Olá,

Visitante

Apoiadores Municipais da Política Nacional de Humanização, Fomentando os Núcleos Técnicos de Humanização nos Distritos Sanitários de Saúde da Secretaria Municipal de Saúde de Maceió/Al

Finalidade da experiência

Maceió, a capital do Estado de Alagoas. Com quinhentos e TRE mil e setenta e dois quilômetros quadrados de extensão, detém 1,81% da área territorial alagoana. A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de Maceió é responsável pelos cuidados de saúde de novecentos e trinta e dois mil e setecentos e quarenta e oito habitantes (IBGE, 2014), distribuídos em cinquenta e dois bairros que, para fins administrativos, são agrupados oito regiões, denominadas Distritos Sanitários, de modo a regionalizar a organização da oferta das ações e serviços à população (MACEIÓ, 2014). Atualmente o setor de Coordenação de Desenvolvimento de Recursos Humanos (CDRH) desta Secretaria além da atribuição inerente de gestão de formação em saúde dos profissionais da SMS, tem também como responsabilidade a condução da Política de Educação Permanente em Saúde e da Política Nacional de Humanização da Atenção e da Gestão em Saúde, em nível municipal. A Política Nacional de Humanização (PNH) da Atenção e da Gestão em Saúde, ou HumanizaSUS, implantada em 2003, reconhece na participação social uma estratégia para qualificar o SUS e retoma o caráter político da noção de saúde, apontando a inseparabilidade entre os modos como produzimos as necessidades de saúde, os serviços de saúde e os próprios sujeitos,. Sendo assim, intensifica a “valorização dos diferentes sujeitos implicados nos processos de produção de saúde” (BRASIL, 2009b, p.5). Para isso defende a criação de espaços e planos de construção coletiva das práticas de cuidado e de gestão em saúde, implicando gestores, trabalhadores e usuários nesse processo. Com forte legitimação da participação social, a PNH tem, como princípio: o protagonismo, a corresponsabilidade e a autonomia dos sujeitos e coletivos da população de saúde, que (re)coloca usuários e profissionais em posição ativa na construção da realidade de saúde brasileira, assim como, fortalece o caráter democrático e participativo em todas as instâncias de gestão do SUS

O modelo de assistência à saúde no Brasil está pautado no reconhecimento de peculiaridades regionais e territoriais, favorecendo a formação de Redes de Atenção à Saúde como estratégia de aperfeiçoamento político-institucional, gerencial e de organização da atenção do SUS (MENDES, 2011). O fomento dos Apoiadores da PNH aos NTH tem impacto no fortalecimento das Redes, principalmente nos DS. Fortalecimento das redes de saúde de base distrital, com integração entre ações de trabalho e educação em saúde. Fortalecimento dos vínculos entre profissionais de saúde e usuários pertencentes a um mesmo DS através da produção da co-análise , co-decisão, corresponsabilidade e cogestão dos processos de saúde-doença em seu territórios de abrangência. Fomento da gestão compartilhada e participativa. Promoção de maior interação e integração organizacional dos profissionais. Mudanças nas práticas de atenção, aumentando a qualidade da relação profissioal-usuário, assim como profissional-gestor. Impactos importantes para a promoção de uma atenção universal, integral e equânime pelo SUS. Entendemos a Humanização da saúde como uma construção que ocorre com reflexão, discussão e problematização dos processos de trabalho, visando transformação das práticas profissionais no sentido de garantir direitos de trabalhadores e usuários. Sendo assim, consideramos pertinente o fomento de espaços de diálogo no cotidiano dos serviços, como estratégia de educação, democratização das relações de trabalho, qualificação e humanização da atenção. A cogestão do trabalho e da educação na saúde se insere no contexto de valorização dos trabalhadores, fomento ao exercício da cidadania, promovendo a melhoria da qualidade dos serviços de saúde e o fortalecimento do SUS que dá certo.ReferênciasBRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Grupo de Trabalho de Humanização. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2008.____.­____.____.Política Nacional de Humanização da Atenção e Gestão do SUS, Clínica ampliada e compartilhada. Brasília: Ministério da Saúde, 2009ª.____.­____.____.Política Nacional de Humanização da Atenção e Gestão do SUS. Gestão participativa e cogestão. Brasília: Ministério da Saúde, 2009b.CAMPOS, G. W. de S. Um método para análise e cogestão de coletivos: a constituição do sujeito, a produção de valor de uso e a democracia em instituições: método da roda. São Paulo: Hucitec, 2007.Maceió. Secretaria Municipal de Saúde. Coordenação Geral de Planejamento, Controle e Avaliação. Plano Municipal de Saúde – PMS: 2014/2017. Coordenação de Planejamento/Núcleo de Programação e Orçamento: Maria de Cássia Barbosa de Oliveira Melo e Quitéria Maria Ferreira da Silva (Org.). Maceió, 2014.Mendes, Eugênio Vilaça. As redes de atenção à saúde. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2011.

Principal

Luciano Bairros Silva

humanizacao@sms.maceio.al.gov.br

A prática foi aplicada em

Maceió

Alagoas

Nordeste

Instituição

Rua Dias Cabral, nº 569 – Centro.

Uma organização do tipo

Instituição pública

Foi cadastrada por

Luciano Bairros Silva

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

12 fev 2016

e atualizada em

14 set 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Contracepção Reversível de Longa Ação na política de saúde feminina: aquisição de todos em Maricá – RJ
Rio de Janeiro
Práticas
Planejamento Local e Participativo na Estratégia Saúde da Família no Município de Cachoeirinha/Tocantins
Tocantins
Práticas
Novo modelo de cooperação intermunicipal na região de saúde de São Sebastião do Paraíso(MG)
Minas Gerais
Práticas
Implantação do Espaço de ofertas de Práticas Integrativas e Complemenares em Saúde(Pics) para Trabalhadores, Alunos, Estagiários e Usuários-Ensp/Fiocruz
Rio de Janeiro
Práticas
Conferências Locais de Saúde: Estratégias de Educação Permanente para o Plano Municipal de Saúde.
Rio Grande do Sul
Práticas
“Uso de Dados do Sisreg Prótese odontológica no Planejamento na Gestão Pública em Fraiburgo Sc”
Santa Catarina
Práticas
Implantação de ferramenta de cadastro e autorização de procedimentos oncológicos em Montes Claros (MG)
Minas Gerais
Práticas
Saúde do Trabalhador: Ampliação do Acesso a Assistência, Cuidado, Promoção e Prevenção.
Paraíba