Olá,

Visitante

Desenvolver Com mais Saúde

Categoria não especificada

Visando mitigar a hesitação vacinal, o presente projeto criou carimbos para cada faixa etária vacinal das crianças, a serem carimbados na caderneta de Saúde da Criança, carimbado pelo profissional da saúde. A criança no ato da matrícula na escola ou na creche apresenta a Caderneta de Saúde da Criança e o profissional da educação consegue identificar caso esteja com o esquema vacinal incompleto de acordo com a faixa etária e avisa o posto de saúde, deste modo um agente de saúde é acionado para ir até a residência da família e verificar a situação.

Aumentar a cobertura vacinal das crianças Identificar localidades com maior número de crianças não vacinadas Fortalecer a imunização local por meio de parceria com a Secretaria de educação

Foram elaborados 13 carimbos para atestar que a criança está com a imunização em dia, 12 deles referentes a vacinação específica de cada faixa etária e um 13 referente a vacinação de COVID-19. Os carimbos elaborados são com as seguintes faixas etárias: 2 meses;3 meses; 4 meses; 5 meses; 6 meses; 9 meses; 1 ano; 1 ano e 3 meses; 4 anos; 9 anos – HPV; 10 anos; 15 anos Conforme a criança vai ao posto para se vacinar a pessoa responsável verifica nas anotações da caderneta de Saúde da Criança se todas as vacinas estão em dia, se estiver com todas as vacinas em dia o aplicador irá carimbar na aba de anotações. As escolas municipais, no ato de matrícula, exigem a caderneta de vacinação como um dos documentos obrigatórios. Os professores recebem a devida capacitação de que cada faixa etária deve estar com o seu respectivo carimbo na aba de anotações, em dia. Caso não esteja em dia, a escola orienta os pais para que os mesmos procurem um posto de saúde e façam a atualização vacinal da criança, em acordo com sua faixa etária. Além disso, o posto de saúde também é acionado avisando das crianças que não estejam com a caderneta atualizada, para que o agente comunitário de saúde possa verificar com a família posteriormente as razões da não completude do esquema vacinal.

O presente projeto está na fase de implementação e não conseguimos aplicar o monitoramento da caderneta de saúde no ato da matrícula, porém as perspectivas são muito positivas. Uma positiva adesão ao projeto significa uma possível melhora na cobertura vacinal e também um melhor entendimento das razões de ausência do esquema vacinal completo com as crianças do município. Esse levantamento é importante porque podemos também planejar ações de educação em saúde e intensificar campanhas de vacinação (caso seja necessário) em localidades com muitas crianças fora do esquema completo. Ações de educação em saúde localizadas podem ter o efeito mitigador na hesitação vacinal

Principal

Ana Paula Dias Fietto

Coautores

Dhiordan Deon Lovestain Costa, Clara Helaine de Assis Moreira, Júlia Adrielle Coelho Santana

A prática foi aplicada em

Região

Instituição

Endereço

Uma organização do tipo

Instituição Privada

Foi cadastrada por

Conta vinculada

ideiasus@gmail.com

A prática foi cadastrada em

23 dez 2023

e atualizada em

23 dez 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

Você pode se interessar também

Práticas
Ações intersetoriais: integrando estratégias no combate às arboviroses na cidade de Belém do Brejo da Cruz (PB)
Paraíba
Práticas
Os caminhos para alcançar os indicadores de desempenho do Previne Brasil pelo município de Bom Jesus (PB)
Paraíba
Práticas
Re(h)abilitando a interdisciplinaridade e o cuidado na atenção primária à saúde
Paraíba
Práticas
ADESÃO DAS GESTANTES AO PRÉ-NATAL ODONTOLÓGICO: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE
Paraíba
Práticas
A PRÁTICA DE PRIMEIROS SOCORROS NO CONTEXTO DE UM CURSO TÉCNICO PARA AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE
Paraíba
Práticas
Vacinação nos espaços de formação: experiência no 2º Congresso Nordestino de Pediatria
Paraíba