Olá,

Visitante

Descentralização do Fosfato de Oseltamivir (Tamiflu®), como Forma de Prevenir o Agravamento dos Casos de Síndrome Gripal (Sg) e Síndrome Respiratória Aguda Grave (Srag)

A influenza é uma infecção respiratória aguda, causada pelos vírus A e B. o vírus A está associado a epidemias e pandemias, enquanto o B está associado com epidemias mais localizadas. É um vírus de comportamento sazonal, sendo que no Brasil é mais freqüente no primeiro semestre do ano. A vigilância da influenza no Brasil é composta pela vigilância sentinela de síndrome gripal (SG), de síndrome respiratória aguda grave (SRAG) em pacientes internados em unidades de terapia intensiva (UTI) e pela vigilância da SRAG-Hospitalizado. Está indicado o uso de Fosfato de Oseltamivir (Tamiflu®) para todos os casos de SG, que tenham fatores de risco para complicações e para todos os casos de SRAG. É válido ressaltar a importância da administração preferencialmente nas primeiras 48 horas após o início dos sintomas. Dessa forma, sua descentralização para os serviços de saúde é fundamental, pois o paciente poderá iniciar o tratamento assim que houver a suspeita clínica.

Prevenir o agravamento dos casos de SG e SRAG através da descentralização do Tamiflu® a todos os serviços de saúde do município de Belém, de baixa, média e alta complexidade,públicos e particulares. Desde o ano de 2012 a Secretaria de Saúde de Belém, vem descentralizando o Fosfato de Oseltamivir (Tamiflu®) a todos os serviços de saúde do município. Os serviços de saúde que solicitam o medicamento pela primeira vez devem enviar ofício ou memorando ao Departamento de Vigilância em Saúde (DEVS) e para pedir o reabastecimento, é necessário apresentar as prescrições médicas, para comprovar a liberação da medicação pelo serviço. Os pacientes que são atendidos em consultórios particulares podem retirar a medicação no DEVS, desde que apresentem a prescrição médica. Além disso, o DEVS dispõe de um plantão que serve de suporte aos serviços de saúde que fiquem sem o antiviral em estoque nos finais de semana e feriados.

De 2014 a 2018 tivemos 231 casos de SRAG, com resultados positivo para Influenza, notificados em Belém sendo que 190 evoluíram com cura e 41 a óbito. Dos óbitos, 34 (83%) foram tratados com Tamiflu®, entretanto 27 (79%) iniciaram o tratamento após 48 horas do início dos sintomas. Dos pacientes que tiveram alta por cura, 166 (87%) foram tratados com Tamiflu®, sendo que 71 (43%) iniciaram o tratamento até 48 horas do início dos sintomas. No mesmo período, 1116 pacientes, notificados para SRAG, fizeram uso de Tamiflu®, sendo que 992 (89%) iniciaram o tratamento até 48 horas após a internação. Mostrando que os hospitais estão atentos para o início precoce do tratamento.Os dados demonstram que os pacientes que iniciaram precocemente o tratamento com a antiviral, tiveram um melhor prognóstico se comparados aos que iniciaram o tratamento após 48 horas do início dos sintomas, isso justifica a importância da descentralização desta medicação aos serviços de saúde.

Principal

Josué Marques Da Costa

josue-marques@outlook.com

Coautores

Rute Leila Dos Reis Flores, Veronilce Borges Da Silva, Eula Oliveira Santos Das Neves, Amanda Rodrigues Ribeiro, Carlos Gustavo Paes Barreto Da Cruz

A prática foi aplicada em

Belém

Pará

Norte

Instituição

Avenida Rômulo Maiorana, Nº1848, Apto 201 Bloco A, Marco, Belém/Pa

Uma organização do tipo

Instituição Privada

Foi cadastrada por

Sérgio Amorim De Figueiredo

Conta vinculada

23 set 2023

e atualizada em

26 set 2023

Seu Período de Execução foi de

até

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Educação Permanente em Saúde Diária como Estratégia de Sustentação na Integração Entre Equipes Técnicas Distintas – Atenção Básica e Vigilâncias
São Paulo
Práticas
Avaliação Interdisciplinar e Diagnóstico Diferencial – Mobilização na Busca de uma Linha de Cuidado Assertiva no Cer de São Bernardo do Campo
São Paulo
Práticas
Intervenção do Farmacêutico do Nasf no Uso Irracional de Antiinflamatórios Não Esteroidais (Aines), uma Experiência da Ubs União
São Paulo
Práticas
Tecendo Redes: uma Experiência de Articulação do Trabalho em Rede Intersetorial em um Território de Saúde no Município de Assis/Sp
São Paulo
Práticas
Empoderamento Social em Defesa do SUS no Município de des calvado – Sp
São Paulo
Práticas
A Experiência de Implantação da Política de Saúde Integral para Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (Lgbt) na Região Central do Município de São Paulo
São Paulo
Práticas
des envolvimento da Gestão de Custos no SUS em São José do Rio Preto
São Paulo
Práticas
Processo de Implantação da Estratégia Amamenta e Alimenta Brasil como Forma de Transformação e Reorganização do Trabalho em Ubs
São Paulo
Práticas
Primeira Mostra de Experiência da Linha de Cuidado Sobrepeso e Obesidade, Os Resultados Alcançados Pelo Município de Parapuã Sp
São Paulo
Práticas
Compulsão Decisória na Judicialização da Saúde, des estruturando e des afiando o Financiamento Finito do Sistema Único de Saúde
São Paulo