Olá,

Visitante

Gestão Estratégica e Participativa no SUS: Implantando Novas Instâncias Deliberativas no Município Paulo Jacinto – Al

ObjetivosHumanizar a gestão municipal de saúde, por meio da intensificação do processo de Gestão Estratégica e Participativa, qualificando democraticamente os serviços. MetodologiaA roda de conversa é realizada mensalmente em uma microárea, na residência do usuário indicado pelo agente comunitário de saúde. Comparece a essa discussão: gestor de saúde, coordenadores e profissionais da UBS. Durante a ocasião é fornecida informações sobre os serviços e fluxos da atenção básica, bem como os de maior complexidade. É gerado um cenário discursivo. Os usuários são convidados a expressar as contrariedades encontradas no processo. Após a vivência, as demandas são encaminhadas ao Comitê Interdisciplinar de Saúde, composto por membros das categorias profissionais de diversos níveis.

A concretização do controle social no SUS é vista como uma forma de transformar as ações de saúde. Para isso, a gestão deve ter como princípio a valorização da participação social através da implementação de estratégias que visem o acesso popular aos processos gerenciais. (BRASIL, 2009 COELHO 2012). A Lei 8.142/90 (Brasil, 1990), discorre sobre a participação da comunidade na gestão do SUS, através da criação de Conferências e Conselhos de Saúde, promovendo um sistema participativo, apoiado nos princípios ideológicos do SUS. Diante de tal importância o município de Paulo Jacinto-AL, vincula a esse processo a criação de duas instâncias deliberativas que buscam acolher e analisar os problemas locais, propondo soluções voltadas à melhoria da assistência, tais como: encontro denominado Rodas de Conversa, de caráter integrador da gestão com a comunidade seguido por reuniões do Comitê Interdisciplinar de Saúde, de cunho estratégico, que objetiva solucionar entraves apontados pela comunidade.

Portanto o atendimento da demanda da comunidade garante o acesso do usuário à gestão, em tempo que o comitê interdisciplinar de saúde, direciona ações para as necessidades singulares das microáreas de saúde, contribuindo diretamente para o fortalecimento do controle social nas rotinas gerenciais. Dessa forma, a inter-relação entre as duas instâncias promove a qualificação do processo de trabalho, tornando as ações de saúde mais humanizadas, democráticas e efetivas.

Principal

Thécio Canuto Ferreira

A prática foi aplicada em

Alagoas

Nordeste

Instituição

Paulo Jacinto

Uma organização do tipo

Instituição pública

Foi cadastrada por

Ideiasus/Fiocruz, Conasems

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

02 jun 2023

e atualizada em

14 set 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Avaliação da Qualidade e Satisfação do Usuário do SUS com os Hospitais Conveniados
Mato Grosso
Práticas
Análise Institucional dos Conselhos de Saúde de Joinville
Santa Catarina
Práticas
Condições do financiamento em saúde nos municípios de Pernambuco
Pernambuco
Práticas
Conhecendo a Realidade de Saúde de Trabalhadores na Agricultura por Meio de Escutas Itinerantes
Distrito Federal
Práticas
Gestão Estratégica e Participativa no SUS: Relato de Experiência da Implantação dos Conselhos Distritais e Locais de Saúde em João Pessoa ? Pb.
Paraíba
Práticas
Organização do Sistema Loco-Regional das Pacientes com SUSpeita de Câncer de Mama no Hospital Regional de Cotia
São Paulo
Práticas
A Arte da Escuta
São Paulo
Práticas
A Pesquisa de Satisfação dos Usuários SUS em Hortolândia: o Fortalecimento da Participação Popular
São Paulo
Práticas
Ouvidoria Ghc – Espaço de Escuta e de Participação Popular
Rio Grande do Sul
Práticas
Educação Popular, Saúde e Participação Popular: Relato de Experiência de Projeto de Intervenção de Estudantes de Medicina em uma Comunidade
Paraíba