação de uma estratégia de vigilância em saúde abrangente, que contemple ações intersetoriais de promoção da saúde, controle e redução das doenças e agravos à saúde, de população e ações específicas. Segundo Teixeira e Pinto (2023), essas ações voltadas aos diversos níveis de atenção do SUS tem ênfase na consolidação de uma atenção primária resolutiva, na organização de redes territorializadas de serviços de saúde e ações de comunicação em saúde, que contribuem para a consolidação de uma consciência sanitária fundamentada na valorização do conhecimento científico e no reconhecimento do direito universal à saúde, em defesa da democracia e da garantia de uma vida digna para todos os brasileiros. A utilização desses instrumentos, acoplados ao conjunto de medidas epidemiológicas utilizadas, foi fundamental na estruturação de uma consciência sanitária específica, fortalecendo a visão da vacina como um bem público, de caráter universal e equânime, incorporando às práticas do município uma visão de novas ações institucionais que gerou ótimos resultados. Contudo, percebemos que algumas pessoas ficaram na espera da vacina dentro de sua residência, perdendo o compromisso de se vacinar nas unidades básicas de saúde. As ações implantadas no município tiveram um impacto positivo e de bastante relevância para o aumento da cobertura vacinal contra a Covid-19, e o município segue se reinventando e adotando novas estratégias para melhoria da cobertura vacinal. REFERÊNCIAS DONALISIO MR et al. Vacinação contra poliomielite no Brasil de 2011 a 2021: sucessos, reveses e desafios futuros. Ciência & Saúde Coletiva, v. 28, n. 2, 2023. Disponível em: https://www.scielosp.org/pdf/csc/2023.v28n2/337-337/pt acesso em 10 maio 2023. MACIEL, E. et al. A campanha de vacinação contra o SARS-CoV-2 no Brasil e a invisibilidade das evidências científicas, Ciência & Saúde Coletiva, v. 27, n. 3, 2022. Disponível em: https://www.scielosp.org/pdf/csc/2022.v27n3/951-956/pt, Acesso em 01 maio 2023. PEREIRA, M.O. et al. Busca ativa para conhecer o motivo da evasão de usuários em serviço de saúde mental, ACTA Paulista de Enfermagem, v. 25, n. 5. 2013. Disponível em: https: //www.scielo.br/j/ape/a/PnCzppCWLzFFFKrfqhtNTcx/abstract/?lang=pt. Acesso em 22 maio 2023. TEIXEIRA, C. P.; PINTO, I. C. M. Análise de modelos e estratégias de vigilância em saúde da pandemia da COVID-19. Ciência & Saúde Coletiva, v. 28, n. 2, 2003. Disponível em: https://www.scielo.br/j/csc/a/GW3LSzZysCLTcNxdgBkvSbT/?lang=pt#. Acesso em 22 de maio 2023. TEMPORÃO, J. G. O Programa Nacional de Imunizações (PNI): origens e desenvolvimento. História, Ciência e Saúde, v. 10, 2003. Disponível em: https://www.scielo.br/j/hcsm/a/XqLKLcj6NYjHdywSF6XPRZs/?lang=pt. Acesso em 22 maio 2023.

Principal

Rayane Pereira Bandeira

Coautores

Andreza Charlyane Neves Ferreira de Melo , Mayara Pereira Bandeira, Fabiana dos Santos Lins, Nome Maria Rita Alves Lopes, Lucimeire da Costa Ribeiro

A prática foi aplicada em

Região

Instituição

Endereço

Uma organização do tipo

Instituição Privada

Foi cadastrada por

Conta vinculada

ideiasus@gmail.com

A prática foi cadastrada em

23 dez 2023

e atualizada em

23 dez 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

Você pode se interessar também

Práticas
Ações intersetoriais: integrando estratégias no combate às arboviroses na cidade de Belém do Brejo da Cruz (PB)
Paraíba
Práticas
Os caminhos para alcançar os indicadores de desempenho do Previne Brasil pelo município de Bom Jesus (PB)
Paraíba
Práticas
Re(h)abilitando a interdisciplinaridade e o cuidado na atenção primária à saúde
Paraíba
Práticas
ADESÃO DAS GESTANTES AO PRÉ-NATAL ODONTOLÓGICO: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE
Paraíba
Práticas
A PRÁTICA DE PRIMEIROS SOCORROS NO CONTEXTO DE UM CURSO TÉCNICO PARA AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE
Paraíba
Práticas
Vacinação nos espaços de formação: experiência no 2º Congresso Nordestino de Pediatria
Paraíba
Práticas
A (in) visibilidade de quem está em situação de rua: caminhos possíveis para cuidado em saúde
Paraíba