Olá,

Visitante

Tô Certo ou Tô Errado – Projeto de Comunicação e Prevenção As Dst/Aids

FINALIDADE DA EXPERIÊNCIA: Por ser um município de pequeno porte, que apresenta nível socioeconômico baixo, adolescentes e jovens que apresentam um baixo nível socioeconômico são mais susceptíveis as infecções sexualmente transmissíveis. Devido ser uma cidade turística com aumento significativo da população entre os meses de junho a setembro o exercício inconsequente da sexualidade, o abuso de drogas licitas e ilícitas, a prostituição disfarçada em favores ou presentes, e desconhecimento de casos de HIV/AIDS no município, traz uma falsa sensação de segurança e que a possibilidade de casos que venham a ocorrer tornem-se nula.Este projeto visou promover a saúde sexual dos adolescentes com o intuito de reduzir a vulnerabilidade e riscos dos adolescentes e jovens frente as DST/HIV no município de Araguanã/TO. DINÂMICA E ESTRATÉGIAS DOS PROCEDIMENTOS USADOS: As atividades foram realizadas nas Escolas Estaduais Machado de Assis e São Pedro com alunos do sexto ao nono ano e Ensino Médio. Foram escolhidos dois representantes de cada turma para que participassem de palestras, rodas de conversa dando os direcionamentos para execução do projeto, que é a confecção de banners, panfletos e calendários que serão trabalhados nas ações em saúde desta secretaria.INDICADORES/VARIÁVEIS/COLETA DE DADOS:Os indicadores utilizados serão:Nº de participantes das oficinas sobre DST/AIDS

A adolescência caracteriza-se por uma instabilidade de humor, efeito de confusão hormonal inerente a fase de transformação do corpo, fato que provoca certo susto em determinada ordem instituída (contra a qual ele, justamente, tenta se rebelar). Provavelmente, esse movimento é que leva ao adolescente questionar valores sociais para ele ultrapassados, a prática de violência, o abuso de drogas, o uso de sua sexualidade de forma inconsequente e tantas outras atitudes mais ou menos extremas. Há de se considerar que a sexualidade é, sobretudo, uma construção social, cultural, organizada no interior de complexos sistemas de significados, articulada dentro de um contexto de diferenciações e desigualdades sociais de ordens sociais específicas. Uma dificuldade ao se trabalhar com adolescentes está relacionada com a rejeição de qualquer forma de conhecimento que queira impor ou mesmo dispor (ainda que a seu pedido), rejeitando o conhecimento acumulado pelos mais velhos e priorizando o seu próprio.As DST’s representam um grave problema de saúde pública por suas repercussões médicas, sociais e econômicas. São também um fator de diminuição da fertilidade e incidência de casos de mães que perdem seus bebês. Os casos de doenças sexualmente transmissíveis vêm aumentando em todo o mundo entre adolescentes e os números divulgados estão bem abaixo das estimativas. Isso porque apenas a AIDS e a sífilis são de notificação compulsória, ou seja, têm que ser avisadas de que estão acontecendo.Este projeto nasce da necessidade de realizar ações integrais de prevenção e proteção a infecção por HIV/DST, promoção da saúde, da descentralização e divulgação das atividades elegendo dois campos de atuação como espaço que privilegie a identificação das populações vulneráveis, como também a inserção de atores da sociedade civil no processo de comunicação sobre infecção e condutas para portadores e não portadores de HIV/DST no município. Adolescentes e jovens apresentam vulnerabilidade ao risco de transmissão/aquisição de doenças sexualmente transmissíveis devido ao uso inadequado do preservativo, associado às práticas sexuais com múltiplos parceiros e o uso menos frequente do preservativo nas relações sexuais com parceiros fixo do que com parceiros eventuais (não fixo). Ocorre também, principalmente entre as mulheres, a chamada “confiança no parceiro”, o “parceiro não aceita” o uso do preservativo em comparação ao homem. Encontra-se ainda a subalternidade na relação da mulher com o homem, e quando envolve o afeto é comum à sensação de invulnerabilidade, o “amor garante a proteção”.

Ações de conscientização e debates com a comunidade com o intuito de promoção de agentes multiplicadores vêm fortalecer a troca de conhecimento de modo menos formal e facilitar a disseminação do conhecimento de proteção e prevenção as DST/HIV.Faz-se necessário envolver os adolescentes e jovens em uma dinâmica onde eles assimilem saberes de forma informal e não obrigatória, favorecendo um aprendizado agradável e sem imposições, apenas colocando à sua disposição e estimulando suas habilidades. Não basta apenas informá-los é necessário que tomem consciência dos riscos que correm e do que devem fazer para evitá-los, devemos utilizar de outras formas de abordagem e de linguagem – mais lúcida e dinâmica, evitando as ações convencionais de comunicação e educação em saúde como por exemplo, a distribuição de folhetos informativos que não é tão eficaz. A formação de monitores auxilia no processo de disseminação da informação de forma mais eficiente e eficaz, fazendo com que este esteja ao alcance de um público maior e desmistificando informações errôneas adquiridas anteriormente. Atuar de forma a incentivar ações mais abstratas e em conjunto com a escola pode ajudar ao adolescente a ter uma visão positiva de sua sexualidade.

Principal

Fabrício Alves Segura

A prática foi aplicada em

Araguanã

Tocantins

Norte

Instituição

Av. Aureliano Ribeiro S/N, Centro

Uma organização do tipo

Outra

Foi cadastrada por

Fabrício Alves Segura

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

04 dez 2015

e atualizada em

14 set 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Acesso facilitado ao mamógrafo itinerante: identificação precoce do câncer de mama
Paraíba
Práticas
O Papel do Samu na promoção em saúde com educadores e cuidadores de crianças com TEA
Paraíba
Práticas
Caminhos estratégicos da APS frente a cobertura vacinal no município de Bernardino Batista
Paraíba
Práticas
projeto interagir sorrindo
Rio de Janeiro
Práticas
PROJETO PRIMEIROS SOCORROS E PREVENÇÃO DE ACIDENTES NAS ESCOLAS – LEI LUCAS
Rio de Janeiro
Práticas
Consciência Vacinal: fortalecendo as estratégias e combatendo a desinformação para o cumprimento do calendário de vacinação de crianças no município de São Francisco-PB.
Paraíba