Olá,

Visitante

Familiarmente: que m Preserva Os Vínculos Fortalece A Rede

o grupo família denominado Familiarmente começou a compor o serviço de saúde mental há dois anos, inicialmente ofertado como atendimento mensal aos familiares/cuidadores dos usuários do/no CAPS e após uma satisfatória adesão e resultado positivo no processo de melhoria e diminuição do número de crises, surtos e internação dos usuários, o grupo família foi levado ao território, sendo realizado nas UBS pela equipe do NASF e CAPS. Neste grupo família são realizado palestras, dinâmicas e rodas de conversas frente as demandas dos usuários e da própria família. Ofertando assim orientações para que haja qualidade de vida e a consolidação dos vínculos família/usuário e da rede de saúde. Promovendo o fortalecimento dos laços afetivos e consequentemente prevenindo o aumento do fluxo de internações, além de cuidar de quem cuida (família).

Fortalecer a rede de saúde mental com porta de entrada na atenção básica para que haja a diminuição das internações em hospitais psiquiátricos, assim como proporcionar a comunidade o papel de sujeito ativo no processo de construção da sua saúde. Para realização do grupo família a UBS na pessoa da enfermeira é informada e mediante os ACS os familiares e comunidade são informados sobre o dia que ocorrerá o grupo. Esse convite é feito à domicílio. No momento do grupo são realizados dinâmicas, palestras, rodas de conversa, abordando temáticas como: sexualidade transtorno de humor, de ansiedade a importância das medicações auto responsabilidade, higiene mental e física entre outros.

Foi observado que após a implantação do grupo família, a comunidade e familiares estão mais comprometidos com a saúde mental, assim como no cuidado dos seus membros que apresentam algum tipo de transtorno. Além de diminuir o número de crises, surtos e automaticamente a baixa no fluxo ao Hospital Ulysses Pernambucano.Diante no cenário atual de retrocesso aos cuidados em saúde mental, torna-se relevante a busca e implementação de abordagens que vá de encontro ao retorno de formas desumanas de tratamento. Não existe comunidade, território sem pessoas, sem seus agentes. A saúde é um processo de construção coletiva, onde o usuário precisa ser empoderado e para que isto venha acontecer, precisamos trabalhar suas raízes, seu primeiro vínculo afetivo, seu primeiro ambiente social: a família.

Principal

Gislany Camilla B. Cordeiro Silva

camillacordeiro.psic@gmail.com

Coautores

Thamyres Bryan Silva Ataíde, Maria Isadora Souza Aguiar,

A prática foi aplicada em

Vicência

Pernambuco

Nordeste

Instituição

Rua Cacilda Maranhão, Nº 80

Uma organização do tipo

Instituição Privada

Foi cadastrada por

Valéria Queiroga De Lira Silva

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

23 set 2023

e atualizada em

23 set 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
TEA/TDAH: inclusão sem discriminação
Paraíba
Práticas
Visita de luto – uma atitude humanizada
Rio de Janeiro
Práticas
Vacinação Sem Barreiras: um Grande Desafio
Todos os Estados (Norte)
Práticas
Vacinação: Estratégias para o Aumento da Cobertura Vacinal no Município de Barrolândia – TO
Todos os Estados (Norte)
Práticas
Plano de Recuperação do Faturamento Ses/Df
Distrito Federal
Práticas
Sala de Situação Ses-Df
Distrito Federal
Práticas
Rede Inovases
Distrito Federal
Práticas
Diagnóstico de Atendimento da População Hipertensa/Diabética da Equipe 474/06
Distrito Federal