Olá,

Visitante

Vivências na Realidade do SUS

INTRODUÇÃO: A saúde coletiva compõe um campo de conhecimento com ações interdisciplinares que têm em vista a saúde da população. Faz-se necessária uma adequada conscientização dos trabalhadores, gestores e docentes universitários para a mudança de atitude na área de saúde para que se aprenda a pensar em termos coletivos e a priorizar as questões sociais, participativas e ambientais. A constituição e implementação do Sistema Único de Saúde (SUS) proporcionou a criação de novos cenários e possibilidades que exigem estratégias de formação que tenham como referência os princípios éticos da universalidade, da equidade e da integralidade na assistência. Assim, revela-se a necessidade de se discutir a reorientação da formação em saúde que expresse o atendimento dos interesses públicos no cumprimento das responsabilidades de formação acadêmico-científica, ética e humanista para o exercício profissional. A formação em saúde continua sendo, reconhecidamente, área crítica do processo de reorientação do setor. A construção do Sistema Único de Saúde evidencia antigos problemas e coloca novos desafios ao processo de formação de pessoal. Uma das estratégias na construção de maiores compromissos das universidades com o SUS, no contexto nacional, tem sido a realização de estágios de vivências em sistemas locais de saúde. Estes constituem importantes dispositivos que permitem ao estudante experimentar um novo espaço de aprendizagem, que é o cotidiano de trabalho dos serviços de saúde, entendido enquanto princípio educativo que possibilita a formação de profissionais comprometidos ético e politicamente com as necessidades de saúde da população. As Vivências e Estágios na Realidade do Sistema Único de Saúde (VER-SUS) é um projeto destinado a estudantes da área da saúde baseado em uma metodologia ativa de ensino-aprendizado e tem como principal característica a interação de equipes multidisciplinares. O projeto VER&ndash SUS surgiu no Rio Grande do Sul, em julho de 2002, e representou a ampliação da experiência de estágio e vivência na área da saúde, de forma interdisciplinar, agregando diferentes cursos. Desde suas propostas iniciais, o VER&ndash SUS se apoiou na parceria entre Ministério da Saúde e movimento estudantil dos cursos da área da saúde, formando uma interação político-social entre grupos dessa área.O Projeto VER-SUS/Brasil destina-se aos estudantes universitários brasileiros da área de Saúde. A Resolução 287/98 do Conselho Nacional de Saúde define as seguintes carreiras como profissões de saúde para fins de elaboração das Diretrizes Políticas da Gestão em Políticas de Saúde: Biologia Biomedicina Educação Física Enfermagem Farmácia Fisioterapia Fonoaudiologia Medicina Medicina Veterinária Nutrição Odontologia Psicologia Serviço Social e Terapia Ocupacional. A estes foram acrescidos os cursos de Administração Hospitalar e Administração de Sistemas e Serviços de Saúde, totalizando 16 profissões da saúde envolvidas com o VER-SUS/Brasil. Também é prevista a possibilidade de participação limitada de estudantes universitários de outros cursos e de outros países.As experiências realizadas nos programas de aprendizagem direcionam-se para o processo ensino-aprendizagem resultando em uma articulação de educação profissional vinculado à realidade social. Isso cria um elo de teoria x prática nas experiências dos acadêmicos.JUSTIFICATIVA:O Estágio de Vivências no Sistema Único de Saúde consiste em um processo educativo transdisciplinar oferecido de forma complementar aos currículos dos estudantes de graduação da área da saúde. A partir das vivências na realidade do SUS de um determinado município e das experiências individuais, pretende construir de forma conjunta com os participantes uma visão comprometida com a transformação desta realidade. Esta aproximação ensino/serviço possibilita um espaço de observação e de discussão sobre programação de vivência no município de imersão, onde os estudantes permanecem por quinze dias conhecendo os serviços de saúde pública, além de permitir que estudantes de vários cursos, universidades e cidades diferentes possam estar compartilhando experiências, sendo o processo de aprendizagem realizado de forma coletiva e a partir de uma realidade concreta. Diante disso a importância do Estágio de Vivências no SUS, que permite aos estudantes de graduação participar de um processo educativo transdisciplinar que por meio das vivências no sistema e das experiências individuais constroem de forma coletiva um comprometimento com a transformação desta realidade, enquanto futuros profissionais de saúde. OBJETIVOS: Relatar a experiência vivenciada no Sistema Único de Saúde (SUS), por intermédio do Projeto VER-SUS, versão inverno 2013, no município de Paragominas-Pará Ressaltar a importância do projeto para a formação acadêmica. DESCRIÇÃO: A experiência relatada ocorreu durante o Estágio de Vivências no período de 25 a 31 de agosto de 2013, no município de Paragominas-PA. As atividades desenvolvidas durante o Estágio foram estabelecidas mediante um cronograma construído por um representante da Secretaria Municipal de Saúde de Paragominas e o mediador (facilitador) de aprendizagem. As atividades agendadas contemplaram visitas diárias aos serviços de saúde do município nos três níveis de assistência: primária, secundária e terciária, compreendendo assim desde a Gestão, Atenção Básica através das Unidades de Saúde da Família serviços ambulatoriais especializados: Centro de Atenção Psicossocial (CAPS), Centro de Testagem e Aconselhamento (CTA) serviços pré-hospitalares e hospitalares: central de regulação, hospital municipal de Paragominas departamento de vigilância sanitária e o controle social / participação popular através da visita realizada ao Conselho Municipal de Saúde e visitas a comunidade. Os estagiários nos serviços de saúde, através de roteiros para orientação, realizavam entrevistas semi-estruturadas, com os profissionais e usuários dos serviços. O grupo constituído de 10 estagiários e um mediador de aprendizagem, diariamente realizava observações referentes à realidade do SUS, discutia as informações colhidas. Após cada visita aos serviços de saúde, havia um momento de socialização das observações e reflexões das situações encontradas. Durante as reuniões eram enfatizados os principais eixos temáticos: Políticas de Saúde, Modelos de Atenção, Formação em Saúde e Controle Social/Participação Popular. As análises e discussões eram norteadas com ênfase na observação quanto à formação dos profissionais, conhecimento dos usuários a cerca do Sistema, atendimento humanizado e formação continuada. Era possível visualizar durante as discussões a gama de aprendizagem adquirida diante da visão de cada estagiário e, principalmente a visão multiprofissional, isso possibilitava a articulação entre o conhecimento adquirido no curso de graduação de todos os estagiários à realidade encontrada diante as atividades desenvolvidas no estágio, de modo que provocasse uma reflexão crítica acerca do processo de reorientação da formação em saúde. Durante as visitas era notório o incômodo por partes dos profissionais e gestores das unidades, uma vez que viam os estagiários como fiscais de seus serviços. Essa situação evidencia a falta da participação popular na construção do sistema, afinal os usuários são sim fiscais destes serviços. Sabe-se que a maior participação dos usuários não assegura à redução das inquidades na promoção de cuidados a saúde para a população. No entanto essa consolidação através de fóruns participatórios, e de controle social vem garantir a população sua representação no sistema político, bem como auxiliar para a democratização de instituições brasileiras. Além das visitas foram propostas pela mediação de aprendizagem, a realização de dinâmicas em grupos, a fim de discutir as temáticas, os problemas e possíveis soluções para o que foi visualizado. A experiência como estagiária contribuiu, positivamente, para a minha formação, pois permitiu, a partir das vivências na realidade do SUS, um aprofundamento de aspectos teóricos relacionados às Políticas Públicas de Saúde, Modelos de Atenção à Saúde e Formação em Saúde bem como a articulação na prática. E, também permitiu desempenhar papéis de pró-atividade, acolhimento, criatividade e motivação para o desempenho desta função e o fortalecimento da prática multiprofissional e interdisciplinar.

Relatar a experiência vivenciada no Sistema Único de Saúde (SUS), por intermédio do Projeto VER-SUS, versão inverno 2013, no município de Paragominas-Pará Ressaltar a importância do projeto para a formação acadêmica.

Principal

Priscila Cristina de Sousa

A prática foi aplicada em

Belém

Pará

Norte

Endereço

Uma organização do tipo

Instituição pública

Foi cadastrada por

Priscila Cristina de Sousa

ideiasus@gmail.com

02 jun 2023

e atualizada em

14 set 2023

Seu Período de Execução foi de

até

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Oficina de Culinária Afeto e Sabor
Paraíba
Práticas
Aproximando a Comunidade com a Gestão da Atenção Primária em Saúde
Rio de Janeiro
Práticas
Gestão Estratégica e Participativa no SUS: Implantando Novas Instâncias Deliberativas no Município Paulo Jacinto – Al
Alagoas
Práticas
Visita Domiciliar ao Usuário do SUS com Demanda Judicial
Ceará
Práticas
Importância da Conferência Municipal de Saúde para o Fortalecimento da Participação da Comunidade na Defesa do SUS.
Paraíba
Práticas
Participação Popular na Estratégia Saúde da Família em Petrópolis-Rj
Rio de Janeiro
Práticas
Roda de Conversa com As Famílias: Cuidando de Quem Cuida
Rio de Janeiro
Práticas
Implantação de Colegiado Gestor nas Unidades de Saude da Família de Japeri-Rj
Rio de Janeiro
Práticas
Controle Social e Saúde do Trabalhador: a Experiência Regional do Conselho Gestor do Cerest- Pólo Duque de Caxias – Rj
Rio de Janeiro
Práticas
A Experiência do 1º Curso de Capacitação para Conselheiros de Saúde e Membros das Comissões Intersetoriais de Saúde do Trabalhador (Cists) Sobre a Temática da Saúde do Trabalhador do Cerest- Pólo Duqu
Rio de Janeiro