Olá,

Visitante

Gestão Estratégica e Participativa no SUS: Implantando Novas Instâncias Deliberativas no Município Paulo Jacinto – Al

ObjetivosHumanizar a gestão municipal de saúde, por meio da intensificação do processo de Gestão Estratégica e Participativa, qualificando democraticamente os serviços. MetodologiaA roda de conversa é realizada mensalmente em uma microárea, na residência do usuário indicado pelo agente comunitário de saúde. Comparece a essa discussão: gestor de saúde, coordenadores e profissionais da UBS. Durante a ocasião é fornecida informações sobre os serviços e fluxos da atenção básica, bem como os de maior complexidade. É gerado um cenário discursivo. Os usuários são convidados a expressar as contrariedades encontradas no processo. Após a vivência, as demandas são encaminhadas ao Comitê Interdisciplinar de Saúde, composto por membros das categorias profissionais de diversos níveis.

A concretização do controle social no SUS é vista como uma forma de transformar as ações de saúde. Para isso, a gestão deve ter como princípio a valorização da participação social através da implementação de estratégias que visem o acesso popular aos processos gerenciais. (BRASIL, 2009 COELHO 2012). A Lei 8.142/90 (Brasil, 1990), discorre sobre a participação da comunidade na gestão do SUS, através da criação de Conferências e Conselhos de Saúde, promovendo um sistema participativo, apoiado nos princípios ideológicos do SUS. Diante de tal importância o município de Paulo Jacinto-AL, vincula a esse processo a criação de duas instâncias deliberativas que buscam acolher e analisar os problemas locais, propondo soluções voltadas à melhoria da assistência, tais como: encontro denominado Rodas de Conversa, de caráter integrador da gestão com a comunidade seguido por reuniões do Comitê Interdisciplinar de Saúde, de cunho estratégico, que objetiva solucionar entraves apontados pela comunidade.

Portanto o atendimento da demanda da comunidade garante o acesso do usuário à gestão, em tempo que o comitê interdisciplinar de saúde, direciona ações para as necessidades singulares das microáreas de saúde, contribuindo diretamente para o fortalecimento do controle social nas rotinas gerenciais. Dessa forma, a inter-relação entre as duas instâncias promove a qualificação do processo de trabalho, tornando as ações de saúde mais humanizadas, democráticas e efetivas.

Principal

Thécio Canuto Ferreira

A prática foi aplicada em

Alagoas

Nordeste

Instituição

Paulo Jacinto

Uma organização do tipo

Instituição pública

Foi cadastrada por

Ideiasus/Fiocruz, Conasems

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

02 jun 2023

e atualizada em

14 set 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Oficina de Culinária Afeto e Sabor
Paraíba
Práticas
Aproximando a Comunidade com a Gestão da Atenção Primária em Saúde
Rio de Janeiro
Práticas
Visita Domiciliar ao Usuário do SUS com Demanda Judicial
Ceará
Práticas
Importância da Conferência Municipal de Saúde para o Fortalecimento da Participação da Comunidade na Defesa do SUS.
Paraíba
Práticas
Participação Popular na Estratégia Saúde da Família em Petrópolis-Rj
Rio de Janeiro
Práticas
Roda de Conversa com As Famílias: Cuidando de Quem Cuida
Rio de Janeiro
Práticas
Implantação de Colegiado Gestor nas Unidades de Saude da Família de Japeri-Rj
Rio de Janeiro
Práticas
Controle Social e Saúde do Trabalhador: a Experiência Regional do Conselho Gestor do Cerest- Pólo Duque de Caxias – Rj
Rio de Janeiro
Práticas
A Experiência do 1º Curso de Capacitação para Conselheiros de Saúde e Membros das Comissões Intersetoriais de Saúde do Trabalhador (Cists) Sobre a Temática da Saúde do Trabalhador do Cerest- Pólo Duqu
Rio de Janeiro
Práticas
Conselho Local de Saúde no Fortalecimento do Controle Social no Município de Crato-Ce
Ceará