Olá,

Visitante

Acolhimento Referenciado de Adolescentes na Atenção Básica, Considerando o Direito de Acesso À Saúde

A população de adolescentes representa cerca de 16% da população total. Este grupo etário, é o que menos frequenta os serviços de saúde e historicamente não têm tido a necessária atenção à saúde. Considerando as características desta população e a necessidade de estimular uma aproximação entre os trabalhadores da saúde e os adolescentes, entendeu-se que estes trabalhadores deveriam ir ao encontro dos adolescentes onde eles estivessem, ou seja, na escola. Considerando as notas técnicas MS 04/2017 – o direito dos adolescentes serem atendidos nas UBS desacompanhados dos pais ou responsáveis e as ocasiões em que é necessária a presença de pais ou responsáveis, MS 02/SEI/2017 – atendimento em saúde bucal de adolescentes desacompanhados dos pais ou responsáveis nas unidades básicas de saúde, e SES 01/2018 – Adolescentes e o direito de acesso a saúde, construiu-se o projeto chamado “Acolhimento Referenciado de Adolescentes na Atenção Básica Considerando o Direito de Acesso à Saúde”.

Conscientizar adolescentes sobre o direito de frequentar Unidades Básicas de Saúde, acompanhados de responsáveis ou não, uma vez que este é o local adequado para que eles se informem sobre saúde, prevenção de doenças e agravos em saúde. A primeira etapa: formação de trabalhadores das UBS escolhidos para o “Acolhimento Referenciado de Adolescentes na Atenção Básica Considerando o Direito de Acesso à Saúde”. Segunda etapa: reprodução da formação nas UBS, para os demais trabalhadores. Terceira etapa: encontro dos trabalhadores capacitados para o acolhimento, com os adolescentes, nas escolas. Instrumento de apoio utilizado: “Guia Curtindo uma Adolescência Saudável”. Conjunto de informações básicas sobre prevenção de doenças e promoção de saúde, com o objetivo de aproximação entre os adolescentes e os trabalhadores da saúde. o Guia trazia na sua contracapa o nome do profissional de saúde acolhedor para que o adolescente soubesse quem procurar na UBS.

como resultado podemos destacar o nosso principal objetivo que foi o aumento da frequência de adolescentes nas unidades básicas de saúde. Destacamos também o atendimento do chamado que fizemos aos trabalhadores de saúde de pro ativamente irem ao encontro dos adolescentes nas escolas para estabelecerem esta aproximação. Os momentos que se seguiram foram muito recompensadores para as equipes de saúde de uma forma muito subjetiva, mas que possibilitaram avanços significativos na atenção à saúde de adolescentes.A alta rotatividade de trabalhadores e a resistência de alguns para o trabalho com adolescentes exige que se faça formações constantes. Os fundamentos das Notas Técnicas estabelecidas e baseadas no Estatuto da Criança e do Adolescente dissiparam as práticas antigas e inadequadas. o projeto pretende manter o trabalho de busca dos adolescentes permanentemente, pois a cada ano temos uma nova geração de crianças passando a adolescentes que precisam ser orientadas.

Principal

Jacqueline Da Silva Dutra

JSD.NUTRI@GMAIL.COM

Coautores

Thais Huckenbeck, Angelina Pontes Da Silva,

A prática foi aplicada em

Pelotas

Rio Grande do Sul

Sul

Instituição

Avenida Duque De Caxias, 170 Bloco G-202

Uma organização do tipo

Instituição Privada

Foi cadastrada por

Leandro Leitzke Thurow

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

23 set 2023

e atualizada em

23 set 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Enfrentamento das arboviroses – ações integradas no bloqueio de Pe’S
Alagoas
Práticas
Benefícios das Práticas Integrativas e Complementares no Apoio da Atenção À Saúde do Idoso – Programa Valorização da Melhor Idade
Alagoas
Práticas
Gestão Estratégica e Participativa no Sus: Implantando Novas Instâncias Deliberativas no Município Paulo Jacinto – Al
Alagoas
Práticas
Circuito Eu Sou SUS Pré-Natal: uma Estratégia para Fortalecer A Adesão ao Pré-Natal na ESF Branca Ii em Atalaia – Alagoas
Alagoas
Práticas
Implantação da Divulgação do Diu Como Método de Prevenção de Gravidez, Não de Doença Sexualmente Transmissíveis.
Rio de Janeiro
Práticas
Ambulatório de Follow Up – Acolhimento, Humanização e Cuidado Qualificado Aos Bebês de Risco do Município de Rio das ostras.
Rio de Janeiro
Práticas
O trabalho dos agentes de endemias na identificação de larvas de mosquitos de interesse público
Rio de Janeiro
Práticas
Estratégia Adotada em Iguaba Grande/Rj para o Monitoramento e Avaliação Participativa da Produção Informada no Sia/SUS
Santa Catarina
Práticas
Essa Planta Serve para Quê?
Bahia
Práticas
Controle Social E Saúde Do Trabalhador: A Experiência Regional Do Conselho Gestor Do Cerest- Pólo Duque De Caxias – RJ
Espírito Santo