Olá,

Visitante

Enfrentamento do Surto de Sarampo no Município de Boa Vista: uma Experiência que Demonstrou o Quanto É Possível A Integração Entre Atenção Básica e Vigilância em Saúde

Desde fevereiro de 2018 Boa Vista vem enfrentando um surto de sarampo, doença altamente transmissível que o Brasil recebeu o certificado de eliminação em 2016. Diante do surto instalado, as ações que foram planejadas e executadas de forma integrada pela atenção básica (AB) e vigilância epidemiológica (VE) foram a chave para o sucesso no controle do surto, demonstrando que não só é possível esta integração como ela é imprescindível para a realização de qualquer prática no território de saúde.

Planejar e executar ações integradas de VE e AB, somando esforços e possibilitando uma resposta rápida e oportuna, visando proteger a população e controlar o surto de sarampo instalado no município de Boa Vista. Durante o ano de 2018 foram realizadas diversas ações integradas entre AB e VE para contenção do surto de sarampo em Boa Vista. A primeira estratégia para a efetivação da integração foi a ativação da sala de situação do sarampo, onde ocorriam desde a análise da situação, tomada de decisão, desencadeamento das orientações para a rede e próximas ações a serem realizadas. as notificações geradas em hospitais ou pela VE eram compartilhadas em até 24h com as equipes de saúde de família (ESF), que ficavam responsáveis pelo bloqueio vacinal e acompanhamento dos casos e seus contatos, enquanto coleta e investigação eram de responsabilidade da VE. Dessa forma, todas as ações foram planejadas e executadas de maneira conjunta e articulada.

Trabalhar de forma integrada trouxe resultados a curto e longo prazo. A curto prazo o surto foi controlado, tendo seu último caso confirmado em novembro de 2018. A longo prazo a experiência adquirida tornou a equipe mais forte e preparada para situações semelhantes. Se, nos documentos oficiais nacionais sobre o tema da integração entre AB e VE, essa prática ainda é difícil e as ações são centralizadas na VE sem a capilaridade devida à AB, durante o surto de sarampo em Boa Vista foi demonstrado que ela é possível e mais do que isso, foi responsável pelo sucesso no controle do surto. Apesar do surto não ter sido ainda declarado oficialmente encerrado, o trabalho integrado e a vigilância ativa continuam, esse foi o nosso maior aprendizado.Os territórios delimitados onde atuam os profissionais das unidades de saúde são espaços privilegiados para o exercício de práticas de vigilância em saúde. Essa afirmativa nunca foi tão verdadeira quando analisamos as ações que foram planejadas e executadas de forma integrada e articulada entre AB e VE no enfrentamento do surto de sarampo no em Boa Vista. Não somente foi possível como foi o segredo para uma resposta eficaz e oportuna para proteger a população e controlar o surto.

Principal

Roberta Nogueira Calandrini De Azevedo

roberttanc@yahoo.com.br

Coautores

Erica Madelaine Do Nascimento Carvalho, Cinthia Matilde Oliveira Brasil, Francinete Da Silva Rodrigues, Thalita Caroline Da Silva Siqueira, Márcia Figueiredo

A prática foi aplicada em

Boa Vista

Roraima

Norte

Instituição

Rua Coronel Mota, 418 , São Pedro Cep: 69-301-120

Uma organização do tipo

Instituição Privada

Foi cadastrada por

Claudio Galvão Dos Santos

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

23 set 2023

e atualizada em

26 set 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Estudo das infecções do trato urinário na população de Queimadas (PB) atendida pelo SUS
Paraíba
Práticas
VIVER BEM É SER SAUDÁVEL: ACOMPANHAMENTO DE PORTADORES DE DOENÇAS CRÔNICAS NÃO-TRANSMISSIVEIS
Paraíba
Práticas
Vigilância Epidemiológica: relato de experiência sobre a operacionalização do trabalho no município de Quatis
Rio de Janeiro
Práticas
Vacinação antirrábica animal itinerante – a vigilância ambiental em saúde vai até você!
Rio de Janeiro
Práticas
Estratégia de rodízio para ampliação do acesso da população às vacinas com apresentação multidoses
Rio de Janeiro
Práticas
Projeto agrotóxicos: Um olhar consciente
Paraíba