Olá,

Visitante

Participação Social no Campo da Saúde Mental

Estes espaços de trocas e participação se dão quando os usuários dos serviços de saúde mental são chamados a falar do seu cotidiano, a pensar junto com os profissionais sua forma de cuidado, que vai do saber dito científico ao saber trazido por eles mesmos e pela comunidade, visando a possibilidade de apropriar-se do lugar de sujeito da comunidade[1], problematizado por Goís ( 2008). Nesta pesquisa fizemos uma análise das compreensões dos usuários dos centros de atenção psicossocial CAPS sobre atenção em saúde mental. Trata-se de um estudo de abordagem qualitativa, que tem como referencial de análise os pontos de vista da Hermenêutica, de Paul Ricoeur, balizada por meio dos quatro ensaios evidenciados pela Teoria de Interpretação: a linguagem como discurso, a fala e a escrita, a metáfora e o símbolo, a explicação e a compreensão os teóricos do campo da saúde mental, especialmente os implicados com o movimento da Reforma Psiquiátrica. Os conteúdos para constituição das unidades temáticas foram escolhidos após as entrevistas, em forma de textos narrativos. Aplicou-se, também, a técnica do Círculo Hermenêutico Dialético (CHD), do método pluralista construtivista ou de quarta geração, de Guba e Lincoln (1989), do que participaram 12 entrevistados que se entrelaçam à medida que transcorre a circularidade do procedimento. As categorias temáticas trabalhadas foram: percursos para temática da atenção em saúde mental os tempos quebrados: conflitos entre as ofertas e as necessidades subjetivas de receber aproximações e distanciamentos, entre a tutela e a autonomia ausência e pertença CAPS aberto e não comunitário entre o estigma e a humanização do cuidado. Os principais achados: os CAPS são vistos como espaço de convivência capaz de estabelecer redes afetivas e sociais estigmas, preconceitos e tutela estão presentes nos serviços, nas famílias e na comunidade as práticas manicomiais persistem nos serviços substitutivos a humanização do cuidado amplia o acesso e o vínculo com os serviços a trajetória dos usuários no SUS ocorre devido às suas necessidades sociais e de saúde. Das diversas possibilidades de análises dos dados encontrados, pretendemos focar neste trabalho a temática da articulação entre as possibilidades de participação social dos usuários do campo da saúde mental e a relação com as práticas manicomiais que persistem nos serviços substitutivos propostos pela rede atenção psicossocial. [1] O que distingue o sujeito da comunidade do indivíduo submisso e dependente que ali vive é que o primeiro tem uma consciência transitiva que lhe permite melhor compreender o modo de vida de sua comunidade e de si mesmo, além de reconhecer seu valor e poder para desenvolvê-la e desenvolver-se como sujeito comunitário.( Goís, 2008,p.96).

Práticas manicomiais: barreiras para participação social. As várias facetas da lógica manicomial que atravessa as saberes e práticas cotidianas nos serviços ofertados pela a rede de atenção psicossocial, levantadas a partir dos meados dos anos 70, com o início do Movimento Nacional da Luta Antimanicomial, têm exercido dupla função: barreiras para participação social das pessoas que passam por sofrimento mental e ao mesmo tempo fonte de luta por direitos básicos no Sistema Único de Saúde e nas demais políticas públicas no Brasil, visando a superação da cultura manicomial.

Principal

Raimunda Félix de Oliveira

A prática foi aplicada em

Acopiara

Ceará

Nordeste

Instituição

Endereço

Uma organização do tipo

Instituição pública

Foi cadastrada por

Raimunda Félix de Oliveira

Conta vinculada

ideiasus@gmail.com

A prática foi cadastrada em

02 jun 2023

e atualizada em

14 set 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Intersetorialidade: Concepção Ampliada de Saúde nas Ações do Conselho Local de Saúde das Gramas – Castro /Pr
Paraná
Práticas
Pré Conferências Locais de Saúde: “Um Exemplo de Democracia na Saúde de Porto Velho, Rondônia.#
Rondônia
Práticas
Conferências Municipais de Saúde: Importância do Apoio Matricial no Fortalecimento do Controle Social e Espaços de Gestão.
Paraíba
Práticas
Educação Popular em Saúde: Estratégia de Gestão Participativa
Ceará
Práticas
Implantação do Conselho Gestor
Bahia
Práticas
Os avanços do Conselho Municipal de Saúde de Macau
Rio Grande do Norte
Práticas
Participação Comunitária na Estratégia Saúde da Família do Abapã no Município de Castro – Paraná
Paraná
Práticas
Espaços de Cidadania: a Implantação das ouvidorias Municipais na 18ª Região de Saúde do Estado do Ceará
Ceará
Práticas
Redefinição da Lei Regulamentar do Conselho Municipal de Saúde de Santa Maria de Jetibá-Es por Meio das Rodas de Educação Permanente.
Espírito Santo