Olá,

Visitante

Análise da Produção Relacionada ao Registro do Exame Citopatológico Cérvico Uterino nos Sistemas de Informação SiaSUS e Siscan da Região Transamazônica/Xingu.

Foi observado significativa discrepância nos valores apresentados pelos municípios nos sistemas de informações SISCAN e SIA / SUS. Dos 20.643 exames pactuados na região, apenas 7.662 exames de papanicolau foram lançados no SISCAN, portanto efetivamente realizados e, apenas 1812 exames foram retroalimentados no SIA/SUS, levando a uma perda de produção de cerca de 76,3% do total realizado. Essa significativa perda de informação leva a interpretações equivocadas dos dados coletados no sistema de informação nacional (DATASUS), acarretando significativa distorção na avaliação dos indicadores de saúde locais, estaduais e nacionais, como também influenciam no baixo retorno financeiro das produções apresentadas nos municípios da região.

O Câncer do Colo Uterino é um dos mais incidentes na população feminina brasileira. No Brasil em 2014, foram estimados 15.590 casos novos de câncer do colo do útero e uma taxa de incidência de 15 casos por 100 mil mulheres, no Estado do Pará em 2014 foram estimados 830 casos com uma taxa de incidência de 21 casos para cada 100 mil mulheres, sendo uma das maiores no País (INCA-2014).Um dos principais instrumentos que auxiliam a consolidação das ações de um programa de controle de câncer é a utilização de um sistema informatizado para gerenciamento das informações oriundas das unidades de saúde, possibilitando através dele, construir indicadores específicos de cobertura e acompanhamento do seguimento, como também colaborando para o melhor planejamento das ações de controle do câncer do colo do útero. O estudo analisou as informações referente ao lançamento das informações do exame citopatológico cérvico uterino em mulheres de 25 a 64 anos nos sistemas de informação SIA e SISCAN.

A interação entre sistema de informações é uma necessidade urgente, afim de possibilitar uma maior coesão nas informações produzidas pelo nosso sistema público de saúde, evitando desperdício de recursos públicos e humanos. Consideramos premente uma avaliação mais aprofundada, não apenas na região transamazônica/Xingu, mas também em outras regiões do País, onde possa estar ocorrendo tal situação evidenciada neste estudo.

Principal

Antonio Carlos Lima

carlosenf@bol.com.br

A prática foi aplicada em

Altamira

Pará

Norte

Instituição

R. Cel. José Porfírio, 2889

Uma organização do tipo

Instituição pública

Foi cadastrada por

Antonio Carlos Lima

Conta vinculada

emanoel.filho@fiocruz.br

02 jun 2023

e atualizada em

14 set 2023

Seu Período de Execução foi de

até

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Pode ser lindo aprender no SUS: uma proposta para o acolhimento dos futuros trabalhadores da saúde
Rio de Janeiro
Práticas
Mas eu não consigo doutor – Grupos dialógicos para a APS – Juntos nós podemos
Rio de Janeiro
Práticas
Novos horizontes para a educação permanente em saúde: alcançando as necessidades do SUS
Rio de Janeiro
Práticas
Estágio na Comunidade: Ações de Educação em Saúde Realizadas na Comunidade Vale da Cachoeira no Municipio de Palmas/To
Tocantins
Práticas
Projeto Cuidar de Quem Cuida
Pará
Práticas
Reorganização da Atenção Primária do Município de Canaã dos Carajás- Pará, Através da Implantação do Acolhimento À Demanda Espontânea e Prontuário Eletrônico do Cidadão Integrado
Pará
Práticas
Educação em Saúde Ferramenta Primordial na Esf Hiperdia
Pará
Práticas
Linguinha solta assegurando um futuro saudável e sustentável
Goiás
Práticas
Incentivando o mais simples em busca de melhores resultados – aleitamento materno
Goiás