Olá,

Visitante

Escala de Risco Familiar: uma Ferramenta de Qualificaçao do Processo de Trabalho Utilizada na Unidade Laboratorio da Planificaçao da Atençao A Saude, Tres Cachoeiras, Rs

o município de Três Cachoeiras/RS, possui 10.217 habitantes e, em 2017, iniciou o processo de Planificação em Saúde, sendo a unidade laboratório, o ESF Maria da Rocha Valim, com 4.200 usuários e 1.151 famílias cadastradas no e-SUS. A escala de Risco Familiar é um instrumento de estratificação, preconizado pela Planificação, que pretende determinar o risco social e de saúde, refletindo o potencial de adoecimento de cada núcleo familiar (SAVASSI et al. 2012).

Compartilhar uma experiência realizada através do processo de Planificação da Atenção à Saúde, pelas Agentes Comunitárias de Saúde (ACS) do município de Três Cachoeiras/RS, visando a qualificação do atendimento prestado à população, conforme os princ em maio de 2018, a equipe de saúde da família, com auxílio da tutora do município, passou a discutir sobre a classificação de risco familiar, sua importância e implantação, utilizando para tal, o instrumento de Coelho-Savassi (SAVASSI et al. 2012). A classificação foi realizada pelas ACS, que posteriormente, confeccionaram os mapas do território, sinalizando com o auxílio de alfinetes coloridos, as famílias conforme seus riscos. em janeiro de 2019, o instrumento foi reaplicado, onde utilizou-se uma versão atualizada pelo TelessaúdeRS/UFRGS e SES/RS, com a inclusão de três itens: ‘saúde mental’, ‘violência doméstica’ e ‘pessoa com outras condições crônicas’.

Com a primeira aplicação do instrumento, as ACS perceberam a ausência da condição de saúde mental na escala. Com isso, decidiram junto à equipe, tutora e gestão, inserir este item nos mapas. Na nova versão do instrumento, esta necessidade foi contemplada. em 2019, do total de famílias, 941 (82%) já foram atualizadas (até fevereiro) e apresentam as seguintes classificações: sem risco: 514 (55%) R1: 157 (17%) R2: 115 (12%) R3: 155 (16%). A equipe pactuou a atualização da classificação a cada 6 meses por entender que as condições de saúde da família podem modificar. Ainda, a classificação serviu de base para um fluxo de organização das visitas dos ACS, conforme seus riscos, sendo que a população está sendo informada.A escala atualizada é útil ao mostrar a realidade do território, ao despontar as vulnerabilidades deste. Além de contribuir com a organização do processo de trabalho pelas ACS, que não se baseiam no quantitativo de visitas, mas sim em um atendimento de maior qualidade, pautado na equidade do cuidado. como desafio a ser superado, destaca-se a importância de toda a equipe conhecer a classificação de risco, mantendo um olhar diferenciado, conforme a necessidade de cada família.

Principal

Valquíria Costa Correa

valquiriacc10@gmail.com

Coautores

Danúbia Borges Matos, Janire Andrade Hoffmann, Jenifer Costa Martins, Daiana Maggi Zanelatto Nicolau, Carla Redin

A prática foi aplicada em

Três Cachoeiras

Rio Grande do Sul

Sul

Instituição

Rua: Manoel Afonso Leal, Nº 445, Bairro Bela Vista, Três Cachoeiras / Rs. Cep: 95580-000

Uma organização do tipo

Instituição Privada

Foi cadastrada por

Gilcinara Borges Pereira

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

23 set 2023

e atualizada em

23 set 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
TEA/TDAH: inclusão sem discriminação
Paraíba
Práticas
Visita de luto – uma atitude humanizada
Rio de Janeiro
Práticas
Vacinação Sem Barreiras: um Grande Desafio
Todos os Estados (Norte)
Práticas
Vacinação: Estratégias para o Aumento da Cobertura Vacinal no Município de Barrolândia – TO
Todos os Estados (Norte)
Práticas
Plano de Recuperação do Faturamento Ses/Df
Distrito Federal
Práticas
Sala de Situação Ses-Df
Distrito Federal
Práticas
Rede Inovases
Distrito Federal
Práticas
Diagnóstico de Atendimento da População Hipertensa/Diabética da Equipe 474/06
Distrito Federal