Olá,

Visitante

Tecendo Redes: a Regulação Como Articuladora da Alta Responsável do Usuário Pós-Covid-19.

Nos últimos anos temos vivenciado significativos avanços no que tange ao Sistema Único de Saúde (SUS). Contudo, torna-se cada vez mais evidente a dificuldade em superar a intensa fragmentação das ações e serviços de saúde e em concretizar a articulação da Rede de Atenção à Saúde (RAS). Tendo em vista a complexidade do cenário da pandemia em decorrência do Covid-19 e, considerando o princípio da integralidade do SUS, o Departamento de Planejamento, Controle, Avaliação, Auditoria e Regulação (DPCAR), por meio da Coordenação de Regulação (COREG) da Secretaria de Saúde de Angra dos Reis/RJ implementou o projeto da Alta Responsável do Usuário Pós Covid-19, destacando a potencialidade da regulação assistencial em integrar os diferentes níveis de atenção, a partir da organização do acesso com foco nas necessidades do usuário. Tal estratégia justifica-se pela importância da continuidade da assistência ao usuário após internação por formas graves da infecção pelo coronavírus, diante de uma doença nova, com diferentes manifestações clínicas, complicações e demandas de acompanhamento. As ações estartadas imediatamente após a alta hospitalar contribuem para a prevenção de possíveis complicações e de reinternações, promovendo a inserção precoce deste usuário nos diversos pontos da RAS na perspectiva da manutenção do atendimento à linha de cuidado, até sua plena recuperação.A prática teve início a partir de uma reunião do Gabinete de Crise para Enfrentamento do Coronavírus, em Junho/2020 onde, superadas as etapas de planejamento e estruturação dos Centros de Atendimento e da ampliação da oferta de leitos clínicos e de UTI para atendimento às pessoas com Covid-19, tornou-se evidente a necessidade de implementar ações capazes de articular a continuidade do cuidado após alta.O processo de articulação elaborado pela Regulação Assistencial em parceria com a RAS compreendeu as seguintes etapas: Planejamento estratégico situacional envolvendo os três níveis de atenção à saúde

O estudo em questão traduz o relato de experiência da Regulação Assistencial de Angra dos Reis/RJ como articuladora de estratégias destinadas a assegurar a alta responsável do usuário Pós-Covid-19 e tem como objetivos:Objetivo geral:Planejar a alta do usuário Pós-Covid-19, tendo a regulação assistencial como articuladora de estratégias que favorecem a continuidade do cuidado, mediante o acesso aos diversos pontos da RAS, em tempo oportuno.Objetivos específicos:- Responsabilizar a equipe pelo planejamento da alta

Podemos concluir que a Alta Responsável é um processo de extrema importância na garantia da continuidade do cuidado na RAS. Porém, permeia vários desafios, especialmente quando consideramos uma doença nova e complexa, que apresenta uma variedade de condições clínicas que vão desde infecções assintomáticas a quadro graves.A pandemia trouxe com ela novas demandas para o setor saúde e, a incipiência de critérios e parâmetros para subsidiar o planejamento das ações e serviços de saúde, provocou nos gestores do SUS a necessidade de reinventar a lógica da programação da assistência e implementar ações para melhorar o acesso.Nesse contexto e, considerando o perfil da Regulação Assistencial em promover os princípios da equidade e da integralidade do cuidado, destaca-se o papel da regulação como articuladora da alta segura dos usuários Pós-Covid-19, favorecendo o atendimento da linha de cuidado e a inserção destes nos diversos pontos da rede.Inúmeros são os benefícios oriundos dessa ação, como: o fortalecimento da comunicação na RAS, o foco no olhar preventivo, o apoio técnico especializado, a redução do tempo de permanência no hospital, o conforto do usuário e sua família, a prevenção de complicações e a redução de reinternações.

Principal

Luciana Rossinol Silva

lurossinol@yahoo.com.br

A prática foi aplicada em

RJ

Rio de Janeiro

Sudeste

Instituição

Angra dos Reis

Uma organização do tipo

Instituição pública

Foi cadastrada por

Luciana Rossinol Silva

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

07 jun 2016

e atualizada em

14 set 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Ideação suicida e tentativas de suicídio: uma análise de casos do SAMU 192 no interior do estado do RJ.
Rio de Janeiro
Práticas
Samuzinho: Educação em saúde e primeiro socorros na escola para a promoção do SAMU 192.
Rio de Janeiro
Práticas
Implantação do programa de gestão transparente do tempo resposta no SAMU 192: uma missão desafiadora
Rio de Janeiro
Práticas
Verde, amarelo e vermelho: protocolo de classificação das consultas por grau de prioridade no Centro Especializado de Saúde de Quissamã (RJ)
Rio de Janeiro
Práticas
Indicadores para monitoramento das ações de promoção e atenção a saúde do homem em Petrópolis
Rio de Janeiro
Práticas
Fluxo dos pacientes oncológicos atendidos na UNACON da região Noroeste – RJ
Rio de Janeiro